125x125 Ads

Para o norte pedido, girassóis

0 comentários
Não sei mais do que sou capaz. Acredito piamente em um esgotamento da fé sobre a raça humana. É possível ter esperança por um período, mas ao final de uma semana, um mês, um ano que seja, sem forças, sem braço, o cansaço toma conta. E não é aquele cansaço físico, nem o mental. Não é aquele cansaço de ter carregado lenha, é o de não saber por que se está procurando o fogo. Parecem esgotadas todas as possibilidades. “Tudo que você podia ser”, sabe quando o Milton canta no som do carro? Tudo aquilo que a gente não é, ainda não foi, é sofrido, mas tudo o que a gente não pode ser mais é arrebatador. É como se ver em um canto da praia, sobre as pedras, e de repente cair a ficha de que aquela imensidão existe, mas não é sua. É inalcançável. Não ser importante, não ser milionário, não gritar a sua voz no mundo. Eu já atendi a todas aquelas obrigações que te ensinam desde cedo. Não pulei nenhuma etapa, estou aqui onde deveria estar, mas não estou. Satisfeita, plena, consciente, bem-sucedida, admirada, no topo, em paz. Você entende que não é só não ter chegado a lugar algum, não é sobre estar sozinha engolindo vinho até o sono chegar, não é sobre não ter concluído o projeto que não tem cara ou corpo. É sobre não ter um caminho, você entende?

Ele parou o carro. Ela olhou através do vidro do carro a coreografia dos para-brisas. Enxergou ao longe ele ensopado, caminhando com um vaso na mão.



Olha, não sei muito sobre percursos. Na verdade, nem sei muito sobre você. Mas acho que quando a gente procura um caminho, já está nele. Seu norte não está neste vaso, mas talvez eles ajudem você a encontrar o que está procurando, porque eles sempre sabem para onde ir.



Mais informações »
0 comentários
Sou toda água, mareio nas tuas sem dar pé
Fito o céu me deixando levar, não sei das braçadas
Nesse navegar trajetos são mil, qual futuro
Em meu ventre habitam medos, seis bichos do mar
Um bilhão de peixinhos a me cocegar

O sol a me cegar, custo a ir contra a maré
Prefiro, flutante, desanuviar as borboletas
Pelas mãos carregar as tuas, mas não tenho o rumo
Vou me afastando da terra, parece que ela zomba
Sabe da direção improvável, da tempestade

Não há sentido nessa deriva, torta e flamejante
Até que vejo teu dorso à beira, a me esperar
E me dar a mão, sem entender ou apontar, remar
Os pares, enquanto dupla a caminhada, sabem-se
Mar de amar não tem caminhos, promessa incerta
Vamos lá, amor, se afogar?
Mais informações »

Prece de inverno

0 comentários
Minha mãe diz que arrumar a cama todo dia faz a gente ficar protegido. Confesso que nem sempre lembro. Às vezes é escolher entre a cama, lavar a louça do café ou assistir um pouco de tevê. A coberta meio embolada, o pijama jogado no canto, travesseiro caído no chão.
Hoje numa calçada encontrei um morador em situação de rua arrumando a dele. Confesso que nem sempre reparo neles. Às vezes é a pressa, noutras estou resolvendo alguma coisa na tela, em algumas estou de olho nas vitrines. Eu meio distraída, desviando dos senhores, das senhoras e de suas casasmóveis.
O homem arrumava a cama com tanto zelo que prendeu meu olhar. Confesso que uma partezinha de mim pensou para que tanto cuidado em arrumar algo que qualquer um podia bagunçar. Vi sua mão colocando a coberta azul bem certinha embaixo do colchão fininho, dobrando bonito perto do travesseiro, passando a mão por cima para tirar toda ruga. Eu pensando que aquela cama era toda a sua casa, tanto esmero que valia.

Desejei aquele cuidado, a dedicação ao seu bem, aquela sabedoria. Confesso que eu, com uma cama bem maior, bem mais quentinha, com um teto sobre a cabeça e com uma casa inteira em volta dela, não me lembro de arrumar a minha. Quiçá me lembro de agradecer a minha. Desejei fortemente, rezando baixinho, que aquele senhor, de acordo com os ensinamentos da minha mãe, ficasse bem protegido.
Mais informações »

Meu projeto, meu pedido

1 comentários
São Paulo, meu amor

Completamos cinco anos de namoro. Acho que já te conheço bem. Da mesma forma como você sabe dos meus podres. Já fizemos xixi com o outro junto. Você já me viu dizendo: nunca mais vou beber! Até cruzar com o próximo sábado. Já me viu chorar debaixo dos óculos escuros. E fingir que nada aconteceu.
Quando eu vim, meio bocozona de tudo, sua tática foi me encantar, charmosa, envolvente, sedutora, com seus trocentos museus por quilômetro quadrado. Com suas exposições, shows gratuitos, com seus cafés, seus teatros, seus parques sob duas rodas. Tateando meu prazer em ruas estreitas, permeadas por ipês floridos, que cruzadas outras esquinas se transformavam em abrigos de arranha-céus e largas avenidas.
Eu também era mais vivaz. Cruzava a cidade por um filme iraniano. Era aquela disposta, alegre, que não me importava com qualquer obstáculo. Você era o meu suficiente. E eu declarava o meu amor aos quatro ventos, sempre pronta a uma nova declaração de bem-querer, a um novo cartão postal.
Mas já passamos da fase de cantarolar na Ipiranga com a São João. Você não me impressiona mais, querida.
Porque já me ganhou.
Portanto, não é crise. Nem cansaço. Nem tédio, rotina. Passei a me perguntar por que te amava tanto. O vício pelo trabalho, a falta do mar, as quebradas de cabeça diárias, o individualismo gritante, os pares sempre tão reticentes, rasos, tanta e tanta preguiça.
Pensando e pensando, vi que não é esse o bem que você me traz. Vi que você é bem mais. Recordei o nosso início de namoro, a minha paixão, resistente à chuva de janeiro, que caía todo dia, todo dia, todo dia. Que travava as ruas, que alagava tudo, que desafiava a lógica do Google Maps impresso, bem antes da tela ao alcance das mãos. Aquele janeiro foi foda.
E eu resisti, mansinho, engolindo choro, porque queria ver então a gente, a gente, a gente, igual à música do Milton. Cinco anos depois posso bater no peito e falar feliz da nossa trajetória. Posso pedir replay dos tropeços e rir de tudo que parecia tão devastador e, passada meia década, se torna irrisório. Você me ensinou a conduzir, não um carro, mas meu caminho. Sou muito mais Tatiana em suas calçadas. Sou muito mais eu levando a cabo meu destino.
Te reconheço em suas malcriações, mas ainda sou eu a te chamar de minha. E se com cinco anos repensamos as relações e avaliamos o término do ciclo como um fim ou um recomeço, voto, sem dúvida, na segunda opção. Ainda quero me perder em seus ônibus, com ou sem enchente. Ainda quero me deslumbrar com seus museus, ainda quero caminhar em suas ruas como que em um formigueiro e dizer que não te trocaria. Passado tudo, a eterna aventura em que persiste, ainda somos os mesmos, afinal. Maior amor.
Você ainda faz parte do meu projeto, da minha escolha. É seu nome que respondo se perguntada por um lar. Ainda é seu o meu acordar. Ainda é em ti que projeto meus sonhos, apesar de eles se embaralharem com outras cidades em alguns devaneios loucos. Foi em um deles que sonhei que partia de ti. E chorava, copiosamente, porque ainda não era findo o projeto. Ainda quero ficar, São Paulo.
Ainda quero me perder em ti. Ainda quero que você me baste, mas em ti quero que me perca, me abocanhe, me devore. Me transborde. É chegada a hora de mais um passo, por mais que acabe. Quero a eternidade, por mais que chegue a hora de avançar para outros portos. Quero seu amor sempre em mim. 
Se te amo tanto, talvez um namoro seja muito pouco.
Casa comigo?




Mais informações »

Miga, me ajuda

0 comentários
Me ajuda, miga. Mexeu com uma, mexeu com todas. Então, miga, não fala que ela precisa de um trato. Não fala que ela é puta, ou que ela “se passou” porque bebeu. Não existem limites de passamento quando se trata de um homem, então, miga, sua loca, pra que riscar uma linha até onde pode ir sua colega?
Empodere-se, miga. Mas ajuda a miga a se empoderar também. Não a diminua, nem que seja pelo gostinho sacana de entortá-la para parecer maior. Miga, isso é loucura. Não diga para a miga que você supervisiona que ela tem que se arrumar mais, porque do jeito que anda vai perder o namorado. Não tem a ver com maquiagem, tem a ver com relacionamento. Se para ele falta maquiagem, miga, é um problema muito sério dele. Não tem que ser seu. Miga, isso não pega bem nem como miga, nem como miga que acha o feminismo o máximo. No facebook.

Facebook. Da Página: Empodere duas mulheres

Não diz que ela merece (o que quer que seja), miga. Não faz isso comigo. Ela não merece, eu não mereço, você não merece, nenhum ser humano merece. Miga, chega de propagar essa culpa. Essa ladainha que a gente recita até de olho fechado. Não combina com a gente, miga. A gente é forte, mas a gente tem que lembrar que somos a gente. Não é ela e você, não é você e eu. Somos várias migas ressurgindo contra tudo aquilo que há milênios nos dizem pra ser. Ou como ser. Ou não ser.

Artista: Owen Gent

Não insinua qualquer coisa de uma miga porque divide a casa com outra mulher. Porque se ela não casou, miga, isso nem seria motivo de chacota. E nem se ela não gostasse de homem, miga, não seria da sua conta. Mas não vem com julgamentozinho torto, não faz a cara das miga ficar no chão. Porque, miga, convenhamos. Você deveria era achar bonito mulher que paga as próprias contas, mesmo rachando com a companheira de apartamento, sem depender de pai, marido ou namorado. Não deveria, miga, usar algo que pra você é ofensa para tentar expor ou avacalhar a vida dela.


Facebook. Da Página: Empodere duas mulheres

Lembra, miga, a gente não diminui a outra. A gente exalta a outra, porque juntas somos mais. Porque, miga, mulher independente é pra ser aplaudida, por mais que você não seja. Somos companheiras de ultraje e de batalha, então, não vá se digladiar com outra do mesmo lado do combate. Miga, não seja louca.
Foto: Fernando Sato/Jornalistas Livres, durante protestos em São Paulo - 2015

Me ajuda, miga. Não é que não pega bem. Não é só porque você compartilha textão no Facebook defendendo as miga, mas na prática reproduz o mesmo discurso machistinha do seu tio-avô. É porque, miga, a gente tá junto nessa. Quando você recrimina a outra, está dando comida para aquilo que também te fere. Te machuca, te humilha, te estupra. Te diminui.
Miga, seja menos. Menos machista, menos contraditória, menos incoerente. Seja mais miga das miga. Me ajuda a ser sã quando eu também escorregar. Quando eu for louca de mesmo em pensamento tentar ferrar a outra. Não é que é mais bonito, miga. É questão de sobrevivência. Minha, sua. De qualquer uma.
Facebook. Da página: Feministas Revolucionárias. 


Mais informações »

Amores antigos não hão de vingar

0 comentários
Mortos não servem de ressuscitar, assim como amores antigos não hão de vingar. São projetos falhos, plantas de casas desordenadas, inimigos jurados de nascença. Não adianta embranquecer as paredes, trocar os móveis de lugar, deixar de procrastinar. Amores antigos não se leem. Já morrem morridos de matar. Amores antigos nem vão durar.
Amores antigos não dão certo em 2013, nem em 2014, muito menos em 2015. Não sobrevivem nem regados a café, a chá, a cachaça. Amor antigo se rechaça. Amores antigos não são outros nem depois de três maratonas. Não há fôlego, repele-se. Amores antigos não de louça, são madeira de demolição. Quando teima em brotar, feito inço, na teimosia de quaisquer amantes, não há valente que não se pele diante dos que se consomem. Chama bruta do querer, flor lilás de fenecer.
Amores antigos são aquele vestido velho que se a gente não doa para a caridade acaba usando. E se arrependendo. Amores antigos são capazes de rasgar no meio do compromisso. Cedem aos remendos. Mancham o álbum de tanto folhear.
Em amor antigo não se toca, mesmo com lembrança das melhores. Besteira revirar o que já está para lá. Para o que não haverá. Amores antigos não sobem a serra, só baixam o decreto: não hão de vingar. Amores antigos não se enquadram na lei do que será. Amores antigos não serão futuros, nem escarafunchados pelos escafandristas, revirando a cidade submersa. Amores antigos não reanimam nem com cinema, nem com açúcar, nem com filme brasileiro, nem com Chico. Realidade perversa.

René Magritte, Os amantes, 1928 

Amantes antigos não se tocam, não se veem, não se compreendem. Amores que já foram não salgam nem com suor antigo. Nem com nostalgia daquele perfume. Amantes antigos são cruéis no desatino. Artigo fim, inciso não insista alínea acabou. Não se tocarão, não se verão, não se compreenderão. Lei da vida. Nada de bom acontece quando um amor antigo teima em piscar. 
Não há três Natais que resistam a um amor antigo. Não há Cristo que perdure. Não há manjedoura impassível. Não há delicadeza no afogamento das lembranças. Balé trágico, pássaro de fogo, benção e perdição. Dual, o amor antigo mata por liberdade. Vida e destruição. Nascimento e morte. Amores antigos são como a sorte.

E morrendo aleatório sabe-se semente. Por isso antigo amor a gente planta, mesmo por teimosia, para ver se sabe. Só para dizer que conhece o fim de antemão, película repetida, eu avisei. Amores antigos a gente sabe que não vingam, é regravação. Mas de repente se vê amansando a terra. Jogando água e colocando o vaso meio de lado de novo no sol. Só para ver se, teimando a sorte, floresce diferente.
Mais informações »

Dos maiores clichês das minhas consolações

0 comentários
Sempre soube reconhecer um abraço de amor. E quando as vi abraçadas ali no meio da escadaria, atravancando meu caminho, sabia que era amor. Outros poderiam xingá-las em alta voz ou pensamento. Estavam atrapalhando quem subia à Consolação. Na cidade louca da pressa, no pico da hora, no fluxo dos sentidos. Dos dois lados da escada, qualquer um que subisse ou descesse se depararia com elas. Tropeçaria nelas.
Não tive tempo de me incomodar. Porque era abraço de amor. Elas paralisadas, tão conectadas que me deu vontade de me abraçar. Não era um abraço de quem se atreve a agarrar o ser amado instintivamente e dizer que o ama. Era um enlace de despedida. Provável que uma subisse a Consolação, a consolação onde terminam todos os amores que começam no Paraíso da Pauliceia absurda. A outra decerto desceria ao subsolo, à passagem subterrânea onde se confundem os livros do sebo, as obras de arte, a música clássica, o mendigo acolhido. Uma certeza tive. As duas, qual fosse a direção, desceriam ao inferno.
Frida Kahlo, As Duas Fridas, 1939

Depois do abraço derradeiro, inevitável o suplício de todos os finais. Embora carregado da promessa de novas linhas, a letra depois do ponto final tem essa mácula do trágico e da dor de todos os mortos. Já passei por inúmeros desses ciclos e por mais tantos passe, eu sei. Essa dor é igualmente sofrida. A vontade de afundar a cara no prato de sopa e nunca mais voltar. A certeza de que vai passar, mas até lá... Até lá é essa dor tão amarga e tão presente. Tão palpável que poderíamos dar-lhe um nome.
Passei por elas e voltei meu olhar. A menina de frente para mim apertava os olhinhos atrás dos óculos quadrados. Enxerguei ali pairando a dor que já foi tão minha. Quis dizer para ela, para as duas, que ia passar. Eu sei, por mim, por todos, sempre passa. Só que até passar parece que precisamos cumprir antes o itinerário ao inferno. Ganhamos a passagem pessoal e intransferível. O problema é que a viagem é tão filha da mãe que vai fazer esquecermo-nos dela ao virmos um novo amor. Assim, como se ela nunca tivesse existido.

Eu não sei por que insistimos em novos amores reconhecendo todo esse ciclo. Amores acabam sim. Não sei por que não nos alarma uma luz na cabeça, vermelha e piscante, dizendo: foge. Você logo estará às voltas em um passo de dança triste, coreografando lágrimas com a desolação, com a consolação. Eu não sei por que essa luz não acende nunca. Eu só sei reconhecer um abraço de amor. E eu sei que tem a ver com a esperança do eterno. E se ela, a esperança, não der conta, sei que vai passar. Sempre passa.


Mais informações »

A gente vai porque sabe que tem para onde voltar

0 comentários
Não estou em Pasárgada, mas sou mesmo amiga do Rei. Ou, melhor, sou filha do Papai Noel. E por mais que essa sentença não faça sentido para quem não saiba a profissão do meu pai, basta saber que aqui passo bem. Passo os dias como num reino.
Um reino do qual debandei há muitos anos e, nos últimos, tenho aparecido só de relance. Venho pingada. Nunca mais desfiz minhas malas. Em cada passagem, uso o que preciso de usar e deixo a mala de canto, esperando ser enchida de novo para partir. Nunca mais fui vivente, somente hóspede.
No entanto, em cada visita me sinto inteira dessa casa, das estantes, dos tacos no chão. Afinal, também são minhas as fotos nas paredes. São meus os livros e trapos que larguei para trás, sou dona até de alguns estragos nas paredes.
Uma amiga me diz que a gente faz as loucuras que faz por aí porque sabe que tem para onde voltar. Essa é a definição mais bonita que tenho para porto seguro. A gente se joga no mundo sabendo que se o mundo não for legal com a gente sempre tem destino certo na passagem. Podemos voltar quando quiser, quando der, sempre tem braços abertos à espera.
Só que quando se tem um porto tão seguro, um lar tão sólido, uma casa tão aconchegante, dentro do coração da gente nenhum lar será lar. Parece que será sempre essa vida pingada, essas casas improvisadas, essas escolhas não tão perenes. Não investimos em nada dentro das nossas próprias casas, como se fôssemos foragidos que podem ter que levantar acampamento a qualquer momento. Dormimos com um olho sempre aberto.
Não há perigo. Há somente o peso de se saber fugida. De ter deixado o lar para trás e não se saber tão digno de fundar outro. No fundo sabemos que, ao sermos donos de outro reino, aqui não seremos mais os escolhidos. Destinados aos agradados, aos pratos feitos para a gente, às opiniões esperadas e ouvidas, à cama pronta com cheiro de alfazema.
Não seremos tanto essa visita importante, que a cada volta leva a mala mais cheia de agrados. Carregamos na mala por quilômetros e quilômetros coisas daqui que poderíamos muito bem encontrar lá. Mas as daqui têm cheiro de mãe, têm recomendação de pai. Têm gosto de herança.

A gente vai porque sabe que tem para onde voltar. E os daqui parecem saber disso. Então, a cada passagem de relance deixam o reino mais acolhedor. Pintam a casa com as cores mais quentes, incensam o lar com a nostalgia da infância, servem os melhores temperos. Dizem sem palavras que aplaudem o voo, mas estão cá embaixo prontos para o retorno. Porque eles sabem que a gente pode voltar. Mas a gente não volta.
Mais informações »

Ainda?

0 comentários
Um amigo foi comprar cápsulas de café e, na hora de pagar, perguntou quais seriam as formas de pagamento. Considerando que comprou várias e que o preço não é nem um pouco baixo, quis saber como amenizar o rombo. A atendente lhe disse que poderia parcelar no cartão, em até dez vezes. “Mas pense bem. Você vai pagar CAFÉ em DEZ vezes?”, ela desafiou. Ele me contou essa história para relacionar café com sofrimento. E desde então eu venho pensando carinhosamente sobre todas as contas que parcelei.
Sempre achei estranho quem pagasse almoço no cartão de crédito. Por mais caro que o almoço seja. Porque o prazer de sentar-se em um belo ambiente, de cheirar o prato e adivinhar os apetitosos ingredientes, de saborear cada pedacinho, tudo isso é no instante. Tudo isso é até bem efêmero. Por que deixar para pagar isso tanto tempo depois? Fico pensando o mesmo dos fracassos, das derrotas, dos desencantos. Às vezes a dor é tanta e a gente não consegue sofrê-la à vista, mesmo que haja 10% de desconto. Existem sofrimentos que não permitem abatimento instantâneo. Ou é capaz de a vítima se despedaçar nessa liquidação. O gerente ficou maluco, mas calma. A gente não precisa ficar.
O mais sensato então, é dividir essa dor em parcelas e deixar-se entrar em contato com ela aos poucos. Enquanto vamos curando as feridas, os pedacinhos de sofrer vêm de novo e de novo, como ondas esparsas. A diferença é que a cada uma que chega o caldinho é menor. O que era tão forte que poderia te afogar tempos depois vira uma marolinha. Ficamos mais fortes. Ou aprendemos a nadar.
Pode ser que mais pra frente a gente consiga até adiantar o pagamento de umas parcelas, a fim de amenizar a dívida. Mas na hora de contrair esse financiamento, na hora que o moço uniformizado pergunta, maquininha em punho, se é débito ou crédito, e em quantas vezes, aí, meu amigo, a resposta tem que ser na lata. A resposta tem que ser inteligente.
Nem sempre a gente precisa se endividar por tudo. Tem baques fortes, mas nem por isso a gente parcela. Às vezes chora no travesseiro naquele mesmo dia, ou balança a cabeça na hora e até deixa pra lá. Mas tem dores mais intensas, e aí talvez a gente não tenha energia ou astral suficiente na conta para pagar. Para não debitar as forças destinadas a outras coisas - como trabalhar, tocar a vida, cuidar dos filhos, fazer o curso de inglês - a gente resolve parcelar.
Por quanto tempo será necessário digerir essa dor e zerar essa conta cada um é que sabe. O que tenho aprendido é que não dá para se estender demais. Porque às vezes a gente está lá, deixando de fazer outras coisas, evitando viver a vida para curar uma dor que já deveria ter passado. Estamos lá, meeeeeses depois de um pé na bunda, perdendo preciosos tempos stalkeando a pessoa no Facebook. Ficamos ruminando uma raiva do chefe ou uma humilhação pública por um tempo tão longo que intoxica. A nós mesmos.
Sofrimento parcelado é uma escolha. Não tem consultor de finanças que determine em quantas vezes você tem que financiar cada fracasso. Cada um sabe que suporte tem ou, quem sabe, que suporte decidirá alcançar, para quitar a sua dor. O que não pode é olhar a fatura do cartão e ver que você ainda está pagando por algo que comprou há muito tempo. Procurar nas letrinhas miúdas porque naquele mês a fatura veio tão alta e se deparar com uma dor antiga, que você nem lembra porque comprou. E pior, você ainda está pagando a 8 de 10. “Ainda???”. Ainda.
É frustrante pagar a conta do café por mais tempo do que você consegue se lembrar dele. É incompreensível pagar uma refeição que foi há tanto tempo atrás. É chato estender uma dor por um tempo em que você deveria estar vivendo tantas outras coisas. É triste saber que às vezes a gente sofre picado, porque não se acha capaz de sofrer golpes maiores por vez.

Como anda a fatura do seu cartão?
Mais informações »

De onde vim

0 comentários
Para um nômade, pergunta pior não tem que: “De onde você é?”. Acostumado a ver o chão de passagem, e não sob a insígnia de raiz, aquele que viaja e pouco para tem motivo de sobra para querer adiar a resposta. “É uma longa história”, geralmente se segue. Pois para mim, que nem venho de tantos lugares palpáveis, mas tantos e tantos imaginados, a pergunta certa não devia ser de onde sou, porque minha identidade está perdida num jogo de espelhos. Devo responder, sim, “de onde você vem?”.
Porque eu venho. Venho, esse movimento sem assinalar direito ponto de partida. Venho de uma terra que ficou etérea nos meus sentimentos, presa num canto chamado saudade. Nem sempre saudade doída. Às vezes só saudade. Venho de um lugar com campos a perder de vista e árvores de raízes tão grossas que é difícil entender essa falta de pertencimento.
Venho de um tempo que era meu camarada. Que não me pedia para ser ou ir, ele só passava. Suave, tão suave como aquelas tardes. Aquelas que se perderam no meu incontrolável querer de liberdade. Venho da vontade pulsante de ser algo além daquelas paredes escritas para mim. Da farmácia que minha mãe esperava eu abrir. Dos rostos conhecidos nos bancos da igreja. Venho da fome de mundo que aquele prato nunca deu conta.
Venho do balançar da rede e do bater de asas de beija-flores que rumavam sempre para outros rumos. Para o Sul, eu pensava. Os beija-flores devem ir para o Sul porque estão sempre com pressa. Eles já têm o norte. Só deve faltar o Sul. Venho desse suspiro de me saber passarinho. Indomesticável. Venho das águas roladas, de chuva ou lágrimas, seguindo impulsos naturais.
Venho às vezes da vontade de voltar. Mãos calejadas, rugas aqui e ali de chorar. De chorar aquela saudade, aquela certeza de que tudo estará tão fotografadamente tão igual como o impresso nas minhas retinas de menina. Tão igual de mim. Venho da face assombrada de quem vem de um lugar pequeno e se vê refletido numa pequenez familiar. Aquele lugar tão circunscrito às nossas lembranças não podem ser a gente todo, arre. Mas é. Ou melhor, mas vem.
Venho dessa inquietude de volta ao mundo, de dar a volta em si mesmo sem sair do lugar. Do lugar comum. Do lugar gigante tão parecido com o de onde eu venho. Venho, ora menina, ora severina. Venho de uma mãe e de um pai que se conheceram pelas janelas, desafiando uns 7 estados e uns metros de altura abaixo. Talvez fosse predestinado, para mim e meus irmãos, ser de onde não sabemos ser. Vim de onde nunca viemos.
Das histórias do mar do Recife, venho da ânsia de querer pegar onda. Venho da lembrança do dia que aprendi a boiar num mar calmo, sem oscilar. Venho do nunca aprender a nadar. Venho dos caprichos, de jardins frondosos, de letras escritas e não enviadas. Venho do frio e do medo da madrugada. Do voltar para casa. Venho da saudade de ter aquele prumo.


Eu venho, venho porque nem sempre me dá coragem de ser. Ser é retrato estanque. A gente é e pronto, coisa chata. Quando a gente vem é diferente. A gente inventa um vir, um ir. A gente inventa que tem compromisso com o balanço. E o vim dá mais amplitude ao coração. O vim não tem certidão. Quando ninguém prova de onde você é, dá mais razão para a gente estender a mão e dizer: “vem também?”
Mais informações »
 

Copyright © 2010 • ::: salto baixo • Design by Dzignine