Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2006

A fantástica epopéia...

"Serei sempre o que não nasceu para isso;
Serei sempre só o que tinha qualidades" (Álvaro de Campos)Palavras certas e destaque... Medalhas e congratulações... Sonhos e realizações efêmeras... e para quê? Para descobir que as palavras certas não são garantia de nada, que o destaque morre com a inveja e o desânimo... As medalhas enferrujam, as congratulações perdem-se em ecos vazios de sentido. Os sonhos são como nuvens de algodão... Concretos até onde nossa imaginação nos deixa alcançá-los. A efemeridade é alucinógena... Nos deixa extasiados, para logo mais puxar-nos o chão... Hoje eu li que os escritores escrevem influenciados pela infância... A minha foi de fantasias, em muitos sentidos... A fantasia elaborada pelo meu pai, malabarista na arte de deixar nossa vida mais interessante... Fantasias da infância da minha mãe, contadora de histórias. Fábulas de um mundo distante, pelo menos na imaginação de uma criança... Uma vida fantasiosa de amigos imaginários e desejos de torna…

À espera de um milagre...

"A dor é inevitável, o sofrimento é opcional" (Carlos Drummond de Andrade) A definição de sofrer não deveria ser algo tão simples como nas palavras de Drummond... Pelo menos não o sofrimento ferrenho, aquele em que se chora sem motivo e em que se tem medo de perder tudo, de uma vez por todas... Porque esse sofrimento não se escolhe, ele se apresenta nu e cru para que o sinta... Escrever por linhas tortas para se escrever certo significa querer ser Deus? Querer abraçar o mundo com as pernas, querer levar todas as coisas à perfeição em um passe de mágica? como querer ser Supremo e fingir que o corpo é inquebrantável, se ele é frágil, fino como a porcelana? Ele é vulnerável, move-se por si próprio e multiplica mazelas, sem qualquer consentimento... Por que esquecer de tudo o que já foi vivido e sofrer o amor, a vida e as amizades? Porque se quer demais... Quer-se exigir tudo tão milimetricamente certo, quer-se pétalas, quer-se desculpas, quer-se juras infindáveis, quer-se soluç…