Pular para o conteúdo principal
"Amar o perdido
deixa confundido
este coração.

Nada pode o olvido
contra o sem sentido
apelo do Não.

As coisas tangíveis
tornam-se insensíveis
à palma da mão

Mas as coisas findas
muito mais que lindas,
essas ficarão"

(Carlos Drummond de Andrade)

É engraçado pensar em como podemos mensurar o tempo de formas diferentes. O tempo dos relacionamentos, por exemplo, parece transcorrer mais rápido que o tempo que passa depois do fim. Falei isso para um amigo, que me respondeu que talvez o tempo transcorrido enquanto durou o relacionamento talvez tenha sido mais feliz. Será? Talvez tenha sido a rotina que tornaram os dias mais fluidos e, assim, mais fugazes.

Ou talvez não. Porque os relacionamentos podem ser bons, nem um pouco rotineiros e mesmo assim passarem como uma ventania que varre folhas pelo ar. Seria clichê dizer que tudo que é bom passa mais rápido do que os instantes de sofrimento? E seria mais um “lugar-comum” dizer que o que é bom dura pouco, mas é infinito e inesquecível enquanto dura?

Talvez não seja clichê dizer que justamente por isso, deva acabar. Para que dois corpos se separem e se tornem outras matérias, encontrem outros corpos, vivam novas vivências e carreguem outras lembranças.

E o que passou permanece vivo na lembrança, mas deixa um gosto agridoce pelo que foi e justamente por ter ido.

E o que mais dói é que enquanto fazemos força para esquecer ainda sentimos que o tempo em que vivemos com outra pessoa não será apagado, porque não podemos apagar quem fomos durante aquele curto ou longo espaço de tempo. Esse tempo está encalacrado em nossa história e se multiplica infinito, cheio de macro e micro histórias, que se desdobram sem mais ter fim.

Mas o fato é que quanto mais o recordamos e mais o relembramos, de alguma forma, exorcizamos e mandamos esse tempo embora mais rápido do que aqueles que se negam em sentir a dor. Para estes, o sofrimento vem em doses homeopáticas. Entretanto, quando sentimos a dor de verdade, ela se concretiza e incrivelmente se dissipa como uma bolha. Demora, mas depois que dói, seca, cai e cicatriza.

E o que é incrível é que depois de cicatrizar, quando estas duas pessoas se encontram, os corações ainda batem um pouco mais forte, porque as histórias geralmente deixam rastros e jamais permanecem em branco em duas vidas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O reinado dos Castelões

Existem lugares que são verdadeiros achados, residindo insuspeitos no meio do caminho. Castelões é um deles. Num domingo quente e sem planos, topei com ele em uma rua deserta do Brás, onde morei por um ano e meio. Nesse tempo, acostumei-me, embora muita gente torcesse o nariz, às ruas feias do bairro que já chegou a ser mais conhecido na Itália que a própria São Paulo. Hoje o Brás perdeu um pouco do encanto e o título de ‘berço’ italiano acabou ficando para a Mooca, entre os menos entendidos. Para o Brás, sobrou a fama de sujo, feio, perigoso e casa de um Arnesto meio esquecido.
Por isso, nem me abalei quando meu então namorado sugeriu que almoçássemos num lugar que de longe tinha aparência meio duvidosa.No Brás tudo tem esse quê de capenga. Mas Castelões foi um engano nesse sentido. Ao chegar perto você percebe que sim, está diante de um lugar raro. A placa é de 1924 e não é mentirosa. O restaurante existe lá desde então. Trata-se do local mais antigo funcionando ininterruptamente n…

Das esperanças

Hoje consegui parar em frente ao computador e com um pouquinho de tempo para responder às suas angustiantes letras. Hoje, esperando que você esteja melhor, parei para te escrever que, sim, acredito no amor. Com o tempo, os tombos, os tropeços e as cravadas na saída (qual ginasta olímpica), com as fichas caídas, os choros copiosos e soluçados para os meus travesseiros... Passado tudo isso, posso dizer que, mesmo que mais 200 relacionamentos meu acabem daqui para frente, sim, acredito no amor. Aprendi que o amor não acaba, ele só muda de rosto. O amor é nosso, amiga. A gente entrega para quem estiver mais disposto, para quem estiver atento no lance, para quem se encaixar com a gente. Por enquanto é essa neblina, esse tempo turvo, que parece que não vai desanuviar nunca, mas ó. Vai passar. E te diria isso mesmo sem estar em um relacionamento. Te diria isso numa manhã de fevereiro, antes e depois do carnaval, quando eu ainda nem  o conhecia. Diria isso mesmo depois de ter perdido um ou…

Prece de inverno

Minha mãe diz que arrumar a cama todo dia faz a gente ficar protegido. Confesso que nem sempre lembro. Às vezes é escolher entre a cama, lavar a louça do café ou assistir um pouco de tevê. A coberta meio embolada, o pijama jogado no canto, travesseiro caído no chão. Hoje numa calçada encontrei um morador em situação de rua arrumando a dele. Confesso que nem sempre reparo neles. Às vezes é a pressa, noutras estou resolvendo alguma coisa na tela, em algumas estou de olho nas vitrines. Eu meio distraída, desviando dos senhores, das senhoras e de suas casasmóveis. O homem arrumava a cama com tanto zelo que prendeu meu olhar. Confesso que uma partezinha de mim pensou para que tanto cuidado em arrumar algo que qualquer um podia bagunçar. Vi sua mão colocando a coberta azul bem certinha embaixo do colchão fininho, dobrando bonito perto do travesseiro, passando a mão por cima para tirar toda ruga. Eu pensando que aquela cama era toda a sua casa, tanto esmero que valia.
Desejei aquele cuid…