Pular para o conteúdo principal

De assalto

Oito horas da manhã de plena quinta-feira. Luz do dia, céu claro. Rua vazia. Apenas eu, com os sentimentos rodando a mente.

Nem tanto sozinha.

Senti de súbito uma intuição que nunca tive. Um medo concreto. Por mais que minha imaginação possa ser fértil, às vezes pessimista demais, nunca ela se mostrou tão forte. Talvez ela tenha ajudado a tomar a atitude precipitada.

Após um relance de olhos, o homem ao meu lado avançou sobre a bolsa. Eu não quis soltá-la. [Depois, quando perguntada, respondi que a reação se deu para que ele não pudesse levar coisas que eu tinha. Coisas caras demais, duramente conquistadas].

Agora vejo que realmente foi o instinto. A raiva de dar de graça. Não deixar barato.

Realmente não foi.

Dor que corta o cerne da razão. Dor que te angustia, que te dilacera. Dor de se sentir impotente, fraca, sozinha, mesmo com o olhar de outras pessoas sobre você, acompanhando seu sofrimento.

Nesse instante, não importava a quantidade de olhos. A dor era só minha.

A violência não é somente aquela que produz cadáveres, que mutila corpos e que destrói a materialidade, ela é também aterradora, quando se reveste de desrespeito à dignidade humana. (MP)

Incredulidade. Raiva. Ver os instantes seguintes passando e não querer vivê-los. Sentir vergonha de sentir dor na frente de estranhos. Não querer demonstrar a fraqueza que sentia, que rasgava por dentro. Pior do que a dor física é a dor moral. Nunca entendi isso com tanta clareza.

Ser forte é vencer suas loucuras e encarar tudo de frente. Ser forte é ter o olhar firme e não esmorecer frente às dificuldades.

É difícil ser forte.

Penso ainda hoje naquele homem. No escuro da noite quando fecho os olhos e revivo a cena. Quando vou pegar o ônibus e o vejo em qualquer um que se aproxima. Penso nele com raiva nos dias frios. Em outros momentos, penso mais nele e nos tantos outros, que se sujeitam a fazer coisas em nome de qualquer vício, qualquer dificuldade.

A violência é a loucura do mal e a sua banalidade, para lembrarmos Hannah Arendt, pode ser mais danosa do que todos os maus instintos juntos. Não podemos perder nossa capacidade de indignação. (Carlos Vogt - O mistério da impiedade)

Defendo as políticas humanitárias, que visam ao respeito de qualquer cidadão, independente do que ele tenha feito. Não sou favorável à pena de morte, redução da maioridade penal. Para mim, pedidos que retratam chagas de uma sociedade injusta e vingativa, cega de raiva, guiada pela lei de Talião. Crime e castigo.

Isso não mudou depois do episódio. Sei que ele foi mínimo perto da dor de tantas vítimas da violência. Pessoas que perdem outras pessoas, pessoas que perdem movimentos, pessoas que perdem tudo. Todas unidas na angústia da impotência, do medo aterrador. Todas incluídas na roda viva dos atos violentos. Daqueles que a gente vê na tv e espera ansiosamente que não nos encontre na próxima esquina. Mas ainda sim o ocorrido me fez pensar.

Não sei que espécie de assombro ainda pode existir quando se conta uma história de violência. Já parece que tudo é possível. No meu caso, o maior estranhamento foi ter acontecido à luz do sol. O outro foi o fato do agressor não estar munido de nenhum objeto cortante. Excluindo o fato de ser uma pessoa conhecida, da qual as pessoas têm alguma pena ou o dever de se comover, o resto é normal. Ninguém mais se espanta. “Veja como a cidade está violenta”.

Lamento por todas as vítimas que têm de percorrer hospitais e delegacias depois do choque. Minhas visitas ocorreram sem maiores problemas. Mas é incrível como as pessoas ainda olham com olhar desconfiado para a vítima, como se pudesse encontrar algum motivo para que ela tenha sido agredida.

Um fato a mais na biografia. Mais uma estatística nos arquivos. Um receio a mais. Um motivo a mais para olhar para os lados.

E a vida passa. Mesmo que não venha o ônibus eu não posso parar. Não há pontos de partida ou de chegada para certas experiências. Elas se incorporam ao seu dia-a-dia, permanecem gravadas e um dia serão apenas uma história que será contada e alguém irá duvidar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Das esperanças

Hoje consegui parar em frente ao computador e com um pouquinho de tempo para responder às suas angustiantes letras. Hoje, esperando que você esteja melhor, parei para te escrever que, sim, acredito no amor. Com o tempo, os tombos, os tropeços e as cravadas na saída (qual ginasta olímpica), com as fichas caídas, os choros copiosos e soluçados para os meus travesseiros... Passado tudo isso, posso dizer que, mesmo que mais 200 relacionamentos meu acabem daqui para frente, sim, acredito no amor. Aprendi que o amor não acaba, ele só muda de rosto. O amor é nosso, amiga. A gente entrega para quem estiver mais disposto, para quem estiver atento no lance, para quem se encaixar com a gente. Por enquanto é essa neblina, esse tempo turvo, que parece que não vai desanuviar nunca, mas ó. Vai passar. E te diria isso mesmo sem estar em um relacionamento. Te diria isso numa manhã de fevereiro, antes e depois do carnaval, quando eu ainda nem  o conhecia. Diria isso mesmo depois de ter perdido um ou…

O reinado dos Castelões

Existem lugares que são verdadeiros achados, residindo insuspeitos no meio do caminho. Castelões é um deles. Num domingo quente e sem planos, topei com ele em uma rua deserta do Brás, onde morei por um ano e meio. Nesse tempo, acostumei-me, embora muita gente torcesse o nariz, às ruas feias do bairro que já chegou a ser mais conhecido na Itália que a própria São Paulo. Hoje o Brás perdeu um pouco do encanto e o título de ‘berço’ italiano acabou ficando para a Mooca, entre os menos entendidos. Para o Brás, sobrou a fama de sujo, feio, perigoso e casa de um Arnesto meio esquecido.
Por isso, nem me abalei quando meu então namorado sugeriu que almoçássemos num lugar que de longe tinha aparência meio duvidosa.No Brás tudo tem esse quê de capenga. Mas Castelões foi um engano nesse sentido. Ao chegar perto você percebe que sim, está diante de um lugar raro. A placa é de 1924 e não é mentirosa. O restaurante existe lá desde então. Trata-se do local mais antigo funcionando ininterruptamente n…

Prece de inverno

Minha mãe diz que arrumar a cama todo dia faz a gente ficar protegido. Confesso que nem sempre lembro. Às vezes é escolher entre a cama, lavar a louça do café ou assistir um pouco de tevê. A coberta meio embolada, o pijama jogado no canto, travesseiro caído no chão. Hoje numa calçada encontrei um morador em situação de rua arrumando a dele. Confesso que nem sempre reparo neles. Às vezes é a pressa, noutras estou resolvendo alguma coisa na tela, em algumas estou de olho nas vitrines. Eu meio distraída, desviando dos senhores, das senhoras e de suas casasmóveis. O homem arrumava a cama com tanto zelo que prendeu meu olhar. Confesso que uma partezinha de mim pensou para que tanto cuidado em arrumar algo que qualquer um podia bagunçar. Vi sua mão colocando a coberta azul bem certinha embaixo do colchão fininho, dobrando bonito perto do travesseiro, passando a mão por cima para tirar toda ruga. Eu pensando que aquela cama era toda a sua casa, tanto esmero que valia.
Desejei aquele cuid…