Desponta a ponta e tonta, conta a medronta

...Eu bem sei, meu Amor, que pra viver
São precisos amores, pra morrer,
E são precisos sonhos para partir...
(Florbela Espanca)


Pode ser que a imagem do teu ser assim, tão docemente

E reler os teus escritos, feitos assim, tão de repente

Tragam a mim o amor arrebatador

Como nunca houvera de ser chamado

Estranho amor

_ _

Talvez meu coração

Seja apenas a parte mais medronta da minha alma.

Medronta. Palavra inventada.

Porque não há medrosa nem medonha que defina ser medronta.

Aquela que é amendrontada.

O que foi passou, acabou-se e está feito.

Foi. Do verbo ir. Irregular.

Imperfeito.


O que há de ser, será.

Será, do verbo ser.

Como regular, absolutamente virá.

E o que foi... Bem, caminhou com as próprias pernas.

0 comentários:

 

Copyright © 2010 • ::: salto baixo • Design by Dzignine