Pular para o conteúdo principal

Enjoadinho

“Ninguém pode ser dono de um gato, mas eles podem abençoá-los com sua companhia, se quiserem” (Frank Engram)


Sempre quis ter um gato, mas a animosidade da minha mãe contra esses pobres animaizinhos me fez desistir. Uma vez, o destino até ajudou e trouxe um gatinho sem dono para minha casa. Depois que minha mãe chutou-o para longe do alto da varanda no segundo andar, o bichano simplesmente desapareceu e com ele minha vontade de ter um outro.

Mais tarde, quando passei a morar sozinha, os apartamentos sempre eram minúsculos e eu costumava viajar para a casa dos meus pais nos feriados, o que excluía as hipóteses de abandonar o animal ou levá-lo para junto de minha mãe.

Enfim, depois de 22 anos, consegui realizar meu sonho. Não vou tanto para casa e moro em um apartamento grande, que tem uma área de serviço capaz de abrigá-lo. O gato, bebê ainda, não tinha lar e veio ao meu encontro, que não tinha gato ainda. Anunciei a novidade aos quatro ventos e todo mundo fez aquela cara (conhecida já) diante de alguma novidade minha. Cara de incredulidade e com vontade de apostar quanto tempo eu iria agüentar. Não posso dizer que é fácil.

Depois de um tempo, pouco tempo, (uma semana só, diga-se de passagem), descobri por que muita gente não tem um gato. O meu parece que está aceso na tomada 24 horas por dia. Pula, salta, arranha, sacoleja e mia. Mia muito. Tenho que admitir que nesse tempo eu não contribui para ser a melhor dona do mundo e passei a repensar a idéia de ter um filho, por pensar no bem-estar da criança, é claro. Mas deixá-lo um dia sem comida (esqueci da ração, foi só), secá-lo no secador (prevenção da gripe! Dizem que filhotes são muito vulneráveis) e umas chineladas (meu lado Pinochet falou mais alto que o Piaget) nem foram coisas tão graves assim.

Aprendi a reconhecer um dono de gato pelos arranhões que traz pelo corpo. Minhas mãos estão cheias deles. Minha casa já sofreu algumas mudanças, tal qual um lar que recebe um bebê. Meu gato tem predileção pelo alto dos móveis, por um compartimento da minha mesa de computador e pelo banheiro. A porta vive fechada, ou então o tapete aparece magicamente infestado pelas suas necessidades. Comecei a entender minha mãe, não na parte que ela chuta o gato, mas na parte que ela diz que quando você tem um filho pequeno você torce logo para que ele cresça. Às vezes eu me acho ridícula gritando para o gato que ele NÃO PODE SUBIR NA MESA E NÃO PODE FAZER COCÔ NO CANTO DA COZINHA! VOCÊ QUER APANHAR? E logo depois me pergunto se ele está entendendo bulhufas do que estou falando, enquanto aponto teatralmente para os lugares e faço mil gestos como se ele fosse surdo. Por vezes, acho que ele me entende, como quando ele faz a mesma cara quando eu fazia para minha mãe quando ela desandava a falar sobre algo que eu fiz de errado. Esses dias, me peguei repetindo o mesmo discurso que toda mãe faz:

VEJA, VOCÊ NÃO RECONHECE O QUE EU FAÇO PARA VOCÊ!! Só porque fiz uma cama confortável para ele e ele insistia em destruir minha área de serviço.

Tem vezes que eu rezo para meu filhote crescer e deixar de fazer certas coisas. Já levantei às duas da manhã com os miados e rezei para não acordar na manhã seguinte com um abaixo-assinado dos vizinhos. Esses dias encontrei-o dentro do fogão, embaixo de onde ficam as bocas. Aí entendi que o ditado “a curiosidade matou o gato” pode não ter surgido metaforicamente. (Pausa para descobrir o motivo do estrondo e avaliar os estragos). Nesse tempo, descobri também que, se Deus criou o gato para que pudéssemos acariciar o tigre, alguns animais são mais tigres do que gatos.

Mas nem tudo são cocôs e miados estridentes. Tem a parte boa também. Pelo menos você não está “all by myself”, porque tem alguém que goste de você e que quer estar sempre ao seu lado. (e no colo, e nós pés e em cima da cabeça quando você está no sofá...). Tem alguém para fazer coisas retardadas e para você se pegar dando risada. E tem alguém que depende de você e com quem você tem que se preocupar. Isso parece ser parte do lado negativo, mas não é. Faz um bem danado. Dá até para se sentir útil (você não tem só um umbigo para cuidar), além de ter desculpa para recusar programas chatos, afinal, você tem que ficar em casa para dar atenção para o gato que foi castrado/está com diarréia/ não pode ficar sozinho, senão destrói todos os móveis (aqui as possibilidades de desculpas são infinitas). O fato é que já não me imagino sem ele, e parodiando Vinícius, acho que: gatos, é melhor não tê-los! Mas se não os temos, como sabê-los?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Das esperanças

Hoje consegui parar em frente ao computador e com um pouquinho de tempo para responder às suas angustiantes letras. Hoje, esperando que você esteja melhor, parei para te escrever que, sim, acredito no amor. Com o tempo, os tombos, os tropeços e as cravadas na saída (qual ginasta olímpica), com as fichas caídas, os choros copiosos e soluçados para os meus travesseiros... Passado tudo isso, posso dizer que, mesmo que mais 200 relacionamentos meu acabem daqui para frente, sim, acredito no amor. Aprendi que o amor não acaba, ele só muda de rosto. O amor é nosso, amiga. A gente entrega para quem estiver mais disposto, para quem estiver atento no lance, para quem se encaixar com a gente. Por enquanto é essa neblina, esse tempo turvo, que parece que não vai desanuviar nunca, mas ó. Vai passar. E te diria isso mesmo sem estar em um relacionamento. Te diria isso numa manhã de fevereiro, antes e depois do carnaval, quando eu ainda nem  o conhecia. Diria isso mesmo depois de ter perdido um ou…

O reinado dos Castelões

Existem lugares que são verdadeiros achados, residindo insuspeitos no meio do caminho. Castelões é um deles. Num domingo quente e sem planos, topei com ele em uma rua deserta do Brás, onde morei por um ano e meio. Nesse tempo, acostumei-me, embora muita gente torcesse o nariz, às ruas feias do bairro que já chegou a ser mais conhecido na Itália que a própria São Paulo. Hoje o Brás perdeu um pouco do encanto e o título de ‘berço’ italiano acabou ficando para a Mooca, entre os menos entendidos. Para o Brás, sobrou a fama de sujo, feio, perigoso e casa de um Arnesto meio esquecido.
Por isso, nem me abalei quando meu então namorado sugeriu que almoçássemos num lugar que de longe tinha aparência meio duvidosa.No Brás tudo tem esse quê de capenga. Mas Castelões foi um engano nesse sentido. Ao chegar perto você percebe que sim, está diante de um lugar raro. A placa é de 1924 e não é mentirosa. O restaurante existe lá desde então. Trata-se do local mais antigo funcionando ininterruptamente n…

Prece de inverno

Minha mãe diz que arrumar a cama todo dia faz a gente ficar protegido. Confesso que nem sempre lembro. Às vezes é escolher entre a cama, lavar a louça do café ou assistir um pouco de tevê. A coberta meio embolada, o pijama jogado no canto, travesseiro caído no chão. Hoje numa calçada encontrei um morador em situação de rua arrumando a dele. Confesso que nem sempre reparo neles. Às vezes é a pressa, noutras estou resolvendo alguma coisa na tela, em algumas estou de olho nas vitrines. Eu meio distraída, desviando dos senhores, das senhoras e de suas casasmóveis. O homem arrumava a cama com tanto zelo que prendeu meu olhar. Confesso que uma partezinha de mim pensou para que tanto cuidado em arrumar algo que qualquer um podia bagunçar. Vi sua mão colocando a coberta azul bem certinha embaixo do colchão fininho, dobrando bonito perto do travesseiro, passando a mão por cima para tirar toda ruga. Eu pensando que aquela cama era toda a sua casa, tanto esmero que valia.
Desejei aquele cuid…