Pular para o conteúdo principal

Me despeço e vou...

Chega a hora de dizer adeus. Engraçado, sempre imaginei o meu último dia aqui. Sabia que um dia iria embora, mas não imaginava uma despedida súbita. E sempre acreditei que quando fosse embora, levaria a mudança toda para outra cidade.
Continuo na mesma cidade e, talvez por isso, a despedida seja menos dolorosa. Ou não. Ainda estarei ao alcance dos seus abraços, ainda os terei ao alcance da minha visão. Por um tempo talvez eu ainda me esforce para me fazer presente. Ainda devo um último abraço para algumas pessoas que não estão aqui.
Acompanharei os passos que vocês darão sem mim, verei o que de bom cada um irá fazer, mas com um sorriso no canto da boca por ter feito parte disso tudo. E vai chegar um dia em que serei apenas uma lembrança, alguém que protagonizará uma história que começa como: “aquela menina que trabalhava uma vez na imprensa...”.
Parto em busca de um sonho. E, juro, não quero parecer clichê. Um sonho mesmo, uma coisa que cutuca aqui dentro e que vez ou outra me lembra do que eu sempre quis. Uma vontade que dá, incomoda e a gente finge que não vê. Mas a gente sabe que, mesmo fingindo, não passa. Porém, de uma coisa ainda não tenho certeza. Há momentos em que os sonhos nos pregam peças. Não sabemos se são eles só teimosia da cabeça ou se fazem parte mesmo do que queremos. E como saber? Por um tempo, me angustiei para saber a resposta. E hoje vejo que a resposta está exatamente no passo que irei dar. Vivendo esse sonho. Se ele arrefecer, sinal de que não era sonho, era devaneio. Se ele, persistindo, der pé, sinal de que era vocação.
Se tenho tanta certeza, por que estou agora chorando baixinho, enxugando as lágrimas que, graças a Deus, o Leandro – distraído como ele só – não viu? Por que me pego despedindo vagarosamente da minha mesa, da intranet, do banner torto, do telefone que não para de tocar? Por que demoro a escrever o e-mail derradeiro (aquele!), em terminar aquela tarefa que eu já me habituei a fazer? Porque é difícil partir por si só. Quando a gente é criança e o pai decide mudar de cidade, a gente chora pelos amigos que ficam, mas, oras, é a vida. Depois que a gente cresce, as despedidas passam a ser frutos das nossas escolhas. Hoje o céu chora e o que ele parece me dizer é que tudo é por minha conta e risco.
Acho que mais bonito do que dizer que sentirei saudade é dizer que vocês farão parte das minhas melhores histórias. Que vocês são personagens da equipe maravilha que irá permear os contos de fada da publicidade que ainda contarei. Vocês serão o meu dream team. Um dia, se algum de vocês me ouvir dizer que eu já trabalhei com uma equipe realmente maravilhosa, saiba que são vocês mesmos a quem estarei me referindo. E eu ainda acrescentarei que: não, não é horrível ser a única jornalista entre dez publicitários. E: sim, eu poderia só saber mexer no Word, mas graças à equipe maravilha, hoje eu sei muito mais.

Aos amigos da i9, que se fizeram presentes ao longo de um ano, o meu muito obrigada e a minha admiração.

Hasta.
Tatiana

Comentários

Como diz aquela música da Paula Toller, "eu não sabia que existia, esse outro parto, de partir". Mas é, né.
Então, nos primórdios era peripécias sim. Na verdade até o fim do ano que passou era. Aí resolvi dar uma mudada. haha. Por que?
Até! :)
Camila Belini disse…
Seria até redundante dizer q odeio despedidas... afinal, qm gosta?

Lindo texto tati

abraço!
Michele Matos disse…
nem preciso dizer o quanto despedidas mexem comigo, vc presenciou...
mas esse texto foi de arrepiar...todo sentimento do mundo está nele...
=)
Tiozaum disse…
É verdade, é sempre bem triste se despedir.

Foi bem chato dizer adeus de tudo la no Rio. Mas eu estava convencido que seria melhor vir embora, por isso entendo e concordo com o que vc disse sobre as escolhas.

Acho que entendo como vc está se sentindo.
Agora é estar pronta pra enfrentar o futuro!

Boa sorte e sucesso!
No que precisar de mim, e no que eu puder ajudar, pode contar :)

Beijo!
Elaine disse…
Detesto despedidas!:(
Principalmente de amigos legais!
Mas tudo vai da certo!

Um beijo
Elaine
Milena disse…
Concordo com a Michele, todo o sentimento do mundo está nele. Um tantão do meu sentimento tbm!!!
Triste é, mas é preciso... e ainda mais que vc vai atrás do que vc quer!
Te desejo toda toda a sorte e sucesso do mundo.
Bjao
Cáh disse…
Despedidas de fato são sempre tristes, no entanto necessárias.
Espero que sejas feliz no teu novo mundo-novo.

Adicionei-te aos meus seguidores, para que eu consiga estar com mais frequência viajando no que você escreve!
Adoro vir aqui e não estou sendo clichê.

beijos
Alyne disse…
Tati, como assim???
Pra onde vais???

beijo
rique disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Camila Reginato disse…
otimo texto ...
lembrei de uma musica mto legal
"Não Vou Me Adaptar - Nando Reis"
bem despedida , pena q elas mais cedo ou mais tarde sempre acontecem neh tatiana?

Postagens mais visitadas deste blog

O reinado dos Castelões

Existem lugares que são verdadeiros achados, residindo insuspeitos no meio do caminho. Castelões é um deles. Num domingo quente e sem planos, topei com ele em uma rua deserta do Brás, onde morei por um ano e meio. Nesse tempo, acostumei-me, embora muita gente torcesse o nariz, às ruas feias do bairro que já chegou a ser mais conhecido na Itália que a própria São Paulo. Hoje o Brás perdeu um pouco do encanto e o título de ‘berço’ italiano acabou ficando para a Mooca, entre os menos entendidos. Para o Brás, sobrou a fama de sujo, feio, perigoso e casa de um Arnesto meio esquecido.
Por isso, nem me abalei quando meu então namorado sugeriu que almoçássemos num lugar que de longe tinha aparência meio duvidosa.No Brás tudo tem esse quê de capenga. Mas Castelões foi um engano nesse sentido. Ao chegar perto você percebe que sim, está diante de um lugar raro. A placa é de 1924 e não é mentirosa. O restaurante existe lá desde então. Trata-se do local mais antigo funcionando ininterruptamente n…

Das esperanças

Hoje consegui parar em frente ao computador e com um pouquinho de tempo para responder às suas angustiantes letras. Hoje, esperando que você esteja melhor, parei para te escrever que, sim, acredito no amor. Com o tempo, os tombos, os tropeços e as cravadas na saída (qual ginasta olímpica), com as fichas caídas, os choros copiosos e soluçados para os meus travesseiros... Passado tudo isso, posso dizer que, mesmo que mais 200 relacionamentos meu acabem daqui para frente, sim, acredito no amor. Aprendi que o amor não acaba, ele só muda de rosto. O amor é nosso, amiga. A gente entrega para quem estiver mais disposto, para quem estiver atento no lance, para quem se encaixar com a gente. Por enquanto é essa neblina, esse tempo turvo, que parece que não vai desanuviar nunca, mas ó. Vai passar. E te diria isso mesmo sem estar em um relacionamento. Te diria isso numa manhã de fevereiro, antes e depois do carnaval, quando eu ainda nem  o conhecia. Diria isso mesmo depois de ter perdido um ou…

Prece de inverno

Minha mãe diz que arrumar a cama todo dia faz a gente ficar protegido. Confesso que nem sempre lembro. Às vezes é escolher entre a cama, lavar a louça do café ou assistir um pouco de tevê. A coberta meio embolada, o pijama jogado no canto, travesseiro caído no chão. Hoje numa calçada encontrei um morador em situação de rua arrumando a dele. Confesso que nem sempre reparo neles. Às vezes é a pressa, noutras estou resolvendo alguma coisa na tela, em algumas estou de olho nas vitrines. Eu meio distraída, desviando dos senhores, das senhoras e de suas casasmóveis. O homem arrumava a cama com tanto zelo que prendeu meu olhar. Confesso que uma partezinha de mim pensou para que tanto cuidado em arrumar algo que qualquer um podia bagunçar. Vi sua mão colocando a coberta azul bem certinha embaixo do colchão fininho, dobrando bonito perto do travesseiro, passando a mão por cima para tirar toda ruga. Eu pensando que aquela cama era toda a sua casa, tanto esmero que valia.
Desejei aquele cuid…