O gato na primeira infância

"Lutei para escapar da infância o mais cedo possível. E assim que consegui, voltei correndo pra ela". (Orson Welles)

Meu gato deve estar agora com uns nove meses, o que deve equivaler a cerca de três anos na escala humana. Digo isso porque é nessa idade que as crianças começam a querer fugir de casa. O gato cismou de achar que a casa do vizinho é melhor que a nossa. Volta e meia toca a campainha e quando vou atender é a vizinha segurando o bichano no colo. É, de novo. Dou meu sorriso amarelo, brigo com ele, mas de nada adianta. É só deixar a janela do meu quarto aberta que ele escapa para a janela ao lado, do vizinho, que se não tiver aberta ele dá um jeito de abrir com a patinha. Esperto ele é, não dá pra negar.

Contei para meu pai das costumeiras fugas do Polaco e ele rebateu dizendo que eu era igual a ele quando criança.

- Quando você tinha uns três anos, se a gente brigava com você, você pegava umas roupas na gaveta, enfiava numa sacola e saía de casa.

- Hahaha E eu ia para onde?

- Saía dizendo que ia para “patubanco” (Pato Branco, cidade a 30 km da minha casa).

- E ninguém ia atrás de mim?

- Não, você ficava na escada chorando e depois de alguns minutos voltava para casa como se nada tivesse acontecido.

Parei para pensar se eu ando tratando mal o gato para ele querer fugir de casa. E parei para pensar se ele voltaria, assim como eu fazia.

Antes de desligar o telefone, senti que remexer nesse passado acabou mexendo com o meu pai. Depois de dizer tchau, senti nele o silêncio, aquele silêncio conhecido já, da nostalgia. Acho que ele sentiu saudades do tempo em que eu saía de casa, mas acabava voltando. Hoje ele sabe que eu não volto mais.

Comentários

Postagens mais visitadas