Pular para o conteúdo principal

O senão do quase

"Ainda pior que a convicção do não é a incerteza do talvez, é a desilusão de um quase. É o quase que me incomoda, que me entristece, que me mata trazendo tudo que poderia ter sido e não foi. Quem quase ganhou ainda joga, quem quase passou ainda estuda, quem quase morreu está vivo, quem quase amou não amou..."
(Sarinha Westphal)

Muito pior do que o não é o quase. Muitos já falaram sobre isso, relembrando a máxima de que o terceiro lugar é melhor que o segundo, uma vez que aquele termina com uma vitória, já este, com a fracassada lembrança de Quase ter ganhado. Vivemos em uma época em que o Quase tem contornos definidos e se mete onde não devia, oferecendo uma dose de adrenalina, insinuando a concretização do momento esperado, para depois deixar a angústia do que poderia ter acontecido e não aconteceu. Igualzinho ao “Uuuuu” da torcida frente a um Quase gol, a bola perdida, a defesa do goleiro adversário.

O esporte, talvez, é o terreno onde acontecem os maiores engodos do Quase, por manter o público na expectativa por minutos inesgotáveis e oferecer apenas segundos de excitação com o clímax do gol, de ver o atleta cruzar a linha de chegada em primeiro, da aprovação máxima da comissão julgadora. Estamos agora na expectativa do milésimo gol de Romário, que Quase sai há alguns jogos, mas sabendo que a façanha de artilheiro master não ofuscará o título de pai engajado e amoroso. E por falar em gols, foi por um mísero golzinho que a Seleção Quase não vence Gana.

Passamos, mais uma vez, pela expectativa de sediar a Copa do Mundo de 2014, feito que disputamos há algumas eleições, mas sempre acabamos morrendo na praia. Turista nenhum quer passar pela expectativa de Quase ser assaltado, de Quase levar uma bala perdida no país tropical.

Apesar de ser recorrente nas armadilhas do Quase, o esporte não é seu lugar exclusivo. Quase temos o primeiro santo oficialmente brasileiro, afinal, só falta Bento XVI chegar ao Brasil e dar sua benção. Com uma Justiça que se diz imparcialmente cega e acaba mesmo fechando os olhos para tudo, temos deputados corruptos Quase cassados, CPI’s com investigações e falatórios que Quase resolvem tudo.

Na verdade, o brasileiro – povo que se angustia com Quase tudo– aprendeu a usar a palavra para expressar seu exagero cotidiano. “Quase morro de fome com meu salário, pois Quase não dá para pagar as contas”, “Quase matei meu chefe”, “Quase ganhei na loteria”. O termo representa a tênue fronteira entre o ocorrido e o que poderia ter ocorrido, não fosse o Quase. É o Quase que socorre ou atrapalha, que consola ou inconforma. Em um país subdesenvolvido que exporta e importa sonhos e paisagens fabulosas, mas que come as migalhas do Primeiro Mundo, o Quase já é território de livre apropriação.

(Texto publicado no jornal Diário de Guarapuava, em 30/03/2007)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Das esperanças

Hoje consegui parar em frente ao computador e com um pouquinho de tempo para responder às suas angustiantes letras. Hoje, esperando que você esteja melhor, parei para te escrever que, sim, acredito no amor. Com o tempo, os tombos, os tropeços e as cravadas na saída (qual ginasta olímpica), com as fichas caídas, os choros copiosos e soluçados para os meus travesseiros... Passado tudo isso, posso dizer que, mesmo que mais 200 relacionamentos meu acabem daqui para frente, sim, acredito no amor. Aprendi que o amor não acaba, ele só muda de rosto. O amor é nosso, amiga. A gente entrega para quem estiver mais disposto, para quem estiver atento no lance, para quem se encaixar com a gente. Por enquanto é essa neblina, esse tempo turvo, que parece que não vai desanuviar nunca, mas ó. Vai passar. E te diria isso mesmo sem estar em um relacionamento. Te diria isso numa manhã de fevereiro, antes e depois do carnaval, quando eu ainda nem  o conhecia. Diria isso mesmo depois de ter perdido um ou…

O reinado dos Castelões

Existem lugares que são verdadeiros achados, residindo insuspeitos no meio do caminho. Castelões é um deles. Num domingo quente e sem planos, topei com ele em uma rua deserta do Brás, onde morei por um ano e meio. Nesse tempo, acostumei-me, embora muita gente torcesse o nariz, às ruas feias do bairro que já chegou a ser mais conhecido na Itália que a própria São Paulo. Hoje o Brás perdeu um pouco do encanto e o título de ‘berço’ italiano acabou ficando para a Mooca, entre os menos entendidos. Para o Brás, sobrou a fama de sujo, feio, perigoso e casa de um Arnesto meio esquecido.
Por isso, nem me abalei quando meu então namorado sugeriu que almoçássemos num lugar que de longe tinha aparência meio duvidosa.No Brás tudo tem esse quê de capenga. Mas Castelões foi um engano nesse sentido. Ao chegar perto você percebe que sim, está diante de um lugar raro. A placa é de 1924 e não é mentirosa. O restaurante existe lá desde então. Trata-se do local mais antigo funcionando ininterruptamente n…

Prece de inverno

Minha mãe diz que arrumar a cama todo dia faz a gente ficar protegido. Confesso que nem sempre lembro. Às vezes é escolher entre a cama, lavar a louça do café ou assistir um pouco de tevê. A coberta meio embolada, o pijama jogado no canto, travesseiro caído no chão. Hoje numa calçada encontrei um morador em situação de rua arrumando a dele. Confesso que nem sempre reparo neles. Às vezes é a pressa, noutras estou resolvendo alguma coisa na tela, em algumas estou de olho nas vitrines. Eu meio distraída, desviando dos senhores, das senhoras e de suas casasmóveis. O homem arrumava a cama com tanto zelo que prendeu meu olhar. Confesso que uma partezinha de mim pensou para que tanto cuidado em arrumar algo que qualquer um podia bagunçar. Vi sua mão colocando a coberta azul bem certinha embaixo do colchão fininho, dobrando bonito perto do travesseiro, passando a mão por cima para tirar toda ruga. Eu pensando que aquela cama era toda a sua casa, tanto esmero que valia.
Desejei aquele cuid…