Pular para o conteúdo principal

As mãos cheias de giz

Acordei três vezes durante essa noite. Em todas, certifiquei-me de que ainda não eram 6:50. Cheguei a sonhar que o despertador não tocava e que eu perdia o horário. A ideia de chegar atrasada ao compromisso me deixava maluca. Havia me preparado desde o dia anterior, lendo, relendo, procurando exemplos, simulando o que faria no dia seguinte. Ensaiei bem ensaiado.

No caminho, andava com uma dose de receio. Tentava buscar na memória a ordem das coisas, o que vinha primeiro, o que vinha em seguida. Uma hora parei de pensar. Simplesmente fui me deixando levar.

E me deixando levar cheguei ao destino. Falei com a pessoa responsável, que me indicou a sala onde eu deveria entrar. Respirei fundo, disse bom dia e encarei os olhos que me encaravam de volta curiosos. Fechei a porta e fui falando. As palavras fluíam com uma naturalidade que me espantava. Bem diferente do meu burocrático ensaio. Os olhos continuavam a me fitar, alguns balançavam a cabeça em sinal de aprovação ou de entendimento.

- Professora, aqui está a caixinha de giz.

Oi? Professora? Não, deve haver algum engano. Eu não sou professora, estou professora. Só vim substituir uma amiga que não pôde dar aula e, sabe-se lá por que, resolveu me indicar. Se resolvi aceitar, foi pelo carinho que tenho por ela, não pelo amor à docência. Isso eu nunca tive.

Entretanto, não posso negar que me senti bem ali. Os alunos eram calmos, interessados, fazendo cursinho para conquistar uma vaga em algum concurso público. Na aula, procurei levar exemplos do dia-a-dia, não ficar presa ao material, fazer umas gracinhas, enfim, tornar a aula de domingo de manhã um pouco menos chata. Claro que a minha inexperiência pesou. Afora as aulinhas que eu dei para minhas bonecas na infância, só entrei na sala de aula na faculdade de Letras, que fiz junto com Jornalismo. E sempre deixei muito claro que seria jornalista e que a licenciatura ficaria em segundo plano na minha vida. Ou melhor, em nenhum plano, porque nunca pretendi exercê-la.

Na época do estágio obrigatório, o que me lembro bem é da angústia que me acompanhava em cada aula. E das noites anteriores, regadas a café, livros, apostilas, internet e vontade de mandar tudo para o espaço. Quando chegava à escola, tentava me manter calma, mas o pânico transparecia na minha face. E quando começava uma aula, dizia para mim mesma: são só 50 minutos, só 50 minutos, passa rápido. Nem sempre passava. E no final eu me sentia esgotada, por ter falado igual a uma matraca. As aulas e o desejo de morte me acompanharam nos dois últimos anos da graduação.

No último, acabei fazendo uma pós, cujas aulas batiam com o tempo que deveria ser dedicado ao estágio. No final das contas fiz a disciplina na turma da manhã e acabei ficando sozinha, enquanto todo mundo dava aulas em dupla. Graças às minhas súplicas, consegui fazer umas gambiarras e dar aulas em dois colégios diferentes, para adiantar o fim. Um era particular, considerado de elite, outro era público, voltado ao ensino profissionalizante. O contraste entre as duas escolas poderia ser considerado encantador para qualquer fera no ensino, mas, para mim, só significava dor de cabeça e esforço para me adequar a cada estabelecimento.

Sobrevivi, ao final. Consegui ainda cumprir o estágio com umas três aulas a menos. Tudo fazendo cara de dó e sem peso na consciência. Para mim, o estágio era uma mera formalidade para se conseguir o segundo canudo. Eu passava pelas aulas como quem cumpre uma tarefa obrigatória. Dava graças a Deus quando terminava uma aula.

Sempre acreditei piamente que não servia para ser professora. Me perdia na chamada, aspirava pó de giz, escrevia tudo torto no quadro, passava a mão suja de giz na minha roupa preta, não dizia em voz alta o número da página em que eu estava lendo, desandava a falar.... A didática não está no meu sangue e eu admiro quem a possui. Mesmo assim, consegui uns elogios da professora regente, que disse que eu tinha “perfil de professora”.

Não, minha querida, você deve estar enganada. Tudo, menos professora. E falava isso não somente pela minha escolha, mas por pensar no bem dos alunos.

E depois de um ano, voltei à sala de aula. Não foi traumatizante. Após as quatro aulas dadas, era hora de devolver a caixinha de giz. Entreguei-a ao coordenador, que me fez esperar.

- Preciso pegar seu telefone. Talvez uma professora desista e a gente precise chamar alguém.

“Não, obrigada”, pensei em dizer. E me deparei com uma das minhas “alunas” ao nosso lado.

- Você tem disponibilidade para assumir aulas? – perguntou ele, incisivo.

- Ela é uma ótima professora – disse ela, olhando para mim.

Pensei em dizer que ela também estava enganada. Mas por fim, dei o telefone.

Comentários

Michele Matos disse…
Para que se enganar?
O futuro de muitos está em suas mãos.
Educação, a gente tem por aqui!
Michele Matos disse…
Ou a gente vê por aqui?
KAKA disse…
hahaha aconteceu comigo nas palestras que o Senac ADORAVA a dar como "provas", quem avaliava era o coordenador do curso, nada mais aterrorizante e como sua narração veio tudo na mente... noites sem dormir, relembrando cenas, cálculos, repassando repassando e no dia? que delícia ver o cooredenador e os alunos alí interessado fazendo aquelas perguntas que eu sabia responder sem ao menos ter dúvidas, receber o convite de dar palestras(sobre sistema digestório hahahah) dar um não como resposta e ainda de quebra receber o telefonema do tal pedindo suas imagens pra dar aulas e propostas de fazer trabalhos pra ele a pagamento... sabe o destino é uma coisa angustiante... conheço muita gente que jurou que jamais faria certas coisas mas... bjos e aquele abraço com o carinho de sempre da KK.
Neto disse…
acredite em si assim como eles acreditaram, vai q vc eh msm professora ^^
ia ser bem carrossel ^^

...
e a aula acaba por aqui, entrem no meu blog, pensa q legal qnts comentarios
ashusahsauhua
Tava inspirada né??
O.O
Eu li..mas nao li inteiro...por que tava meio 'correndo'mas li.

bjo
=*
Vai que numa dessas... haha.
Pois é, dizem que a única constante da vida é a mudança. E isso se reflete bem nos "blogs". Falando nisso, gostei da nova imagem do topo, lembrei da música "Eu vou tomar aquele velho navio". Vai dizer que esse ator não é bonitão, heim?
Estrela do Mar disse…
Aquela foto no seu orkut não mente.... é o seu destino que estava sendo traçado!
Pq tirou a menininha? Eu gostava mais!
Camila Belini disse…
Minha mãe é professora. Tomara que não esteja no sangue.
Como você disse, pelo bem dos alunos ( eu acrescento) e de toda a humanidade!

beijo tati!
Dom disse…
Dom Quixote
(ventoonde.blogspot.com):

Se todos os professores pensassem se podem ou não dar aulas, primeiro pelo amor e depois pelo conhecimento, as pessoas se interessariam mais pelos estudos.
L. disse…
Vc deve gostar mesmo dessa sua amiga que te mete em ciladas ahuahau. E ela confiar no teu potencial neh =P

Se se tem a vontade da aprenizagem mútua já é meio caminho andado. Acho que desse mato saí coelho hem =p

Postagens mais visitadas deste blog

O reinado dos Castelões

Existem lugares que são verdadeiros achados, residindo insuspeitos no meio do caminho. Castelões é um deles. Num domingo quente e sem planos, topei com ele em uma rua deserta do Brás, onde morei por um ano e meio. Nesse tempo, acostumei-me, embora muita gente torcesse o nariz, às ruas feias do bairro que já chegou a ser mais conhecido na Itália que a própria São Paulo. Hoje o Brás perdeu um pouco do encanto e o título de ‘berço’ italiano acabou ficando para a Mooca, entre os menos entendidos. Para o Brás, sobrou a fama de sujo, feio, perigoso e casa de um Arnesto meio esquecido.
Por isso, nem me abalei quando meu então namorado sugeriu que almoçássemos num lugar que de longe tinha aparência meio duvidosa.No Brás tudo tem esse quê de capenga. Mas Castelões foi um engano nesse sentido. Ao chegar perto você percebe que sim, está diante de um lugar raro. A placa é de 1924 e não é mentirosa. O restaurante existe lá desde então. Trata-se do local mais antigo funcionando ininterruptamente n…

Das esperanças

Hoje consegui parar em frente ao computador e com um pouquinho de tempo para responder às suas angustiantes letras. Hoje, esperando que você esteja melhor, parei para te escrever que, sim, acredito no amor. Com o tempo, os tombos, os tropeços e as cravadas na saída (qual ginasta olímpica), com as fichas caídas, os choros copiosos e soluçados para os meus travesseiros... Passado tudo isso, posso dizer que, mesmo que mais 200 relacionamentos meu acabem daqui para frente, sim, acredito no amor. Aprendi que o amor não acaba, ele só muda de rosto. O amor é nosso, amiga. A gente entrega para quem estiver mais disposto, para quem estiver atento no lance, para quem se encaixar com a gente. Por enquanto é essa neblina, esse tempo turvo, que parece que não vai desanuviar nunca, mas ó. Vai passar. E te diria isso mesmo sem estar em um relacionamento. Te diria isso numa manhã de fevereiro, antes e depois do carnaval, quando eu ainda nem  o conhecia. Diria isso mesmo depois de ter perdido um ou…

Prece de inverno

Minha mãe diz que arrumar a cama todo dia faz a gente ficar protegido. Confesso que nem sempre lembro. Às vezes é escolher entre a cama, lavar a louça do café ou assistir um pouco de tevê. A coberta meio embolada, o pijama jogado no canto, travesseiro caído no chão. Hoje numa calçada encontrei um morador em situação de rua arrumando a dele. Confesso que nem sempre reparo neles. Às vezes é a pressa, noutras estou resolvendo alguma coisa na tela, em algumas estou de olho nas vitrines. Eu meio distraída, desviando dos senhores, das senhoras e de suas casasmóveis. O homem arrumava a cama com tanto zelo que prendeu meu olhar. Confesso que uma partezinha de mim pensou para que tanto cuidado em arrumar algo que qualquer um podia bagunçar. Vi sua mão colocando a coberta azul bem certinha embaixo do colchão fininho, dobrando bonito perto do travesseiro, passando a mão por cima para tirar toda ruga. Eu pensando que aquela cama era toda a sua casa, tanto esmero que valia.
Desejei aquele cuid…