Pular para o conteúdo principal

Ela

Não sabia se expressar muito bem oralmente. Falava, mas ao falar alguma coisa sempre terminava incompleta. Falava, falava, mas a sensação que tinha ao final é que havia deixado subentendidos demais e conclusões nada concretas. Ao contar uma história, falava, falava, falava e no meio do falar sentia que um detalhe ou outro havia se perdido no meio do caminho. Às vezes se desconcentrava com divagações que lhe invadiam a mente, sem possuir lugar certo no enredo.

Preferia escrever. À escrita é permitida a edição. E como não é possível editar a fala, restringia-se às palavras desenhadas. Entretanto, o problema maior não estava no que declarava, mas no que recebia. O que lhe era direcionado, falado ou escrito, geralmente não vinha claro, com contornos definidos, mas uma mancha cinza e abstrata, que devia esconder, sim, um raciocínio lógico. Porém, não possuía a chave.

Passou a recorrer a um dicionário de símbolos para decifrar os códigos que lhe chegavam. Percebeu aí a rede infinita de não-ditos que pode haver em uma palavra ou falta de. Descobriu que faz parte do ser humano recorrer às entrelinhas.

Enveredou-se por todas. Procurou, até mesmo em vãos que nem lhe eram de direito, o significado de palavras faladas e escritas. Nem os gestos lhe escaparam.

Mas o hobbie, embora fosse empolgante, não lhe despertava emoções maiores. Não havia graça em desvendar a amiga ou a família, que deixara de tentar compreender há muito tempo. Foi então, que apareceu. Ele. Veio como o vislumbre de um novo projeto de estudo. Carregava em si inúmeros sinais passíveis de páginas e páginas de significações. Encontrar a chave lhe interessava, não apenas pela mania de decifrar, mas porque se deixou envolver emocionalmente. Começou então a desvendá-lo, um longo caminho, que demandou tempo. Analisou-o milimetricamente. Guardou na memória tudo - idiossincrasias, as palavras que lhe dirigia, os silêncios, o aparecimento, o sumiço, as lembranças, os esquecimentos – e enfiou a cabeça no livro, empenhada em encontrar respostas. E nas tentativas de investigar, decifrar e revelar, chegou, enfim. A lugar algum.

Desistiu. Aprendeu a diferença fundamental dos subentendidos. Há alguns que necessitam ser ininteligíveis e uma hora outra acabam por ser compreendidos, no momento certo. Outros são meros devaneios de mente insana e desocupada, disposta a brincar com sentimentos alheios.


Comentários

Bruno Bastos disse…
adoro essa música *.*
desculpa nao ter lido o post :X
tenho preguiça danada com esses posts longos
Michele Matos disse…
hehe...olha a sinceridade do moço aí em cima...rsrsrsrs...
a clareza das pessoas deixam elas sem graça, prefiro o subentendido.
bjuu
Tati, eu geralmente me identifico com os seus textos. Amo o jeito com que você domina as palavras e as torna muito mais bonitas do que são. Entretanto, em nenhum outro texto me senti tão eu quanto neste.
E, olha, eu também não gosto de posts longos. Depende do dia e de quem escreve. Os seus sempre valem a pena. E mesmo que eu não tivesse lido, não teria te dito. É meio brochante, né?! Bom, eu gosto de escrever muito (nem dá para perceber, com um cometário tão sucinto!) e também gosto de ler coisas desse tipo.
Enfim, amei.
A propósito, não conhecia a música. Amei também!
=)
.lucas guedes disse…
sempre quis usar a palavra 'isiossincrasia' num texto, mas ainda não consegui... rs. gosto muito dessa música, apesar de achar a voz do camelo muito feia.
.lucas guedes disse…
ops. idiossincrasia!
Neto disse…
massa o texto, palavras são coisas espetaculares né, faladas ou escritas, eu adoroo ^^
eu gosto da parte em inglês da música :)
mas o silêncio continua falando, ah, e como fala.
Dai disse…
precisa ser mais explícita???

as entrelinhas falaram mutio desta vez
CINTIABLICIDADE disse…
Oi Tati, adorei aqui!!
muito bom o texto...
eu sou o oposto, não sei me expressar bem escrevendo.. eu ainda falo falo falo!!!
Como vai guarapuava!?
bjao =**
siguilita disse…
eu acho que ela cuma maconha..hahaha... brincadeirinha...
bjus
Ando meio descuidada com os amigos blogueiros. Hoje resolvendo fazer um post no meu, resolvi passar para comentar o dos amigos.
Gostei do post Tati!!!
E desculpe pela falta de frequencia nos comentários.
Não será mais de praxe.

Beijos

Postagens mais visitadas deste blog

O reinado dos Castelões

Existem lugares que são verdadeiros achados, residindo insuspeitos no meio do caminho. Castelões é um deles. Num domingo quente e sem planos, topei com ele em uma rua deserta do Brás, onde morei por um ano e meio. Nesse tempo, acostumei-me, embora muita gente torcesse o nariz, às ruas feias do bairro que já chegou a ser mais conhecido na Itália que a própria São Paulo. Hoje o Brás perdeu um pouco do encanto e o título de ‘berço’ italiano acabou ficando para a Mooca, entre os menos entendidos. Para o Brás, sobrou a fama de sujo, feio, perigoso e casa de um Arnesto meio esquecido.
Por isso, nem me abalei quando meu então namorado sugeriu que almoçássemos num lugar que de longe tinha aparência meio duvidosa.No Brás tudo tem esse quê de capenga. Mas Castelões foi um engano nesse sentido. Ao chegar perto você percebe que sim, está diante de um lugar raro. A placa é de 1924 e não é mentirosa. O restaurante existe lá desde então. Trata-se do local mais antigo funcionando ininterruptamente n…

Das esperanças

Hoje consegui parar em frente ao computador e com um pouquinho de tempo para responder às suas angustiantes letras. Hoje, esperando que você esteja melhor, parei para te escrever que, sim, acredito no amor. Com o tempo, os tombos, os tropeços e as cravadas na saída (qual ginasta olímpica), com as fichas caídas, os choros copiosos e soluçados para os meus travesseiros... Passado tudo isso, posso dizer que, mesmo que mais 200 relacionamentos meu acabem daqui para frente, sim, acredito no amor. Aprendi que o amor não acaba, ele só muda de rosto. O amor é nosso, amiga. A gente entrega para quem estiver mais disposto, para quem estiver atento no lance, para quem se encaixar com a gente. Por enquanto é essa neblina, esse tempo turvo, que parece que não vai desanuviar nunca, mas ó. Vai passar. E te diria isso mesmo sem estar em um relacionamento. Te diria isso numa manhã de fevereiro, antes e depois do carnaval, quando eu ainda nem  o conhecia. Diria isso mesmo depois de ter perdido um ou…

Prece de inverno

Minha mãe diz que arrumar a cama todo dia faz a gente ficar protegido. Confesso que nem sempre lembro. Às vezes é escolher entre a cama, lavar a louça do café ou assistir um pouco de tevê. A coberta meio embolada, o pijama jogado no canto, travesseiro caído no chão. Hoje numa calçada encontrei um morador em situação de rua arrumando a dele. Confesso que nem sempre reparo neles. Às vezes é a pressa, noutras estou resolvendo alguma coisa na tela, em algumas estou de olho nas vitrines. Eu meio distraída, desviando dos senhores, das senhoras e de suas casasmóveis. O homem arrumava a cama com tanto zelo que prendeu meu olhar. Confesso que uma partezinha de mim pensou para que tanto cuidado em arrumar algo que qualquer um podia bagunçar. Vi sua mão colocando a coberta azul bem certinha embaixo do colchão fininho, dobrando bonito perto do travesseiro, passando a mão por cima para tirar toda ruga. Eu pensando que aquela cama era toda a sua casa, tanto esmero que valia.
Desejei aquele cuid…