Pular para o conteúdo principal

Festas de formatura

- Faço coreografias, com passos que traduzem literalmente cada palavra da música. Algumas pessoas imitam.
- Ao olhar as fotos no outro dia, reparo que meu cabelo reflete os graus da bebedeira, que vai do: saído do cabeleireiro, levemente suado, Maria Bethânia até o “Jesus, onde foram parar todos os grampos?”
- Um mesmo vestido pode ser visto em diferentes corpos no decorrer da temporada de formaturas.
- Eu posso perder todas as pessoas, mas o copo não se separa da minha mão.
- Eu sempre tenho assunto com toooooodo mundo. Do primo da amiga da minha colega de inglês, passando pelo garçom que eu confundi com um formando, até chegar ao tiozinho que vende cachorro-quente em frente ao clube.
- Eu reluto, mas as sandálias sempre acabam saindo dos meus pés.
- Fico olhando fixamente para a banda e, após alguns minutos, tento imitar os passinhos das integrantes, sem sucesso. Também canto todas as músicas junto, inclusive aquelas em espanhol, que eu não falo.
- Eu cumprimento as mães dos formandos e arrumo assunto, pensando que elas são minhas amigas.
- Difícil eu cair, mas sempre acontecem umas resbaladas com umas cravadas na saída. Comumente depois da recuperação eu finjo que nada aconteceu.
- Banheiros são ótimos lugares para se fazer novas amigas.
- Entrar em trenzinhos que não são da minha galera, beber do whisky que não é do meu formando e dar parabéns para quem não está se formando sempre fazem parte das minhas participações especiais.
- Às vezes quero dar uma de esperta e roubar parte da decoração. É claro que o segurança me observa já de longe, com aquele vaso na mão, e me barra na portaria.
- Eu esqueço quem me deu o convite para a festa e agradeço cada uma das pessoas que eu encontro e (acho) que estão se formando.
- Sempre chega uma hora que eu vou tentar falar em inglês. Engraçado é que para mim parece que sai fluente.
- Eu sempre xingo a banda por tocar New York, falo mal do garçom que esqueceu de trazer o gelo e digo que o banheiro poderia estar menos cheio, mas sei que eu vou em qualquer formatura que me convidarem.

Comentários

Ahhh, as formatchúuuras.. Acho que não existe festa melhor haha
Tiozaum disse…
Nossa formatura é mesmo mto bom!
Acho que td mundo gosta.

Eu me divirto muito :D

Beijo!
Neto disse…
formatura é formatura neh
festa tão boa quanto só casamento
Michele Matos disse…
Muuuuito bom!
O banheiro do Guaíra é o mais aconchegante, as escadas do Guaíra são as mais perigosas...mas eu gosto também de casamentos no Athalaia.
Sábado tem formatura irriiiii!
Elaine Crespo disse…
Adoro o que você escreve!
Sempre muito diferente dos outros Blogs!

Demorei a passar pois estou muito atarefada nos últimos dias!

Passarei mais vezes agora!


Um beijo
Elaine
rique disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Camila Reginato disse…
formaturas
uma historia de anos
traduzida e sentida apenas uma noite
quem é q poderia esquecer
da ua formatura ?

otimo texto tatiana ...


bjos
CINTIABLICIDADE disse…
Sério que eu faço pelo menos meia dúzia de tudo isso. Mas não tem nada mais divertido.
As vezes eu jogo confeti na cara das pessoas achando que é engraçado... mas no fundo eu sei que não é.

bjao Tati, e valeu por participar da minha formatura!!! aiuhaiuahiauhiahu

Postagens mais visitadas deste blog

O reinado dos Castelões

Existem lugares que são verdadeiros achados, residindo insuspeitos no meio do caminho. Castelões é um deles. Num domingo quente e sem planos, topei com ele em uma rua deserta do Brás, onde morei por um ano e meio. Nesse tempo, acostumei-me, embora muita gente torcesse o nariz, às ruas feias do bairro que já chegou a ser mais conhecido na Itália que a própria São Paulo. Hoje o Brás perdeu um pouco do encanto e o título de ‘berço’ italiano acabou ficando para a Mooca, entre os menos entendidos. Para o Brás, sobrou a fama de sujo, feio, perigoso e casa de um Arnesto meio esquecido.
Por isso, nem me abalei quando meu então namorado sugeriu que almoçássemos num lugar que de longe tinha aparência meio duvidosa.No Brás tudo tem esse quê de capenga. Mas Castelões foi um engano nesse sentido. Ao chegar perto você percebe que sim, está diante de um lugar raro. A placa é de 1924 e não é mentirosa. O restaurante existe lá desde então. Trata-se do local mais antigo funcionando ininterruptamente n…

Das esperanças

Hoje consegui parar em frente ao computador e com um pouquinho de tempo para responder às suas angustiantes letras. Hoje, esperando que você esteja melhor, parei para te escrever que, sim, acredito no amor. Com o tempo, os tombos, os tropeços e as cravadas na saída (qual ginasta olímpica), com as fichas caídas, os choros copiosos e soluçados para os meus travesseiros... Passado tudo isso, posso dizer que, mesmo que mais 200 relacionamentos meu acabem daqui para frente, sim, acredito no amor. Aprendi que o amor não acaba, ele só muda de rosto. O amor é nosso, amiga. A gente entrega para quem estiver mais disposto, para quem estiver atento no lance, para quem se encaixar com a gente. Por enquanto é essa neblina, esse tempo turvo, que parece que não vai desanuviar nunca, mas ó. Vai passar. E te diria isso mesmo sem estar em um relacionamento. Te diria isso numa manhã de fevereiro, antes e depois do carnaval, quando eu ainda nem  o conhecia. Diria isso mesmo depois de ter perdido um ou…

Prece de inverno

Minha mãe diz que arrumar a cama todo dia faz a gente ficar protegido. Confesso que nem sempre lembro. Às vezes é escolher entre a cama, lavar a louça do café ou assistir um pouco de tevê. A coberta meio embolada, o pijama jogado no canto, travesseiro caído no chão. Hoje numa calçada encontrei um morador em situação de rua arrumando a dele. Confesso que nem sempre reparo neles. Às vezes é a pressa, noutras estou resolvendo alguma coisa na tela, em algumas estou de olho nas vitrines. Eu meio distraída, desviando dos senhores, das senhoras e de suas casasmóveis. O homem arrumava a cama com tanto zelo que prendeu meu olhar. Confesso que uma partezinha de mim pensou para que tanto cuidado em arrumar algo que qualquer um podia bagunçar. Vi sua mão colocando a coberta azul bem certinha embaixo do colchão fininho, dobrando bonito perto do travesseiro, passando a mão por cima para tirar toda ruga. Eu pensando que aquela cama era toda a sua casa, tanto esmero que valia.
Desejei aquele cuid…