Pular para o conteúdo principal

Da província

Primeiro foi a cidade onde nasci, mas nunca morei. Eu cresci mesmo na outra, que apelidei carinhosamente de província. Cheguei nela aos três dias de vida, momento em que eu comecei a construir minha vida no pedaço de terra que aprendi a chamar de cidade natal. Fui à escola, brinquei, sozinha e com amigos, muitos dos quais permanecem aqui em corpo ou alma. Embora meus pais firmassem cada vez mais suas raízes na cidade, eu sempre soube que meu destino não seria o mesmo.

Uma vez li uma frase que dizia mais ou menos assim: A província é o lugar de onde você quer desesperadamente sair, e saindo, quer voltar. As pessoas sempre me perguntam se eu pretendo voltar. Não. Além dessa certeza, tenho outra. A de que preciso voltar para cá com frequência para abastecer minhas forças. Antigamente eu voltava para lavar a roupa, fazer compras. Hoje eu sei que eram só desculpas. Eu volto para a província porque aqui me sinto protegida, porque gosto de me sentir em casa, embora seja uma visita. Mas quando me refiro à província, digo minha casa. Vou para casa, lá na minha casa... Talvez porque eu não sinta verdadeiramente que minha casa é a outra, na atual cidade. Deve ser por isso o sentimento eterno de estrangeira.

Sempre soube que não passaria o resto da minha vida na cidade em que cresci, mas aproveitei tudo o que uma província tem a oferecer a uma criança. Uma infância cheia de brincadeiras nas noites quentes de calor, mate com as amigas nas tardes frias de inverno, caminhadas nas manhãs de flores caindo dos jardins das casas e enchendo as calçadas. E a cidade onde vivi por dezessete anos ficou gravada na minha alma, impressa pelas lembranças, pelas visitas constantes, pelo cheiro de biscoito que você sente ao chegar, pela árvore frondosa do jardim da minha casa...

Se dizem que a cidade cresceu em volta da igreja, como toda pequena comunidade, a união da nossa família se fortaleceu em torno da árvore grande. Uma espécie de ipê, da qual ninguém nunca ouviu falar, que floresce no verão e perde suas folhas no inverno. Como eu já tinha doze anos quando nos mudamos, nunca me interessei por subir nela. Eu e meu irmão não fizemos uma casa na árvore, ao contrário de um ou outro joão-de-barro que construiu sua moradia ali. Mas eu vi minha irmã ir e voltar em seus galhos, em um balanço no qual só ela cabia.

Meu pai reservou para a árvore inúmeros planos. O primeiro foi o de abarrotá-la de cima abaixo de pisca-piscas, que tornou minha casa um cartão postal e resultava em cifras absurdas nas contas de energia elétrica. Tirando a ideia das luzinhas, tudo que meu pai sonhou para a árvore furou. Ele queria uma jiboia, ele tentou colocar garças, ele até comprou um ovo de urubu. Tudo para deixar aquele espaço mais exótico e, quiçá, mais especial. Não precisou. Junto com a árvore que cresce em ritmo vertiginoso, aumenta a minha distância da cidade, mas fica gravado em mim o desejo de retornar sempre a ela.


A casa e a árvore...

Comentários

Elaine Crespo disse…
Realmente a cidade onde crescemos vai ser sempre a nossa referência!
è igual a casa!!
Ainda hoje quando digo "lá em casa" estou me referindo a casa de meus pais.

Um belo domingo!

Beijos
Elaine
.lucas guedes disse…
olha, eu também vim de uma cidade onde nunca morei. mas é tão perto que vou lá quase todos os dias, nem tem graça... bonita história!
Tiozaum disse…
Acho que todo mundo q passa por essa situação sente o mesmo.

Eu ficava contando os dias pra poder vir aqui e rever minha familia e passar um tempo com os amigos.

Tanto que resolvi radicalizar e voltar a morar aqui ehehehe... vamos ver até quando né? :P

beijo!
Neto disse…
eh, eu to na minha casa de volta, vamos ver ate qnd ...
que bonito, Tati.
Eu realmente sempre tive muita inveja de quem passou a infância inteira em um único lugar, especialmente em cidades pequenas. Eu não. De Foz, para Curitiba e, então, Foz de novo.
Entretanto, quando fiz 15 anos, fui para Corbélia. Mas ainda deu pra aproveitar um pouquinho... Cidade pequena é tudo de bom... Mas realmente, pra lá não quero mais voltar.
ps. Na frente da minha casa, em Corbélia, também tinha uma árvore grande... cheia de mistério, ela!
Michele Matos disse…
Aaaaa...mas a casa do Papai Noel deve ser boa de se morar mesmo.
às vezes eu falo que minha antiga casa é minha casa, mas nem é mais.
Cáh disse…
Agora eu entendo o "por que"do titulo do blog..
Faz sentido..
Eterna Estrangeira...

=*
Renata Caleffi disse…
E como eu me identifico com isso!
parece até que saiu de mim!
Ai ai, como que pode uma cidadezinha pode dar tanta saudade.. e pensar que eu não via a hora de sair de lá.
Hehe. linda a ideia de árvore. sempre quis ter uma árvore que pudesse chamar de minha... mas nunca morei em lugares onde isso fosse possível. é mto bom ir, mas voltar para casa é o que há!
MerasChorumelas disse…
Colocar pisca-piscas na árvore que fica em frente à casa do papai noel foi a ideia mais "com noção" que o seu pai teve... hehe

To te seguindo aqui =)
Beijo, eterna estrangeira!

Postagens mais visitadas deste blog

Das esperanças

Hoje consegui parar em frente ao computador e com um pouquinho de tempo para responder às suas angustiantes letras. Hoje, esperando que você esteja melhor, parei para te escrever que, sim, acredito no amor. Com o tempo, os tombos, os tropeços e as cravadas na saída (qual ginasta olímpica), com as fichas caídas, os choros copiosos e soluçados para os meus travesseiros... Passado tudo isso, posso dizer que, mesmo que mais 200 relacionamentos meu acabem daqui para frente, sim, acredito no amor. Aprendi que o amor não acaba, ele só muda de rosto. O amor é nosso, amiga. A gente entrega para quem estiver mais disposto, para quem estiver atento no lance, para quem se encaixar com a gente. Por enquanto é essa neblina, esse tempo turvo, que parece que não vai desanuviar nunca, mas ó. Vai passar. E te diria isso mesmo sem estar em um relacionamento. Te diria isso numa manhã de fevereiro, antes e depois do carnaval, quando eu ainda nem  o conhecia. Diria isso mesmo depois de ter perdido um ou…

O reinado dos Castelões

Existem lugares que são verdadeiros achados, residindo insuspeitos no meio do caminho. Castelões é um deles. Num domingo quente e sem planos, topei com ele em uma rua deserta do Brás, onde morei por um ano e meio. Nesse tempo, acostumei-me, embora muita gente torcesse o nariz, às ruas feias do bairro que já chegou a ser mais conhecido na Itália que a própria São Paulo. Hoje o Brás perdeu um pouco do encanto e o título de ‘berço’ italiano acabou ficando para a Mooca, entre os menos entendidos. Para o Brás, sobrou a fama de sujo, feio, perigoso e casa de um Arnesto meio esquecido.
Por isso, nem me abalei quando meu então namorado sugeriu que almoçássemos num lugar que de longe tinha aparência meio duvidosa.No Brás tudo tem esse quê de capenga. Mas Castelões foi um engano nesse sentido. Ao chegar perto você percebe que sim, está diante de um lugar raro. A placa é de 1924 e não é mentirosa. O restaurante existe lá desde então. Trata-se do local mais antigo funcionando ininterruptamente n…

Prece de inverno

Minha mãe diz que arrumar a cama todo dia faz a gente ficar protegido. Confesso que nem sempre lembro. Às vezes é escolher entre a cama, lavar a louça do café ou assistir um pouco de tevê. A coberta meio embolada, o pijama jogado no canto, travesseiro caído no chão. Hoje numa calçada encontrei um morador em situação de rua arrumando a dele. Confesso que nem sempre reparo neles. Às vezes é a pressa, noutras estou resolvendo alguma coisa na tela, em algumas estou de olho nas vitrines. Eu meio distraída, desviando dos senhores, das senhoras e de suas casasmóveis. O homem arrumava a cama com tanto zelo que prendeu meu olhar. Confesso que uma partezinha de mim pensou para que tanto cuidado em arrumar algo que qualquer um podia bagunçar. Vi sua mão colocando a coberta azul bem certinha embaixo do colchão fininho, dobrando bonito perto do travesseiro, passando a mão por cima para tirar toda ruga. Eu pensando que aquela cama era toda a sua casa, tanto esmero que valia.
Desejei aquele cuid…