Pular para o conteúdo principal

Sunday’s sunset

Há diferentes tipos de saudade. Todas costumam doer. Principalmente aquelas nas quais se sabem as ausências inevitáveis. Pessoas que morreram, amigos além mar, amores que vão e não deixam a promessa de voltar.
A saudade que me dói, particularmente hoje, é de alguém que surgiu rápido e cuja existência foi intensa. Alguém de quem eu senti falta após a curta temporada de presença constante. Porém, quando voltou do período distante, não veio o mesmo do que quando partira.
Fomos, aos poucos, nos afastando. Primeiro devagar, mas depois, com o tempo, os abismos foram ficando mais profundos. A distância entre uma rocha e outra passou a ser tão grande, que fomos nos cansando de tentar alcançar o outro lado.
Nisso tudo, o que me dói é a vontade que me dá, constantemente, de ter ao meu lado um alguém que se esforça para ficar tão distante. E me dói ainda não saber sequer o porquê desse desejo.
Nas tardes ociosas de domingo, lembro de um tempo de convivência diária, que embora me pareça tão antigo, faz doer por ser tão recente e tão diferente do agora. Um tempo em que não era preciso desejar muito estar perto, porque isso era inevitável. Nesse tempo estivemos próximos, amigos, e me agradava estar assim.
Eu realmente não sei o que lhe cansou ou o que lhe causou repentino estranhamento. Repetidas vezes, como agora, baixei o volume da televisão e quebrei a cabeça, em vão, na tentativa de buscar respostas.
Por fim, vejo que cansei de sentir essa tristeza pegajosa, que já ardeu, machucou e hoje apenas incomoda. Mas o que mais me intriga é saber que sua falta faz mais sentido para mim e que para ele minha ausência não só passa despercebida como se faz necessária.
Repasso na cabeça todos os acontecimentos que antecederam sua barreira de gelo e descubro, esgotada, que não há nada que justifique sua escolha.
Concluo, enfim, que tudo – a amizade, a convivência, o sentimento bom – não passou de um pôr-do-sol, que veio e, por alguns momentos, encantou os olhos e preencheu a alma. Depois simplesmente foi embora, anoitecendo o dia. Como tinha de ser.

A saudade, amigo, é o que o desencontro deixa de lembrança nessa vida estranha que a gente leva.

Comentários

Diangela disse…
Amiga, depois desse post senti necessidade (e saudade) de conversar contigo. A última frase foi ótima.. espero que, apesar de tudo, vc esteje bem. Te adoro. Bye.
Tatiii... eu me identifico muito mesmo com os seus textos, com a tua sensibilidade. Mas não fique triste não; eu não sou uma pessoa triste. Sou melancólica, saudosista e idealizo demais. Mas, do meu jeitinho, gosto de ser assim.
E sobre o seu texto, amei. Impossível o contrário.
Beijoo
Ah!
Como vc poe música no blog??
Neto disse…
saudade é uma coisa mto ruim, mas sempre há oportunidades de matá-la e fazer isso é sempre bom ^^

Sentiu a ênfase dos SEMPRE né ;)
sempre...
Alyne disse…
Caramba Tati!!!!!!!!!!
Lindo e intenso!
Michele Matos disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Michele Matos disse…
Me bateu uma saudade...da vpo, da mãe, do pai...
que saudade de vc tati...vamo no cinema?
CINTIABLICIDADE disse…
é a saudade que mais doi mesmo é essa que não se pode matar!!!
Estrela do Mar disse…
A saudade é um rato que rói rói e dói, dói.

Postagens mais visitadas deste blog

O reinado dos Castelões

Existem lugares que são verdadeiros achados, residindo insuspeitos no meio do caminho. Castelões é um deles. Num domingo quente e sem planos, topei com ele em uma rua deserta do Brás, onde morei por um ano e meio. Nesse tempo, acostumei-me, embora muita gente torcesse o nariz, às ruas feias do bairro que já chegou a ser mais conhecido na Itália que a própria São Paulo. Hoje o Brás perdeu um pouco do encanto e o título de ‘berço’ italiano acabou ficando para a Mooca, entre os menos entendidos. Para o Brás, sobrou a fama de sujo, feio, perigoso e casa de um Arnesto meio esquecido.
Por isso, nem me abalei quando meu então namorado sugeriu que almoçássemos num lugar que de longe tinha aparência meio duvidosa.No Brás tudo tem esse quê de capenga. Mas Castelões foi um engano nesse sentido. Ao chegar perto você percebe que sim, está diante de um lugar raro. A placa é de 1924 e não é mentirosa. O restaurante existe lá desde então. Trata-se do local mais antigo funcionando ininterruptamente n…

Das esperanças

Hoje consegui parar em frente ao computador e com um pouquinho de tempo para responder às suas angustiantes letras. Hoje, esperando que você esteja melhor, parei para te escrever que, sim, acredito no amor. Com o tempo, os tombos, os tropeços e as cravadas na saída (qual ginasta olímpica), com as fichas caídas, os choros copiosos e soluçados para os meus travesseiros... Passado tudo isso, posso dizer que, mesmo que mais 200 relacionamentos meu acabem daqui para frente, sim, acredito no amor. Aprendi que o amor não acaba, ele só muda de rosto. O amor é nosso, amiga. A gente entrega para quem estiver mais disposto, para quem estiver atento no lance, para quem se encaixar com a gente. Por enquanto é essa neblina, esse tempo turvo, que parece que não vai desanuviar nunca, mas ó. Vai passar. E te diria isso mesmo sem estar em um relacionamento. Te diria isso numa manhã de fevereiro, antes e depois do carnaval, quando eu ainda nem  o conhecia. Diria isso mesmo depois de ter perdido um ou…

Prece de inverno

Minha mãe diz que arrumar a cama todo dia faz a gente ficar protegido. Confesso que nem sempre lembro. Às vezes é escolher entre a cama, lavar a louça do café ou assistir um pouco de tevê. A coberta meio embolada, o pijama jogado no canto, travesseiro caído no chão. Hoje numa calçada encontrei um morador em situação de rua arrumando a dele. Confesso que nem sempre reparo neles. Às vezes é a pressa, noutras estou resolvendo alguma coisa na tela, em algumas estou de olho nas vitrines. Eu meio distraída, desviando dos senhores, das senhoras e de suas casasmóveis. O homem arrumava a cama com tanto zelo que prendeu meu olhar. Confesso que uma partezinha de mim pensou para que tanto cuidado em arrumar algo que qualquer um podia bagunçar. Vi sua mão colocando a coberta azul bem certinha embaixo do colchão fininho, dobrando bonito perto do travesseiro, passando a mão por cima para tirar toda ruga. Eu pensando que aquela cama era toda a sua casa, tanto esmero que valia.
Desejei aquele cuid…