Pular para o conteúdo principal

Todo errado

Tatiana

Faz pouco mais de um ano que dividimos a mesma casa, então, acho que é hora de eu compartilhar com você um pouco sobre o que penso e esclarecer algumas coisas.
Primeiro de tudo, minha cara. Eu não sou psicopata e odeio que você me chame assim. Meu comportamento, que você insiste em classificar de mau, chama-se energia acumulada. Ou você pensa que é fácil ficar o dia inteiro preso dentro de um apartamento, procurando pseudobrinquedos para me divertir? Passo minhas horas me dividindo entre a procura de insetos, que ora eu mato, ora eu como, ora eu apenas me divirto torturando-os e me divertindo com sua agonia (ok, eu não sou psicopata, foi uma brincadeira); treinamento de abertura de portas (já estou ficando craque) e intermináveis cochilos. Como uma pessoa depressiva, espero que minhas horas sozinho passem mais rápido no reino de Morfeu. Acredite, sem Lexotan fica bem mais difícil. Não posso negar que eu já pensei em me jogar daquela janela muitas vezes, mas confesso que a criancinha loura que me espera lá embaixo, caso eu sobreviva à queda, não me atrai.
É por isso que à noite, quando você chega, eu insisto em brincar. Sim, é realmente brincadeira o que eu tento fazer com você, mesmo sem a sua reciprocidade. Quando eu me escondo em um lugar e espero você passar para pular sobre suas pernas, ao contrário do que você pensa – quando diz que é para eu parar de te sabotar – é pura marotice de gato filhote. Embora você esqueça disso, eu ainda sou filhote. E o chocalho que você comprou e a caixinha de papelão que você fez para mim – não que eu não seja grato, longe disso – são insuficientes. Às vezes, o que eu quero é calor humano. Por isso que eu tento abrir a porta do seu quarto para dormir com você – sob uma chuva de xingões e chinelos arremessados.
Eu não sei o que aconteceu com minha outra dona, mas sinto saudade. E acho que ela ficará bem chateada quando voltar e descobrir que você se apossou do quarto dela. A outra moça que mora lá em casa é legal. Descobri que se eu não entrar no quarto dela, não miar e me fingir de morto - de preferência no chão, porque no sofá eu encho tudo de pelo – fica tudo bem entre nós. Ela conversa comigo quando está sozinha e acho que no fundo a solidão de ambos acaba nos aproximando. Pode ser que alguém dia eu também a chame de dona, por que não?
Assim, o que eu queria dizer mesmo é que a gente pode ter uma convivência pacífica se nos aproximarmos mais. Teremos que passar por cima de algumas coisas, claro. Eu sei que você jamais vai esquecer a mordida no seu braço (eu sinto, quando vejo a cicatriz feia que ficou, um certo peso na consciência) e ainda não engoli a história da castração, mas acho que mesmo assim a gente pode conviver numa boa.
Eu gosto de você. Se não fosse assim, não miaria quando escuto barulhos na escada, acreditando que é você que chegou para me salvar das garras da solidão. Também não ficaria triste quando vejo você arrumando as malas, porque sei que você irá a algum lugar onde minha presença não é bem-vinda. Aquela vez que você me levou para passar férias em outro apartamento, pensei que nunca mais iria te ver. Senti saudade e sei que você sentiu também, pela forma “Felícia” de você me apertar na volta. Também acho que você gosta de mim. Embora você tenha uns surtos de vez em quando, me agarre pelo rabo (odeio, da próxima, me peça com educação para eu sair debaixo da sua cama) e tenha oscilações frequentes de humor (não, eu não sou veado, só fico perto dos homens porque eles não apresentam a revolução hormonal típica das mulheres que, confesso, me deixa irritado). Por fim, gostaria de te pedir desculpas pelas coisas quebradas, pelas comidas devoradas, pelos arranhões, pelas mordidas, pelas bacias sujas, pelas calças desfiadas. Como disse, coisas de filhote. Quando eu for um gato velho e obesoide e ter como única atividade tomar sol e dormir no sofá, você sentirá falta, sei que vai.


Seu gato, Polaco (não era para rimar)

Comentários

Tiozaum disse…
ehehehe... tadinho do polaco... eu gosto dele :)
João disse…
Isso mesmo, Polaco! Defenda-se!!
Não deve ser fácil aguentar essa mulherada!
E saiba que pode buscar refúgio da "revolução hormonal feminina" quando precisar!
Abraço (com cafuné)
Graci Polak disse…
Ah...

Adorei!

Isso aí, Polaco. Bota a boca no mundo!
Klaus disse…
Não importa. Desde que soube que Polaco jamais procriará, não pude deixar de me solidarizar com esse felino indefeso! Indefeso sim! Tudo que fizer contra ele, Polaco terá o direito de revidar em triplo! Polacos unidos, jamais serão castrados! e tenho dito!
Marina... disse…
Hey Polaco! Eu sei que ainda só não pulou por causa dos bichos despenados, doentes e inuportunos, que cantam às 3h da manhã, e são o sustento da "criancinha loura". Nada contra frango, até gosto, e sei que você também, mas né.
Michele Matos disse…
Nossa Polaco, não sei se a Tati já viu isso, mas ela se sentirá mal. Ela também te ama e a culpa foi dela em te convencer que você é um gato. Todos sabemos que você é uma jaguatirica que não nasceu para viver em apartamento.
.lucas guedes disse…
espero que minha siamesa Bjork nunca me mande uma carta.
Não Enviadas disse…
Polaco, escreve tão bem como sua dona ;)

Tati, quem ama educa. ;) É bom ser má de vez em quando...

Beijos aos dois.
Finito Carneiro disse…
O Polaco é desbolado.
siguilita disse…
Pobre Polaco... ele precisa de terapia de grupo.. foi indicar o que a Frida frequentava ai em Guarapuava...rs
bjus
Tarini disse…
Aii Polaco vc pensa isso de mim?
Naum é assim tbm...
Nao so tao mal!
Ta as vezes sim ,mas vc se esqueceu q a unica pessoa q brinca de pega-pega com vc d manha sou eu??
E sim a solidão tbm me consome, ficar sozinha naquele ape tds as manhas nao é facil...
Imagino vc q fik o dia inteiro!!

Prometo q vou tentar ser mais amorosa, mas convenhamos mtas vezes eu quero brincar e vc só me machuca, seus carinhos naum sao nada delicados!!
Vamos fazer um acordo:
-naum t chuto mais e nem jogo chineladas e vc nada de deitar nas minhas cobertas e nem atacar o pao q eu comprar!Td bem??


Abraços da sua colega de ape!
E quem sabe ao certo se ele não escreveria exatamente isso?
:)
pOST sCRIPTUM disse…
Icha, icha, icha, o Polaco bombou!!!
João disse…
A dona já demonstra uma ponta de ciúme por ser o texto mais comentado do blog. Também, pudera... o Polaco mal começou a postar em blogs e já tá assim. Vai ter que arrumar um pra ele. rsrsrs

Postagens mais visitadas deste blog

Das esperanças

Hoje consegui parar em frente ao computador e com um pouquinho de tempo para responder às suas angustiantes letras. Hoje, esperando que você esteja melhor, parei para te escrever que, sim, acredito no amor. Com o tempo, os tombos, os tropeços e as cravadas na saída (qual ginasta olímpica), com as fichas caídas, os choros copiosos e soluçados para os meus travesseiros... Passado tudo isso, posso dizer que, mesmo que mais 200 relacionamentos meu acabem daqui para frente, sim, acredito no amor. Aprendi que o amor não acaba, ele só muda de rosto. O amor é nosso, amiga. A gente entrega para quem estiver mais disposto, para quem estiver atento no lance, para quem se encaixar com a gente. Por enquanto é essa neblina, esse tempo turvo, que parece que não vai desanuviar nunca, mas ó. Vai passar. E te diria isso mesmo sem estar em um relacionamento. Te diria isso numa manhã de fevereiro, antes e depois do carnaval, quando eu ainda nem  o conhecia. Diria isso mesmo depois de ter perdido um ou…

O reinado dos Castelões

Existem lugares que são verdadeiros achados, residindo insuspeitos no meio do caminho. Castelões é um deles. Num domingo quente e sem planos, topei com ele em uma rua deserta do Brás, onde morei por um ano e meio. Nesse tempo, acostumei-me, embora muita gente torcesse o nariz, às ruas feias do bairro que já chegou a ser mais conhecido na Itália que a própria São Paulo. Hoje o Brás perdeu um pouco do encanto e o título de ‘berço’ italiano acabou ficando para a Mooca, entre os menos entendidos. Para o Brás, sobrou a fama de sujo, feio, perigoso e casa de um Arnesto meio esquecido.
Por isso, nem me abalei quando meu então namorado sugeriu que almoçássemos num lugar que de longe tinha aparência meio duvidosa.No Brás tudo tem esse quê de capenga. Mas Castelões foi um engano nesse sentido. Ao chegar perto você percebe que sim, está diante de um lugar raro. A placa é de 1924 e não é mentirosa. O restaurante existe lá desde então. Trata-se do local mais antigo funcionando ininterruptamente n…

Prece de inverno

Minha mãe diz que arrumar a cama todo dia faz a gente ficar protegido. Confesso que nem sempre lembro. Às vezes é escolher entre a cama, lavar a louça do café ou assistir um pouco de tevê. A coberta meio embolada, o pijama jogado no canto, travesseiro caído no chão. Hoje numa calçada encontrei um morador em situação de rua arrumando a dele. Confesso que nem sempre reparo neles. Às vezes é a pressa, noutras estou resolvendo alguma coisa na tela, em algumas estou de olho nas vitrines. Eu meio distraída, desviando dos senhores, das senhoras e de suas casasmóveis. O homem arrumava a cama com tanto zelo que prendeu meu olhar. Confesso que uma partezinha de mim pensou para que tanto cuidado em arrumar algo que qualquer um podia bagunçar. Vi sua mão colocando a coberta azul bem certinha embaixo do colchão fininho, dobrando bonito perto do travesseiro, passando a mão por cima para tirar toda ruga. Eu pensando que aquela cama era toda a sua casa, tanto esmero que valia.
Desejei aquele cuid…