Pular para o conteúdo principal

A um passo da perfeição

Sou uma revisora. Tentei explicar isso para minha companheira de apartamento, 18, não muito adepta a leituras. “É assim. A matéria vem, eu leio no computador. Aí mando para a diagramação. A página volta diagramada para mim, impressa, e eu corrijo-a novamente. Entendeu?” “Ai, que chato. Então você tem que ler o jornal inteiro duas vezes?”. Respondi que sim. Fiquei com vontade de acrescentar: Não é chato, mas é uma profissão meio ingrata. A uma revisora é exigida a perfeição. Embora todo mundo seja passível de erros, embora errar seja humano, embora ninguém seja perfeito – como a gente escuta à boca miúda – uma revisora não pode errar. Ela é a última chance. Ela confere. Ela revisa. Ela descobre que os olhos são traiçoeiros. E a gramática mais ainda.
Já engoli broncas a seco porque deixei passar coisas escabrosas. Pior que qualquer bronca, é a raiva de si mesma, pelo erro escroto. Mas Senhor dos Passos, não estava assim a hora que eu vi, tenho certeza que não. Contudo, está lá, a prévia, a prova irrefutável da sua derrota, com aquela palavrinha bandida escrita erroneamente.
Não era ronking, filha de Deus. Era ranking. E no título ainda. Como que pode? Um w intrometido que apareceu grudado em uma palavra, sem nenhuma razão de estar ali. Olhos, olhos, por que me abandonaram? Crases sem sentido, créditos trocados, erros, erros, infinitas falhas. Algumas consegui captar antes que a página fosse embora, antes do irremediável Ok. E respirei aliviada: Cristo, graças que eu vi. Já achei “empresas locas” ao invés de locais. Quem ia explicar que não se tratava de uma insanidade coletiva do empresariado? Mesmo assim, revisora anta, faltaria um u.
Confesso, acho que melhorei. Meu coração ainda acelera quando eu entro na sala logo cedo. Se em cinco segundos lá dentro não ouço nada, ufa, deu tudo certo. Passei por mais essa prova. Um desafio diário. Literalmente. Mas confesso, ainda folheio o jornal com o coração disparado.
O pior é a chatice. Toda revisora é chata ou ainda vai ser. Leio um texto qualquer e se identifico um erro, aquilo me incomoda. Juro que tenho medo de virar neurótica. Não, não cheguei ao ponto de imaginar o acento do européia (que não existe mais, porque agora, com a reforma, é europeia) correndo atrás de mim. Mas ao ler alguns erros aquilo fica me cutucando, como se só fosse parar se eu canetiasse (neologismo) com a bic azul uma flechinha puxando para o termo correto, ou uma bolinha em cima do que está sobrando.
Tem muita gente que não imagina que haja revisores em jornais. Devem pressupor que os textos nascem por conta, sem nem mesmo repórteres e são teletransportados magicamente para as páginas, sem diagramadores, e estas são levadas magicamente para as máquinas e assim, tchanammm, o jornal nasce. Ou há os que sabem, dãr, da existência dos repórteres, dos editores, dos diagramadores, dos operadores das rotativas, mas esquecem dos pobres revisores. Uma corja mesmo relegada ao esquecimento. Se deu tudo certo, não fez mais que sua obrigação. Parece a minha mãe falando quando eu me gabava de ter tirado a maior nota da sala em Matemática. “Mas mãe, matemática é difícil”. “A única coisa que você faz é estudar, menina. Então que faça bem feito”. Bem feito rima com perfeito? Acrescente aí sem erros, sem gorduras, sem espaço sobrando, sem ambiguidades, com créditos, tudo padronizado, com nomes corretos, diagramação redondinha, interessante, texto gramaticalmente correto, esteticamente bem colocado. "Está ouvindo, revisora?" "Ah, estou anotando". Esqueci. Tem que ser ágil também.

*Se alguém encontrar erro de qualquer espécie, entre em contato. Revisar o próprio texto é desafiar a capacidade de detecção dos meus olhos miúdos.

Comentários

Tiozaum disse…
Eu revisor tb. Não é assim tão crítico qto o seu, mas sou bastante cobrado por isso. Eu não gosto mto. É chato e os caras ficam me chingando qdo começo a soltar as revisões ahahaha... fazer oq? Meu chefe fica exigindo q eu faça :P

Beijo
Kaluss disse…
Naõ sei para que o exitsem os revizores se, tods escrverem tudo, serto cempre. Cem vigrulas e, lurgares erados ou letra sobranso. Coizas que qulquer un ve de lonje!!! mais memo assim fiqei com do de vosse! Deculpa a nosssa falia!
Marina disse…
Poxa vida, eu queria ser SUPER original, mas a pessoa aqui de cima comentou do jeito que eu pretendia... =(
Enfim, bom saber do seu trabalho, nunca mais te escrevo nada, tenho medo, sempre tive!
João disse…
Muito bom o texto.
Realmente se esquecem desse operário (literalmente) das redações.
Após ler o texto do blog do Paulo Henrique Amorin citando os erros da Folha de S. Paulo, nada melhor do que ter a visão de um revisor propriamente dita.
P.S.: Vai o primeiro comentário de um leitor assíduo, Tati.
bjo
Que triste Tati...você lê os jornais duas vezes!! heheh
Eu não sabia que era você que revisava as amareladas páginas dos jornais que chegam aqui em casa e que quase não dá tempo de eu ler..
=**
Michele Matos disse…
Mas afinal o que você faz lá?
hehe
Mentiraaaa!
Eu gosto de português corretinho, mas tenho problemas com crase e hífen.
Meus próprios erros me dão uma angústia sem tamanho!!! Dos outros também.
Graci Polak disse…
Eu acredito que ser revisora é ainda pior do que ser jornalista, hehe...

Adoro encontrar erros em jornais e confirmar que`ne sempre precisa estar certinho, sempre, rsrs...

Vou te levar uns presentes aqui do Planalto Norte catarinense quando for para Guarapuava, mas quero estar perto para ver os espamos.

Amei o texto, revisora. Ai, ai... Será que escrevi algo errado?

BjooO
siguilita disse…
Otimo texto... me condoeu..Entendo sua afliçao, mas saiba q agora sou aflita tambem aos aber de seus olhinhos miudos lendo o q escrevo... hahaha
bjaum
Não Enviadas disse…
Eu odeio revisar. No Ágora, famigerado Ágora, desempenhei essa função algumas vezes. Mas confesso que não uso virgulas certas, não sei explicar a regra da crase... é tudo meio instintivo... e o instinto erra também.
Admiro quem sabe as regrinhas - e excessões - da língua Portuguesa, uma das mais, se não a mais, difíceis linguas do cosmo. ;)

Adoro seus textos.

CamilaRufine
Raquel Farias disse…
Menina, nunca que daria certo como revisora. Não só pela falta de conhecimentos, como pela total ausência de atenção.

Realmente, ao menos eu, nunca pensei no revisor de um jornal.
Acho que a primeira leitura, no computador ainda, é meio inútil. Só quando está impresso é que eu consigo ver as falhas drásticas, hehe.
Ah, aliás, já viu esse livro? http://publifolha.folha.com.br/catalogo/livros/145210/
Green Womyn disse…
Já que você pediu, tem um "porque" junto no seu texto que deveria ser separado (rs).

Sim, revisores são chatos. E eu sou uma delas. Hahahahaha!

Postagens mais visitadas deste blog

O reinado dos Castelões

Existem lugares que são verdadeiros achados, residindo insuspeitos no meio do caminho. Castelões é um deles. Num domingo quente e sem planos, topei com ele em uma rua deserta do Brás, onde morei por um ano e meio. Nesse tempo, acostumei-me, embora muita gente torcesse o nariz, às ruas feias do bairro que já chegou a ser mais conhecido na Itália que a própria São Paulo. Hoje o Brás perdeu um pouco do encanto e o título de ‘berço’ italiano acabou ficando para a Mooca, entre os menos entendidos. Para o Brás, sobrou a fama de sujo, feio, perigoso e casa de um Arnesto meio esquecido.
Por isso, nem me abalei quando meu então namorado sugeriu que almoçássemos num lugar que de longe tinha aparência meio duvidosa.No Brás tudo tem esse quê de capenga. Mas Castelões foi um engano nesse sentido. Ao chegar perto você percebe que sim, está diante de um lugar raro. A placa é de 1924 e não é mentirosa. O restaurante existe lá desde então. Trata-se do local mais antigo funcionando ininterruptamente n…

Das esperanças

Hoje consegui parar em frente ao computador e com um pouquinho de tempo para responder às suas angustiantes letras. Hoje, esperando que você esteja melhor, parei para te escrever que, sim, acredito no amor. Com o tempo, os tombos, os tropeços e as cravadas na saída (qual ginasta olímpica), com as fichas caídas, os choros copiosos e soluçados para os meus travesseiros... Passado tudo isso, posso dizer que, mesmo que mais 200 relacionamentos meu acabem daqui para frente, sim, acredito no amor. Aprendi que o amor não acaba, ele só muda de rosto. O amor é nosso, amiga. A gente entrega para quem estiver mais disposto, para quem estiver atento no lance, para quem se encaixar com a gente. Por enquanto é essa neblina, esse tempo turvo, que parece que não vai desanuviar nunca, mas ó. Vai passar. E te diria isso mesmo sem estar em um relacionamento. Te diria isso numa manhã de fevereiro, antes e depois do carnaval, quando eu ainda nem  o conhecia. Diria isso mesmo depois de ter perdido um ou…

Prece de inverno

Minha mãe diz que arrumar a cama todo dia faz a gente ficar protegido. Confesso que nem sempre lembro. Às vezes é escolher entre a cama, lavar a louça do café ou assistir um pouco de tevê. A coberta meio embolada, o pijama jogado no canto, travesseiro caído no chão. Hoje numa calçada encontrei um morador em situação de rua arrumando a dele. Confesso que nem sempre reparo neles. Às vezes é a pressa, noutras estou resolvendo alguma coisa na tela, em algumas estou de olho nas vitrines. Eu meio distraída, desviando dos senhores, das senhoras e de suas casasmóveis. O homem arrumava a cama com tanto zelo que prendeu meu olhar. Confesso que uma partezinha de mim pensou para que tanto cuidado em arrumar algo que qualquer um podia bagunçar. Vi sua mão colocando a coberta azul bem certinha embaixo do colchão fininho, dobrando bonito perto do travesseiro, passando a mão por cima para tirar toda ruga. Eu pensando que aquela cama era toda a sua casa, tanto esmero que valia.
Desejei aquele cuid…