Pular para o conteúdo principal

Comadre

Há um dia em que os sinais aparecem. Como um alerta. Pisca uma luzinha vermelha como se algo estivesse prestes a explodir na sua cabeça caso você não note o aviso. Um desses sinais me diz que estou envelhecendo.
Não há rugas, não tenho doenças que surgem com a velhice. Tenho apenas a incrível sensação de estar passando. Não há mais pique para fazer festa três dias seguidos. Algumas brincadeirinhas tornam-se inoportunas. Pago as próprias contas e pedir dinheiro em casa nem me passa pela cabeça, de tão ridículo. Venho me tornando amiga de pessoas mais velhas, casais, gente estável. Os papos são outros. As prioridades são outras.
Tudo isso são apenas pequenos sinais, melhores notados depois que um pisca-alerta mor me surgiu nas últimas semanas. Uma das minhas melhores amigas anunciou que vai casar. De repente, os amigos não mais ficam e namoram. Não se queixam de briguinhas, não estão à caça de alguém. Eles estão colocando alianças douradas nos dedos, planejando uma vida em comum e escolhendo móveis.
Ora, o casamento não é algo tão dramático assim. Todo mundo casa, é a lógica natural da vida. Não a da minha vida, mas isso é outro post. Casamento é um evento super corriqueiro, já fui a dezenas. É claro que a festa dispendiosa, o tom profético do padre e o vestido escalafobético da noiva, varrendo tudo com seus cinco quilos de pano branco, imprimem mais grandiosidade ao esquema. Mas, em geral, não me abalo. A não ser com a típica leitura de Coríntios, que faz meus olhos marejarem.
Tudo muda de figura quando a futura noiva fez parte da sua história. E demora um tempo para a ficha cair que aquela garota cujas histórias de adolescência se mesclam com as minhas memórias está prestes a ser uma senhora casada, com sua própria casa e sua própria família. Isso muda muita coisa. Até então, como eu, ela apenas era integrante de uma.
Aquela mesma menina que bebeu um garrafão de vinho comigo, enquanto uma terceira amiga beijava outro alguém lá fora, e depois de sorver os cinco litros tentou jogar uma partida de baralho, mesmo sem que a gente conseguisse diferenciar o copas do ouro. Ou aquela que me acompanhou ensimesmada para o velório de um parente de uma amiga nossa e, a uma quadra da capela, dividiu comigo um insuportável ataque de riso, que nos fez ficar paradas por horas até as gargalhadas de nervosismo terem fim.
A mesma menina a quem um dia perguntei se iria casar e, namorando pela segunda vez, disse que sentia que se iria se casar com o terceiro. O terceiro chegou. E esperará minha amiga no altar. E eu serei uma das que antecipará sua chegada. Com lágrimas nos olhos, talvez, antes mesmo da leitura do Coríntios. Pela alegria de constatar alegria da vida nova em um pedaço de partida, porque casar é sempre partir. E no partir sempre reside um bocadinho de tristeza e de saudade.

Comentários

Tiozaum disse…
Eu conheço essa sensação... dá uma tristeza ehehe
Mauricio Toczek disse…
Também conheço essa sensação. Uma parente minha que praticamente cresceu junto comigo tbm vai casar em janeiro. Tá, vai demorar ainda, mas mesmo assim é parecido. :)

Abrações

gingfinv
Klaus disse…
Bom, a única amiga que vi casar não era tão amiga assim, então dei até graças! Mas sobre a sensação de estar envelhecendo, tenha em mim um compartilhador desse mal. Na verdade sempre o teremos, mas parece que fomos acometidos pela crise dos 25, ou dos 24, 23... Basta olhar pra quem tem 30 e ver como somos jovens ainda, jovens ainda, e um dia velhos seremos, velhos seremos (como diria o Chaves)...hahahaha Como diria o poeta: você sempre estará subindo, então não olhe para baixo.
Tati, mto obrigada por ligar o meu pisca-alerta! humpf!
(lindo, pra variar!)
A.V. disse…
Lindo, como sempre...
Mas depois você descobre que as pessoas não partem porque se casam... Elas permanecem lá, bem perto, querendo trocar as mesmas confissões da adolescência, compartilhar alegrias e histórias... Elas criam famílias, mas continuam tão nossas...
A minha já está ficando beeem grande, mas os laços que eu atei pela vida nunca vou poder desfazer. Você já é um deles, uma amiga querida que me faz aprender e amadurecer sempre. Beijooo.
Vanessa disse…
Oi, amor!
Faz tempo que li, mas não tinha comentado!
Nossa, não achei que isso tivesse te tocado tanto!
:)
Mas ainda não sei qdo vai ser mesmo o casório então... o convite fica em haver!
Hehehe.
Amo vc!
Beijos.
Michele Matos disse…
Eu não estou preparada pra ver uma amiga casar não, posso entrar em parafusos mesmo.
Mas deve ser emocionante, ver a amiga casar...ah, e casar tbem deve ser emocionante...hauhauahua
Vivi disse…
Nossaaaa...Tati vc me surpreende e emociona mtoooo!!! Achei lindoooooo o q vc escreveu!!!! Parabéns mesmooo...e q coisa a nossa amiga casandoooo, sinto a mesma sensação q vc!!!! Bjossss
.lucas disse…
me manda um email, quero te chamar pra um blog coletivo. bjs. lucaspguedes@hotmail.com

Postagens mais visitadas deste blog

O reinado dos Castelões

Existem lugares que são verdadeiros achados, residindo insuspeitos no meio do caminho. Castelões é um deles. Num domingo quente e sem planos, topei com ele em uma rua deserta do Brás, onde morei por um ano e meio. Nesse tempo, acostumei-me, embora muita gente torcesse o nariz, às ruas feias do bairro que já chegou a ser mais conhecido na Itália que a própria São Paulo. Hoje o Brás perdeu um pouco do encanto e o título de ‘berço’ italiano acabou ficando para a Mooca, entre os menos entendidos. Para o Brás, sobrou a fama de sujo, feio, perigoso e casa de um Arnesto meio esquecido.
Por isso, nem me abalei quando meu então namorado sugeriu que almoçássemos num lugar que de longe tinha aparência meio duvidosa.No Brás tudo tem esse quê de capenga. Mas Castelões foi um engano nesse sentido. Ao chegar perto você percebe que sim, está diante de um lugar raro. A placa é de 1924 e não é mentirosa. O restaurante existe lá desde então. Trata-se do local mais antigo funcionando ininterruptamente n…

Das esperanças

Hoje consegui parar em frente ao computador e com um pouquinho de tempo para responder às suas angustiantes letras. Hoje, esperando que você esteja melhor, parei para te escrever que, sim, acredito no amor. Com o tempo, os tombos, os tropeços e as cravadas na saída (qual ginasta olímpica), com as fichas caídas, os choros copiosos e soluçados para os meus travesseiros... Passado tudo isso, posso dizer que, mesmo que mais 200 relacionamentos meu acabem daqui para frente, sim, acredito no amor. Aprendi que o amor não acaba, ele só muda de rosto. O amor é nosso, amiga. A gente entrega para quem estiver mais disposto, para quem estiver atento no lance, para quem se encaixar com a gente. Por enquanto é essa neblina, esse tempo turvo, que parece que não vai desanuviar nunca, mas ó. Vai passar. E te diria isso mesmo sem estar em um relacionamento. Te diria isso numa manhã de fevereiro, antes e depois do carnaval, quando eu ainda nem  o conhecia. Diria isso mesmo depois de ter perdido um ou…

Prece de inverno

Minha mãe diz que arrumar a cama todo dia faz a gente ficar protegido. Confesso que nem sempre lembro. Às vezes é escolher entre a cama, lavar a louça do café ou assistir um pouco de tevê. A coberta meio embolada, o pijama jogado no canto, travesseiro caído no chão. Hoje numa calçada encontrei um morador em situação de rua arrumando a dele. Confesso que nem sempre reparo neles. Às vezes é a pressa, noutras estou resolvendo alguma coisa na tela, em algumas estou de olho nas vitrines. Eu meio distraída, desviando dos senhores, das senhoras e de suas casasmóveis. O homem arrumava a cama com tanto zelo que prendeu meu olhar. Confesso que uma partezinha de mim pensou para que tanto cuidado em arrumar algo que qualquer um podia bagunçar. Vi sua mão colocando a coberta azul bem certinha embaixo do colchão fininho, dobrando bonito perto do travesseiro, passando a mão por cima para tirar toda ruga. Eu pensando que aquela cama era toda a sua casa, tanto esmero que valia.
Desejei aquele cuid…