Pular para o conteúdo principal

Três fatos

Hoje me ocorreram três fatos que, isoladamente, talvez não valham um devaneio antes de pegar no sono. Juntos eles me renderam certas divagações. Mas não quero atribuir-lhes sentido de começo, meio e fim. Não acredito no misticismo do número 3 nem acho que um acontecimento a mais quebraria a corrente. A descrição não segue a ordem cronológica, da mesma maneira como eu os percebi e os retomo agora, final da noite.

No início da noite, encontrei um velho amigo no supermercado. Em seis anos de amizade, sou capaz de bater os olhos nele e perceber que algo lhe aflige. Hoje foi exatamente assim. O sorriso franco do dia-a-dia dava lugar a uma expressão cansada de quem tudo já viveu e com pouco se contentou. Conversamos por um tempo e ele resumiu as dores na vontade de que algo bom lhe caísse dos céus.
Disse a ele que tudo ia passar. Olhei ao nosso redor tentando encontrar mais um argumento para mostrar-lhe que a vida tinha um quê de belo. Vi as pessoas encasacadas, comprando seus pães e leites como se estivessem no piloto automático, desenrolando mais um pouco do novelo da rotina, para dar cabo a um cachecol de lã. Não havia ali espaço para riso ou brincadeiras. E constatei que a tristeza do meu amigo era somente reflexo do ambiente.
- Liga não. É culpa desse tempo feio que está lá fora – disse eu, tentando consolá-lo.
- Acho que as pessoas deixam para descarregar suas frustrações em dias nublados como o de hoje.
- Sim. Olha, estou indo. E lembre-se. O sol vai sair - sorri, abraçando meu amigo de horas diversas, sem saber como alegrá-lo.

Lembrei que, naquele dia, no meio da manhã, eu esperava uma entrevistada no meio da rua. A mulher demorava e eu fiquei ao lado de uma senhora que trabalhava entregando panfletos de orientação sobre saúde. Como não nos conhecíamos, mas precisávamos dividir, forçosamente, aquele mesmo espaço, o silêncio se tornava constrangedor. Puxei, então, o assunto de sempre:
- E esse frio?
- Nem fale. O pior é que quando o tempo fecha, as pessoas também se fecham. Ninguém cumprimenta, ninguém faz questão de ser simpático. No frio, as pessoas ficam frias.
Olhei para ela com ar de espanto, como se ela tivesse acabado de descobrir a roda. Uma mulher simples, que tremia de frio e não ligava para as recusas dos passantes. Não insistia para que pegassem os papéis. Esperava tão somente dar o horário de ir para casa, almoçar, voltar, passar a noite, voltar, ir para a casa, almoçar, voltar, ir para casa...
A mulher voltou para seus panfletos e eu me perdi nas divagações, lembrando de quando li “O Quinze”, da Rachel de Queiroz. De tantos livros que se passam na agonia da seca, aquele me despertou o óbvio. “Na seca, as pessoas secam por dentro”, falei eu em voz alta, quando terminei o livro.
Na seca, no frio. A tendência é se fechar, secar a fonte dos sentimentos, murchar, como murchava o sorriso de Fernando... Era como se eu tivesse encontrado uma chave.

Fechei a porta da minha casa de manhã cedo e corri para o andar debaixo, a fim de não me atrasar para o encontro que havia marcado. Na hora combinada, bati à porta, mas ninguém me atendeu. Recebi a mensagem: Saindo do banho. Percebi que eu ficaria ali ainda por um tempo, então, sentei na escada e aguardei. Puxei um livrinho do Fernando Pessoa e reli sua Tabacaria.

Não sou nada.
Nunca serei nada.
Não posso querer ser nada.
À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo.(...)


Nunca percebi como o prédio é tão movimentado. Na correria do dia-a-dia, não encontro ninguém. Em dez minutos parada, vizinhos e mais vizinhos passaram, cumprimentando-me na escada. E nada de me abrirem a porta...

(...) Serei sempre o que não nasceu para isso;
Serei sempre só o que tinha qualidades;
Serei sempre o que esperou que lhe abrissem a porta ao pé de uma parede sem porta (...)


- Ué, o que aconteceu?
Um dos meus vizinhos de porta, o do lado esquerdo, fitava-me da escada.
- Nada, respondi, tirando os olhos do livro e encarando-o.
- O que está fazendo aí sentada? – perguntou-me.
- Estou esperando. Esperando que me abram a porta.
- Ah, bom. Achei que estava sem chave.
- De certa forma, estou – respondi, mas ele não me ouviu.

Comentários

Tiozaum disse…
Muito bonito e tocante o texto. Gostei mto!
Neste texto vc foi uma ótima costureira dos retalhos da vida :)
Aquele trecho que vc fala que as pessoas estão "no piloto automático", lembrei daquela teoria de que as pessoas são como as formigas que se trombam e continuam seu percurso, carregando fardos maiores que elas. Pessoas passam e repassam. Poucas percebem.
Ando meio ausente da vida bloguística ultimamente, perdi vários textos seus. Vou tentar "colcoar em dia" a leitura. hehe.
Jepre disse…
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Michele Matos disse…
É verdade, pura verdade. Eu fico fria no frio. Preciso sair do piloto automático.
Pronto, saí. Vou viver agora.
Vanessa disse…
Tati, cada vez te admiro mais. Amo vc.
Marcela Paiva disse…
1- Gostei muito disso: Olhei ao nosso redor tentando encontrar mais um argumento para mostrar-lhe que a vida tinha um quê de belo.

2- Acho que as pessoas do supermercado ainda não descobriram o bolo de fubã cremoso no setor da padaria.

3- Quando acho que o inverno é ruim, eu lembro que é nele que tem mexerica. e eu adoro mexericas.

4- eu sempre pego os folhetos.
Não Enviadas disse…
Sincronicidade. Tem acontecido muito comigo. Acho que acontece com todo mundo, mas só uns poucos têm o dom de notar.
;)

Bjos Tati!

CamilaRufine
Porra Tatiana, eu vim executar um assalto e parei pra ler esse texto. Que isso ! muito bonito mesmo, de verdade menina, tudo. O jeito que você enxergou, associou e descreveu. Por um momento pensei em te poupar, mas como você mesmo disse a culpa é do ambiente, a vida é dura. Sendo assim me passa o msn ! meu email é dusantinon@gmail.com. Não tô de brincadeira não hein !...
Perdão Tatiana ! esse email é o meu email, mas não o do msn. É que eu achei que você ia mandar o seu pra mim por email, achei e guardei pra mim né pois não te expliquei isso. O do msn é eduardosantinon@uol.com.br, desculpe o transtorno senhora vítima.
Juliana Cruz disse…
eu gosto de números ímpares...
Mirtes disse…
Excelente!!! não precisa dizer mais nada...

Bjs
Híndira disse…
Prosaico e ao mesmo tempo rico, porque as divagações descritas vão recheando todos os fatos que você descreve.
"O sertão está em nós." Frase na qual sou apegada e na qual pensei enquanto te lia.
Cleyton disse…
1 - Bom dia!
2 - Já mandou esta crônica pro jornal?
3 - Já me roubou com este texto.
4 - Quero voltar mais vezes, prometo deixar o allstar no tapete.
5 - Viciei.
6 - Beijo.
Klaus disse…
O cotidiano eh tao rico em historias, mas sao poucas as que valem ser contadas e menos ainda as que sao pescadas pelos viventes-escritores... Sobre o frio, conclui algo parecido quando vivi em Ponta Grossa e descobri porque as pessoas do hemisferio norte sao tao ensimesmadas! De resto, mais um texto gostoso de apreciar com admiracao!

Postagens mais visitadas deste blog

Das esperanças

Hoje consegui parar em frente ao computador e com um pouquinho de tempo para responder às suas angustiantes letras. Hoje, esperando que você esteja melhor, parei para te escrever que, sim, acredito no amor. Com o tempo, os tombos, os tropeços e as cravadas na saída (qual ginasta olímpica), com as fichas caídas, os choros copiosos e soluçados para os meus travesseiros... Passado tudo isso, posso dizer que, mesmo que mais 200 relacionamentos meu acabem daqui para frente, sim, acredito no amor. Aprendi que o amor não acaba, ele só muda de rosto. O amor é nosso, amiga. A gente entrega para quem estiver mais disposto, para quem estiver atento no lance, para quem se encaixar com a gente. Por enquanto é essa neblina, esse tempo turvo, que parece que não vai desanuviar nunca, mas ó. Vai passar. E te diria isso mesmo sem estar em um relacionamento. Te diria isso numa manhã de fevereiro, antes e depois do carnaval, quando eu ainda nem  o conhecia. Diria isso mesmo depois de ter perdido um ou…

O reinado dos Castelões

Existem lugares que são verdadeiros achados, residindo insuspeitos no meio do caminho. Castelões é um deles. Num domingo quente e sem planos, topei com ele em uma rua deserta do Brás, onde morei por um ano e meio. Nesse tempo, acostumei-me, embora muita gente torcesse o nariz, às ruas feias do bairro que já chegou a ser mais conhecido na Itália que a própria São Paulo. Hoje o Brás perdeu um pouco do encanto e o título de ‘berço’ italiano acabou ficando para a Mooca, entre os menos entendidos. Para o Brás, sobrou a fama de sujo, feio, perigoso e casa de um Arnesto meio esquecido.
Por isso, nem me abalei quando meu então namorado sugeriu que almoçássemos num lugar que de longe tinha aparência meio duvidosa.No Brás tudo tem esse quê de capenga. Mas Castelões foi um engano nesse sentido. Ao chegar perto você percebe que sim, está diante de um lugar raro. A placa é de 1924 e não é mentirosa. O restaurante existe lá desde então. Trata-se do local mais antigo funcionando ininterruptamente n…

Prece de inverno

Minha mãe diz que arrumar a cama todo dia faz a gente ficar protegido. Confesso que nem sempre lembro. Às vezes é escolher entre a cama, lavar a louça do café ou assistir um pouco de tevê. A coberta meio embolada, o pijama jogado no canto, travesseiro caído no chão. Hoje numa calçada encontrei um morador em situação de rua arrumando a dele. Confesso que nem sempre reparo neles. Às vezes é a pressa, noutras estou resolvendo alguma coisa na tela, em algumas estou de olho nas vitrines. Eu meio distraída, desviando dos senhores, das senhoras e de suas casasmóveis. O homem arrumava a cama com tanto zelo que prendeu meu olhar. Confesso que uma partezinha de mim pensou para que tanto cuidado em arrumar algo que qualquer um podia bagunçar. Vi sua mão colocando a coberta azul bem certinha embaixo do colchão fininho, dobrando bonito perto do travesseiro, passando a mão por cima para tirar toda ruga. Eu pensando que aquela cama era toda a sua casa, tanto esmero que valia.
Desejei aquele cuid…