Pular para o conteúdo principal

Expectadora do Teatro

Ansiosa,cheguei cedo. Gosto de ir em shows porque a mágica da música sendo executada me fascina. Gosto ainda mais porque me sinto expectadora de um espetáculo sendo concebido diante de mim, uma privilegiada, bem como aqueles ao redor de mim.

Dessa vez, entretanto, a mágica estava toda ali, bem maior que minha concepção de show. A mágica estava no nome, nas danças, nos gestos, nas rimas, no fogo, nas acrobacias. Magicamente, tudo se orquestrou, tudo se encadeou como se fosse necessário acontecer daquele jeito, ato após ato.

Não é necessário ter tanto conhecimento prévio de O Teatro Mágico para gostar do show. Bem, pelo menos foi isso que eu vi quando olhava para trás e me deparava com olhos brilhantes, tentando encontrar uma lógica para que aquilo pudesse despertar tal nível de fascínio.

Como disse uma das amigas que encontrei no final, um encontro de gente sensível. Ou, como anunciou o próprio Fernando Anitelli, gente rara. O Entrada para Raros era o primeiro disco, mas o segundo, O Segundo Ato, me trouxe um misto de cor, som, poesia e arte que foi impossível escapar dele.

Assim como foi difícil não se derreter ao ouvir a prece musicada de todo esse projeto musical. Ouvir a prosa presa à poesia, a reunião de mosaicos, trazidos de lugares distantes, mas que você, mesmo sem nunca ter visto antes, sabe que tem um significado forte e um tanto sensível.

A cantiga do peixe que eu cantei na infância cantei de novo. Ela saiu fácil, porque dessas coisas a gente não esquece. Meus olhos fitavam sem descanso a dança da menina e do menino que bailavam, sincronizados, coreografados, perfeitos, nas tiras de pano e no balanço da acrobacia. Eu ali parecia mesmo retomar o olhar da garota que fui um dia, que sentia medo pelos outros praticarem números arriscados. Nesse belo show me senti a criança que assiste ao espetáculo do circo. Que se emociona com a poesia, que canta os versos como se fosse uma oração. Os olhos nos quais estava refletido o fogo cuspido no palco se fecharam em certos momentos, mas logo depois se abriam para não perder um minuto daquilo tudo.

Há dois anos uma amiga me fez conhecê-los, dizendo que ao se despedir (de mim e de outros) sobraria tanta falta. Sobrou a falta dela, justamente por isso, no show, assim como da própria música. Mas a minha preferida foi cantada no final, quando a plateia sentia o desconforto diante do que está chegando ao fim. Nesse momento Fernando cantou o prato do dia, deixando o meu próprio dia, minha noite, o show estudpendo mais feliz.

Mostrando que seu projeto não é feito só de música, interpretação e lucro, mas se sustenta em convicções, em vontade de fazer diferente, democratizando e sensibilizando. Até pilares familiares tem. A vontade e a arte desse artista Fernando Anitelli foram os grandes diferenciais desse show e da minha imagem do Teatro daqui para frente..

E ao encontrar meu mais novo ídolo, não tive tempo de mais nada a não ser abraçá-lo e posar para a foto, entre cotovelos e gritos de gente que queria o mesmo.

Não tive tempo de dizer tudo isso a ele. Não tive tempo de agradecer pelo espetáculo. Pena.



Teatro Magico - Pena

Comentários

Michele Matos disse…
Eu ficava observando o fascínio das pessoas tbem e pensava: isso é tudo que Guarapuava precisa!
Foi uma das coisas mais lindas que já vi na vida...Não sei quais foram as outras coisas lindas que vi...
bju tatica...
Muito bom!
Diangela disse…
Pô, Tati!!!!
Vai se ferrar com esse texto, agora fiquei inconsolavelmente arrependida de não ter ido ;/ Mas fica pra setembro então? haha ;~~
Não Enviadas disse…
Eu ainda estou de cara porque não fui. Eles são demais... curto há quase 3 anos.
Sinto inveja de você...
;)

Bjos
Juliana Cruz disse…
so gosto de teatro magico qdo vejo o show. nao acho as musicas legais pra se ouvir em casa ou no mp3...sei la.são cançoes muito visuais. pra ser sincera, nao tenho mais pique de encarar as filas, mas as apresentqações são super fofas mesmo.
Neto disse…
eu ainda nao os conheco, nao ouvi musicas, mas fiquei com vontade d ir no show pelo seu texto ;)
Klaus disse…
Também não conhecia esse famoso teatro. Mas foi a magia do prato do dia deste blog mágico que acrescentou mais essa poesia à minha companhia! Bom, fazer rimas é com eles, mas tentei fazer como arroz e feijão: uma combinação, mesmo que não tão perfeita...
Tati, faz mais ou menos um mês que fui 'apresentada' a eles, e aaaamo! e em setembro to aih, pra assistir. e pra ver o lançamento do livro do rogerio, meu amigo!
;)
feliz!
Dai disse…
O dia q vc lançar o seu livro serei a primeira a comprar...

Vc escreve perfeitamente bem, com emoção...lindo demais ler tudo q vc escreve...

Vidas transcritas

Postagens mais visitadas deste blog

O reinado dos Castelões

Existem lugares que são verdadeiros achados, residindo insuspeitos no meio do caminho. Castelões é um deles. Num domingo quente e sem planos, topei com ele em uma rua deserta do Brás, onde morei por um ano e meio. Nesse tempo, acostumei-me, embora muita gente torcesse o nariz, às ruas feias do bairro que já chegou a ser mais conhecido na Itália que a própria São Paulo. Hoje o Brás perdeu um pouco do encanto e o título de ‘berço’ italiano acabou ficando para a Mooca, entre os menos entendidos. Para o Brás, sobrou a fama de sujo, feio, perigoso e casa de um Arnesto meio esquecido.
Por isso, nem me abalei quando meu então namorado sugeriu que almoçássemos num lugar que de longe tinha aparência meio duvidosa.No Brás tudo tem esse quê de capenga. Mas Castelões foi um engano nesse sentido. Ao chegar perto você percebe que sim, está diante de um lugar raro. A placa é de 1924 e não é mentirosa. O restaurante existe lá desde então. Trata-se do local mais antigo funcionando ininterruptamente n…

Das esperanças

Hoje consegui parar em frente ao computador e com um pouquinho de tempo para responder às suas angustiantes letras. Hoje, esperando que você esteja melhor, parei para te escrever que, sim, acredito no amor. Com o tempo, os tombos, os tropeços e as cravadas na saída (qual ginasta olímpica), com as fichas caídas, os choros copiosos e soluçados para os meus travesseiros... Passado tudo isso, posso dizer que, mesmo que mais 200 relacionamentos meu acabem daqui para frente, sim, acredito no amor. Aprendi que o amor não acaba, ele só muda de rosto. O amor é nosso, amiga. A gente entrega para quem estiver mais disposto, para quem estiver atento no lance, para quem se encaixar com a gente. Por enquanto é essa neblina, esse tempo turvo, que parece que não vai desanuviar nunca, mas ó. Vai passar. E te diria isso mesmo sem estar em um relacionamento. Te diria isso numa manhã de fevereiro, antes e depois do carnaval, quando eu ainda nem  o conhecia. Diria isso mesmo depois de ter perdido um ou…

Prece de inverno

Minha mãe diz que arrumar a cama todo dia faz a gente ficar protegido. Confesso que nem sempre lembro. Às vezes é escolher entre a cama, lavar a louça do café ou assistir um pouco de tevê. A coberta meio embolada, o pijama jogado no canto, travesseiro caído no chão. Hoje numa calçada encontrei um morador em situação de rua arrumando a dele. Confesso que nem sempre reparo neles. Às vezes é a pressa, noutras estou resolvendo alguma coisa na tela, em algumas estou de olho nas vitrines. Eu meio distraída, desviando dos senhores, das senhoras e de suas casasmóveis. O homem arrumava a cama com tanto zelo que prendeu meu olhar. Confesso que uma partezinha de mim pensou para que tanto cuidado em arrumar algo que qualquer um podia bagunçar. Vi sua mão colocando a coberta azul bem certinha embaixo do colchão fininho, dobrando bonito perto do travesseiro, passando a mão por cima para tirar toda ruga. Eu pensando que aquela cama era toda a sua casa, tanto esmero que valia.
Desejei aquele cuid…