Pular para o conteúdo principal

Hermenegilda

Entre as muitas coisas que me acompanham desde que me entendo por gente, uma é Hermenegilda. Não sei ao certo por que ela surgiu, mas segundo a lenda familiar foi quando eu tinha uns dois anos. Minha mãe conta que eu ia participar de um concurso de Boneca Viva (uma espécie de competição de miss infantil) e minha madrinha resolveu me fazer uma pintinha na bochecha com lápis de olho. O local inflamou depois disso e nasceu uma ferida.
A tal me acompanha desde então e aparece periodicamente, em intervalos de seis meses, aproximadamente. Bem criança minha mãe achava que era mordida de aranha e mandou detetizar a casa. Só adolescente fui descobrir que se tratava de uma herpes. “Mas herpes na bochecha?”, todos me perguntam. Realmente, não deveria existir. Contudo ela está lá, coçando, despontando e inchando minha bochecha de tempos em tempos.
Um dia resolvi dar-lhe o nome de Hermenegilda, porque, como ela fazia parte de mim, deveria ter um nome. Hermenegilda gosta de viajar e quase sempre aparece nas minhas viagens de férias. Lembro que quando era pequena, minha família tentava achar uma lógica para seu aparecimento. “Acho que é o sol forte”, minha mãe arriscava. E lá ia a Tatiana para cima e para baixo lambuzada de protetor solar e com chapéu cata-ovo ridículo. Aí Hermenegilda surpreendia e vinha no inverno. “Deve ser falta de vitamina”, palpitava meu pai. E lá ia a Tatiana enfiando uma cápsula diária de vitamina C goela abaixo. Como Gilda gostava muito de mim, surgia sempre, desafiando qualquer lógica. Com o tempo, aprendi que ela vem quando a imunidade está baixa, quando não me alimento bem, estou muito cansada, ou quando me estresso demais. Ou seja, não demora muito e quando estou prestes a esquecê-la a coceira característica surge. Aí sinto uma leve ardência, a sensação de que vários bichinhos estão correndo por dentro da minha bochecha e Hermenegilda explode.
Quando ainda estudava no colégio, a herpes apareceu e minha mãe achou melhor eu ficar em casa. Mandou-me ir ao posto de saúde pegar um atestado. Na fila de espera, uma mulher que também aguardava me encarava longamente, até que tomou coragem e veio falar comigo. “Tadinha, você apanhou do seu marido?”. Eu devia estar meio inchada, mas o comentário acabou com minha autoestima. O médico me deu atestado de três dias, mas chutei o balde e faltei mais de uma semana.
Pessoas que têm doenças recorrentes costumam se identificar com outras que sofrem do mesmo mal. Ao invés de se saudarem em silêncio, elas compartilham receitas caseiras, remédios, soluções mirabolantes para disseminar o conhecimento popular e acabar com o que lhes aflige. Eu já fiz parte do clã da amigdalite, mas desse mal eu não sofro mais, depois da extração das amigdalas. Hoje divido com quem tem herpes minhas angústias:
- A sua coça?
- Coça.
- Você já tentou tomar remédio além de passar a pomada?
- Desse?
- É! Ei, você compra cartelas separadas?
- Não, só a caixinha.
-Já ouviu falar que peixe não é recomendado para quem tem herpes?
- Mentira?!
- Li em algum lugar.
Hermenegilda já significou para mim choro e vontade de morte. Hoje é apenas a sensação de que algo não vai bem e que preciso reavaliar certas coisas. Dormir mais, comer melhor, trabalhar menos, esse tipo de coisa. É apenas um ciclo, que em cinco dias - ou, na pior das hipóteses, sete – vai desaparecer, sem deixar vestígios. Quer dizer, sobra uma marca ou outra, principalmente por causa da minha ansiedade em tirar as casquinhas antes da hora. O fato é que Hermenegilda vai, mas volta.

Comentários

Neto disse…
é... tem coisas q viram parte da nossa vida msm =D
Klaus disse…
Conversa de comadre: "menina, sempre que me dá febre acordo com esse troço na boca! E não adianta, o médico diz: quando começar a coçar, toma o remédio que sara! Sara uma ova! E como vou tomar se à noite não pode tomar o remédio - diz na bula!? Quando começa a coçar tá na hora de desmarcar todos os compromissos sociais! Beijar na boca passa a ser coisa do passado e namorar pelado, só se for com aquela máscara dos argentinos (ou do Michael Jack.. ei, já sei do que o Rei do Pop morreu... herpes dá muito em crianças)! Não tem jeito, vai arder, vai machucar, mas só o tempo faz a herpes vazar! Ah, e essa de comer peixe nunca ouvi, e não acredito, só sei que tomar água de bebedouro de colégio e cutucar cravo de canto de boca com a unha por cortar dá merda!" hahaha Me identifiquei com o texto!
Tô com uma protubêrancia na bunda que espero que seja passageira, por isso não a nomeei. Na esperança da anônima sumir o quanto antes.
.lucas guedes disse…
você tá louca? seu blog é o primeiro da lista, inclusive!
Anônimo disse…
Seus textos estão cada vez melhores. Se eh que isso eh possivel! ;)
Michele Matos disse…
Huahauhauhauhauahuah
Ri muito, que dó de vc e do amigo ali com pretuberâncias na bunda...

Acho que a única doença que faz parte da minha vida é a alergia fora do normal, que deixa minha cara inchada...
Bju Tatica!
Professor Che disse…
Achei louca a maneira como vc transitou por esse assunto. Uma forma muito específica e ao mesmo tempo com um simbolismo que foge à razão. Estou até agora tentando entender algumas partes. Muito bom mesmo.
Bjs
Che
Maristela disse…
Pena q eu não sofro desse mal, poderia te indicar vários remédios, tratamentos, dietas, exames precisos e os médico mais competentes para o seu caso!!!
Hahaahahaha!!!!
Xico disse…
É interessante. Quando inexoravelmente precisamos conviver com algo, mesmo que não seja algo bom, torna-se uma espécie de distintivo. Aposto que se um dia Hermenegilda deixasse de aparecer vc ia acabar sentindo falta.


Abraço
Professor Che disse…
Obrigado pela visita retribuída. Ah, e obrigado também pela descoberta que fiz do Blog das 30 pessoas. Algo extremamente agradável e reflexível. Sim, sou Professor no Lobo. Já estudou lá?
Abraços
Che
Não Enviadas disse…
Eu não tenho herpes, acho. Mas se eu tivesse iria escolher um nome bem bonito igual você fez. ^^

=*'s, tati
Ahm, Tati... até de herpes um texto teu fica bom... fala sério!
E Hermenegilda era o nome de uma candidata a vereadora da eleição aí de Gorpa no meu segundo ano de faculdade... era mais ou menos assim... "Meu nome é Hermenegilda (aquela voz doída e parada de gente idosa), tenho 82 anos e quero ser sua representante na Câmara..."
E ela nem ganhou...
Camila Belini disse…
Se isso te conforta, tenho sardas. Eu gosto, mas a publicidade da década de quarenta diz que é um defeito de pele :/

Beijo Tati
Graci Polak disse…
To começando a pensar na possibilidade de minha pinta também ser uma da espécie da Hermegilda. Ela tem mudado de aspecto ultimamente. Será?

Acho que Genoveva é um bom nome para ela. Quem sabe...

Amei o texto, Tatislane!

Bjoo!
marina.nicoletti disse…
Tive uma antes das férias e agora tô com outra, 5 vezes maior, no mesmo lugar, ah... e também parece uma picada de aranha, sua mãe não foi muito errada de achar! me aparece uma pelo menos de 2 em 2 meses.. sua Hermegenilda ainda se comporta só comparecendo de 6 em 6! Mas, prefiro acreditar que tudo é motivo, seja o frio, o sol, a imunidade baixa, e tantas outras crendisses... ou, eu vivo absurdarmente mal!
Ronan disse…
Bom texto, é uma pena que eu não escuto os conselhos da minha namorada e menos ainda da minha mãe: "Use protetor solar menino!" Peguei três dias consecutivos de sol e resultado: estou no terceiro dia de herpes. Dessa vez é a maior e mais dolorida de todas, estourou na bochecha no lábio superior e no inferior. Estou em casa criando coragem para ir ao seminário de psicologia logo mais a noite. Considere este seu texto como um encorajador. É bom saber que não somos os únicos do mundo a ter os nervos da pela da boca completamente degradados ... enfim, não começarei a discursar o drama de ser mais um infectado, porém espero que um dia eu consiga evoluir o meu espírito até alcançar o estágio da aceitação.

Postagens mais visitadas deste blog

Das esperanças

Hoje consegui parar em frente ao computador e com um pouquinho de tempo para responder às suas angustiantes letras. Hoje, esperando que você esteja melhor, parei para te escrever que, sim, acredito no amor. Com o tempo, os tombos, os tropeços e as cravadas na saída (qual ginasta olímpica), com as fichas caídas, os choros copiosos e soluçados para os meus travesseiros... Passado tudo isso, posso dizer que, mesmo que mais 200 relacionamentos meu acabem daqui para frente, sim, acredito no amor. Aprendi que o amor não acaba, ele só muda de rosto. O amor é nosso, amiga. A gente entrega para quem estiver mais disposto, para quem estiver atento no lance, para quem se encaixar com a gente. Por enquanto é essa neblina, esse tempo turvo, que parece que não vai desanuviar nunca, mas ó. Vai passar. E te diria isso mesmo sem estar em um relacionamento. Te diria isso numa manhã de fevereiro, antes e depois do carnaval, quando eu ainda nem  o conhecia. Diria isso mesmo depois de ter perdido um ou…

O reinado dos Castelões

Existem lugares que são verdadeiros achados, residindo insuspeitos no meio do caminho. Castelões é um deles. Num domingo quente e sem planos, topei com ele em uma rua deserta do Brás, onde morei por um ano e meio. Nesse tempo, acostumei-me, embora muita gente torcesse o nariz, às ruas feias do bairro que já chegou a ser mais conhecido na Itália que a própria São Paulo. Hoje o Brás perdeu um pouco do encanto e o título de ‘berço’ italiano acabou ficando para a Mooca, entre os menos entendidos. Para o Brás, sobrou a fama de sujo, feio, perigoso e casa de um Arnesto meio esquecido.
Por isso, nem me abalei quando meu então namorado sugeriu que almoçássemos num lugar que de longe tinha aparência meio duvidosa.No Brás tudo tem esse quê de capenga. Mas Castelões foi um engano nesse sentido. Ao chegar perto você percebe que sim, está diante de um lugar raro. A placa é de 1924 e não é mentirosa. O restaurante existe lá desde então. Trata-se do local mais antigo funcionando ininterruptamente n…

Prece de inverno

Minha mãe diz que arrumar a cama todo dia faz a gente ficar protegido. Confesso que nem sempre lembro. Às vezes é escolher entre a cama, lavar a louça do café ou assistir um pouco de tevê. A coberta meio embolada, o pijama jogado no canto, travesseiro caído no chão. Hoje numa calçada encontrei um morador em situação de rua arrumando a dele. Confesso que nem sempre reparo neles. Às vezes é a pressa, noutras estou resolvendo alguma coisa na tela, em algumas estou de olho nas vitrines. Eu meio distraída, desviando dos senhores, das senhoras e de suas casasmóveis. O homem arrumava a cama com tanto zelo que prendeu meu olhar. Confesso que uma partezinha de mim pensou para que tanto cuidado em arrumar algo que qualquer um podia bagunçar. Vi sua mão colocando a coberta azul bem certinha embaixo do colchão fininho, dobrando bonito perto do travesseiro, passando a mão por cima para tirar toda ruga. Eu pensando que aquela cama era toda a sua casa, tanto esmero que valia.
Desejei aquele cuid…