Pular para o conteúdo principal

Sem digitais

Digamos que meu processo de habilitação no Detran se encontra na metade. Já comprovei a residência, já tirei a foto, já fiz o psicotécnico, aguentei 45 tortuosas horas de aulas teóricas (nas quais meu estado de espírito alternava entre a vontade de tomar cicuta e a ideia de quebrar o vidro e pular janela afora) e, finalmente, marquei meu teste teórico.
Como a primeira data disponível era uns 20 dias depois do fim das aulas e como no simulado eu fui, digamos assim, meio abaixo das expectativas, decidi dar uma revisada antes. Tá, eu estudei. Meu irmão diz que é feio dizer que estudou para a prova do Detran. Mas eu li a apostila e fiz até um resuminho, que li no ônibus, no caminho até a prova. (Papai ficaria orgulhoso).
Passei por cima das placas (passei o olhar em cima do conteúdo, não me joguei por cima das placas literalmente. Não quero ser reprovada antes de pegar o carro de aprendizagem!), porque confio na minha capacidade de percepção simbólica. Também passei reto a mecânica básica, porque eu nunca iria entender a diferença entre admissão, combustão e escape. E eu prefiro não saber minuciosamente como funciona a embreagem, porque sei que acharei complexo e na prática ia me dar um pânico de uma pane impedir a engrenagem de não funcionar diante do meu comando. De modo que existem coisas que devem apenas existir e exercer a respectiva função, sem maiores explicações.
Outra coisa que pulei foi a tabela de infrações, apenas dei uma olhada superficial nas gravíssimas, dicas da professora da autoescola, que costumava dizer que a prova era “moleza”. Como não ia decorar tudo, mentalizei apenas o que aconteceria com um condutor bêbado, porque calculei que essa seria uma típica questãozinha filhadumamãe que poderia me pegar.
Meu primeiro desafio não foi a prova, muito menos acertar os dois ônibus que eu deveria pegar para chegar ao destino. O surrealismo tatianístico começou na fila de entrada para o teste. Não sei o que o sistema de identificação de digitais tem contra mim, mas nunca dá certo. Apertei meu polegar umas 14 vezes, o indicador mais umas 11, o dedo médio umas 5. A tiazinha já havia perdido a paciência e decidiu dar prosseguimento à fila, mesmo parecendo transparecer que entre mim e uma golpista não havia diferenças. Na certa eu devia estar fazendo a prova no lugar de alguém, era o que seus olhos fuzilantes pareciam me dizer.
Dentro da sala, a responsável por aplicar o teste quebrou o silêncio estarrecedor dos candidatos com uma chamadinha. Opa, apenas 4 nomes. E o meu estava lá! Ao final, ela, que havia dito os nomes com um sorrisinho, fechou a cara e disse: essas pessoas devem comparecer ao balcão ao final do exame porque ficaram sem digitais. Pronto, a suspeita foi readubada.
Peguei a prova com a calma de um monge budista e depois do preenchimento das formalidades, comecei a ler. Primeira questão: “Conduzir um carro que emite gases em não conformidade com o que exige o Contran é uma infração que gera...”. Respirei. Segunda questão: “Um condutor que dirige transporte remunerado sem ser habilitado para isso é uma infração que acarreta...”. Pensei em como seria bom ter uma bombinha de asmáticos nesse momento. Terceira questão: “Transitar danificando vias e blá blá blá é caracterizado como uma infração cuja penalidade é...”. Pânico na torre. Calma, criatura, pensei. Vê uma que você sabe para alimentar sua autoconfiança.
A primeira questão cuja resposta eu tinha certeza, sem titubear, era mais ou menos a 12ª e perguntava o significado do sinal verde do semáforo. Em algumas eu não conseguia descartar nenhuma resposta, porque qualquer uma parecia ser uma verdade. O problema era saber qual era a verdade maior. Confesso, brinquei de minha mãe mandou algumas vezes. Tremi tanto que tive medo de preencher errado o gabarito, uma retardadice mental, depois que a responsável por aplicar a prova explicou que tem que colocar “a letrinha bem grafadinha dentro do quadradinho sem forçar a canetinha e sem sobrar perninha”. Pedagoga, não precisava nem perguntar para saber.
Terminei a prova nos 50 minutos máximos para o feito e me dirigi ao balcão. Encontrei um colega de aulas teóricas que também não tinha digitais. Ele, inteligente, dava para notar pelas aulas, achou a prova difícil e foi logo querendo conferir de cabeça se nossas respostas batiam. “Ah”, disse ele. “Aquela da placa era fácil. Curva acentuada à direita, né? Mole.” Faltou-me o ar. Todas as minhas respostas das placas tinha certeza que estavam corretas e nenhuma era parecida com sinal de curva. Antes de me entregar ao infarto, concluímos que as provas eram diferentes.
No balcão, meu dedo passou no fim, bem no fim, das contas e eu fui pegar o ônibus. O terceiro cara sem digitais me seguiu e me abordou no ponto. “É a primeira vez que você faz o teste?”. “Sim”, respondi eu, simpática. “Poxa, essa já é a quarta vez que eu venho fazer”. Acho que ele notou que me escorreu uma lágrima diante da sua revelação.
Nas longas 24h depois do teste até o resultado quase coloquei um ovo de preocupação. Angústia que se resolveu com um simples telefonema:
- Oi, você pode me passar o resultado do teste teórico de ontem por telefone?
- Nome?
- Tatiana.
- C.L.? Passou.
- (AAAAAAAHHH, GAROTA. ARRÁ URRÚ) obrigada. (quantas será???????)
- Acertou 25 tá?
- (malditas infrações). Ah, ok.
- Viu. Espere oito dias e aí venha marcar as aulas práticas.

Em breve, cenas do próximo capítulo.

Comentários

Michele Matos disse…
Nossa, e pensar que meu medo era apenas conduzir um veículo. Eu nunca fiz Vestibular, não sei escolher alternativas, não vou fazer.
Parabéns Tati, se passou por essa, vai passar na prática.
Amém irmãos?
Amém.
Neto disse…
ahsuhsuahusa, eh massa essa fasinha de tirar carta
hehehe
mtas historias seeempree
bons estudos ai, se consegue hein, se eu tireiii
ashushuahsa
Juliana Cruz disse…
trabalhei no Detran aqui de SP. Menina....ta indo rápido a sua novela, viu? Bem posso dizer. hahahaha
Não Enviadas disse…
Tatiii!!
Vai dar tudo certo... Na hora do teste de rua, só cuidado não tentar dar partida com o carro engatado na terceira marcha.

;)

Beijo
Klaus disse…
Meeeeu Tati! Só imagino quando vierem as aulas práticas! Sabe a lágrima que rolou com o terceiro cara sem.. pfffff (riso reprimido) digitais? Eu soltei várias lágrimas por ele, mas não era por complacência! Muuuito divertido! Acho que foi a última vez que usará o seu polegar pra fazer a carteira... mas espero que eu esteja errado!hahaha
Boa sorte no restante do processo e cuidado, é bom saber o que acontece se dirigir danificando vias e blá-blá-blá!hahaha
Geraldo disse…
Passei por aqui e ri de rolar! E como rir é o melhor remédio, leia seu texto toda vez q Hermenegilda começar a coçar...quem sabe ela some! Grande abraço! GL
Siguilita disse…
bah..eu nao sei nem dirigir...
Graci Polak disse…
Acho que mais histórias virão, principalmente depois que a tal da carteira estiver em suas mãos, porque, como diz meu pai: "Carteira vc já tem. Agora só falta aprender a dirigir". Acontece.

Boa sorte, boa sorte. Talvez seja necessário, rsrs.

Bjooo!
va_nessals disse…
Mee, me matei rindo!
Hahahhahaa.

Postagens mais visitadas deste blog

O reinado dos Castelões

Existem lugares que são verdadeiros achados, residindo insuspeitos no meio do caminho. Castelões é um deles. Num domingo quente e sem planos, topei com ele em uma rua deserta do Brás, onde morei por um ano e meio. Nesse tempo, acostumei-me, embora muita gente torcesse o nariz, às ruas feias do bairro que já chegou a ser mais conhecido na Itália que a própria São Paulo. Hoje o Brás perdeu um pouco do encanto e o título de ‘berço’ italiano acabou ficando para a Mooca, entre os menos entendidos. Para o Brás, sobrou a fama de sujo, feio, perigoso e casa de um Arnesto meio esquecido.
Por isso, nem me abalei quando meu então namorado sugeriu que almoçássemos num lugar que de longe tinha aparência meio duvidosa.No Brás tudo tem esse quê de capenga. Mas Castelões foi um engano nesse sentido. Ao chegar perto você percebe que sim, está diante de um lugar raro. A placa é de 1924 e não é mentirosa. O restaurante existe lá desde então. Trata-se do local mais antigo funcionando ininterruptamente n…

Das esperanças

Hoje consegui parar em frente ao computador e com um pouquinho de tempo para responder às suas angustiantes letras. Hoje, esperando que você esteja melhor, parei para te escrever que, sim, acredito no amor. Com o tempo, os tombos, os tropeços e as cravadas na saída (qual ginasta olímpica), com as fichas caídas, os choros copiosos e soluçados para os meus travesseiros... Passado tudo isso, posso dizer que, mesmo que mais 200 relacionamentos meu acabem daqui para frente, sim, acredito no amor. Aprendi que o amor não acaba, ele só muda de rosto. O amor é nosso, amiga. A gente entrega para quem estiver mais disposto, para quem estiver atento no lance, para quem se encaixar com a gente. Por enquanto é essa neblina, esse tempo turvo, que parece que não vai desanuviar nunca, mas ó. Vai passar. E te diria isso mesmo sem estar em um relacionamento. Te diria isso numa manhã de fevereiro, antes e depois do carnaval, quando eu ainda nem  o conhecia. Diria isso mesmo depois de ter perdido um ou…

Prece de inverno

Minha mãe diz que arrumar a cama todo dia faz a gente ficar protegido. Confesso que nem sempre lembro. Às vezes é escolher entre a cama, lavar a louça do café ou assistir um pouco de tevê. A coberta meio embolada, o pijama jogado no canto, travesseiro caído no chão. Hoje numa calçada encontrei um morador em situação de rua arrumando a dele. Confesso que nem sempre reparo neles. Às vezes é a pressa, noutras estou resolvendo alguma coisa na tela, em algumas estou de olho nas vitrines. Eu meio distraída, desviando dos senhores, das senhoras e de suas casasmóveis. O homem arrumava a cama com tanto zelo que prendeu meu olhar. Confesso que uma partezinha de mim pensou para que tanto cuidado em arrumar algo que qualquer um podia bagunçar. Vi sua mão colocando a coberta azul bem certinha embaixo do colchão fininho, dobrando bonito perto do travesseiro, passando a mão por cima para tirar toda ruga. Eu pensando que aquela cama era toda a sua casa, tanto esmero que valia.
Desejei aquele cuid…