Pular para o conteúdo principal

Eu sou você ontem

Por muito tempo acreditei que essa história de que tem gente que “não nasceu pra isso” era a maior furada. Não botava fé em papinhos como “não sei escrever”, “cozinhar não é para mim”, “sou descoordenada para pintar”, porque sustentava de que tudo se conquista com treino. Treino e prática.
Isso até começarem minhas aulas práticas de direção. No mês que antecedou a primeira, a ansiedade da espera me consumia. “Vai estudando, minha filha”, recomendava meu pai. “Estudar como?” “Sei lá, vai olhando os motoristas, o que eles fazem”. Pobre papai. Mal sabe ele que eu refutei seus conselhos e nem sabia qual era o freio e qual era a embreagem na minha primeira aula.
Mas fiz uma pose tão convincente no começo que a mulher perguntou se eu realmente nunca tinha pegado um carro na vida. Depois do primeiro cruzamento, do primeiro sinal quase avançado (salve os pedais idênticos para o instrutor!), das apagadas seguidas do veículo (foram tantas que perdi as contas) ela retirou o que disse. Tadinha, levou tantos solavancos que, se não fosse o cinto, eu ia ter de aplicar meu aprendizado de primeiros socorros ali mesmo.
Já na primeira aula, voltei ao meu eu interior e refleti se eu estava disposta a continuar. “Tatiana, existem pessoas que não nasceram para dirigir”. Há coisas que nem com treino e prática. Quando eu perguntava para minha mãe como se cozinhava feijão, ela resmungava: duas faculdades e nem isso sabe. Não importa, mãe, tem coisas que não estão nos livros. É preciso dom, instinto. Com o fogão é assim. Acho que com a direção é a mesma coisa. É preciso muito mais que prudência, atenção e perícia.
Sob o volante, eu, muito doida, ficava ligada apenas nas tartaruguinhas e na sinalização horizontal (não fez autoescola? As indicações pintadas no asfalto. Rá) para parar. De repente, meu freio afundou sozinho. O carro brecou, olhei para a instrutora, que me apresentou o semáforo vermelho piscando na minha cara. Puta que pariu.
A pobre teve de avançar para o volante algumas vezes. Muitas, vá lá, porque eu me distrai com umas coisinhas na rua e ela se obrigou a desviar o carro de um cone, da traseira de um caminhão de lixo, de um pedestre, de um vira-latas. Os elementos não estavam muito dispostos a colaborar comigo. Muito diferente dos que apareciam nos videozinhos de simulação das aulas teóricas, que, como atores no teatro, aparecem só no momento certo.
Na segunda aula tive a impressão de ter progredido, porque até conversar com a instrutora eu consegui. E nem foi “o que eu faço agora?”. Ela perguntou onde eu trabalhava e isso foi o suficiente para eu desembestar a falar da minha vida. Conselho. Nunca vire amigo do instrutor. Você está lá para aprender a dirigir e não para ganhar terapia gratuita. Eu ainda me policio para não perguntar como é que funciona o trabalho dela. Outra nota mental: quando dirigir, não ligar o rádio.
Hoje completei cinco aulas. “Pai, não vai perguntar como eu estou indo de autoescola?” “Olha, se você está falando comigo agora, sinal de que está tudo bem. Pelo menos não teve de acionar o seguro”. Minha mãe falou que quando eu quiser comprar um carro é para eu ver se não fica muito caro adicionar um freio e uma embreagem do lado do carona. Como se vê, apoio moral e incentivo vêm de casa.
A instrutora disse hoje que talvez eu não precise de aulas adicionais. Mas não sei se posso confiar, por causa do vínculo emocional e tudo mais. Por isso, se você mora em Guarapuava, melhor redobrar a atenção. Diariamente, e até mesmo aos sábados, entre 9h e 10h, estou por aí. Num carro branco. Destemida.

Comentários

Neto disse…
ahhh eh td treino e pratica msm
se vai sai uma motorista bem melhor do q mtos por ai, tenha ctz ;)
Klaus disse…
Como adorador da "arte da direção", só tenho a dizer o q segue: hahahahaha! "De repente, meu freio afundou sozinho" foi sensacional! Passei por isso tb na minha 1a aula e aprendi: "TODAS as esquinas da rua XV no Centro são preferenciais". Lembre disso! Mas mulher é fogo né? Mal consegue fazer uma coisa, já quer conversar, olhar a bunda de outra na rua, aumentar o volume do som! Dirigir já significa mil informações de uma só vez. Mas qdo vc descobrir q não são os objetos que estão surgindo e desaparecendo repentina e rapidamente e, sim, vc q deveria pisar no freio, metade do problema estará resolvido. E não se preocupe: nós fomos você hoje!(ops, me emploguei) ;p
Lubi disse…
ontem eu tinha decidido aprender a dirigir porque, realmente, cansei das aventuras do transporte público.
mas agora, lendo seu texto, não sei.
hahaha.

amo essa música do robertão.

um beijo.
Geraldo disse…
Olha só... eu li...qdo eu parar de rolar de rir eu faço um comentário sobre este seu texto q ficou excelente como sempre! Beijos...
Graci Polak disse…
Eu pretendo comprar meu possante hoje. Alguns meses de carteira, muita terapia com meu instrutor, migué em doses colossais para passar no teste... E o resultado está aí: inúmeras expressões de terror nos olhos nos meus caronas. Também não nasci pra isso, Tati. Mas estamos aí, nas curvas da estrada de Santos, hehe...
Katya disse…
kkkkkkkkkkkkk eu ri foi muito relembrando a primeira volta que eu dei depois de comprada minha moto! sim, a moto... vc só vai aprender de fato no dia a dia, ô dó!!! enfim vim dizer que depois de 6 meses em off estou de volta com meus cogumelos que quase engoliram...ainda lembra de mim? huahuahu aquele abraço e bjus!KKá.
Finito Carneiro disse…
Nota mental: "Não pegar carona com a Tate"
Tatiii... se tudo der certo - vai dar, vai dar!!! - semana que vem começo minhas aulas práticas. Aí, quando vier pra Camorão, é bom se cuidar tb!
Nota de lápíde: ''O pobre diabo, pegou carona com a Tati no dia tal do ano tal...''
Carol disse…
Puts!
Como é que o João foi achar uma namorada igual a ele? Ele já te contou que em algumas quartas-feiras de muita coragem eu soltava o carro na mão dele? hahaha
bjs
Michele Matos disse…
Ai meu Deus, adoraria te encorajar, mas minhas pernas tremem só de pensar que não vou poder adiar essa aprendizagem pra sempre.
Força Tati!! Se você aprender eu tomo coragem!
MerasChorumelas disse…
Hahahahaha fiquei imaginando vc dirigindo por aí!
Mas pra quem já dirigiu trenó, carro vai ser tranquilo! iehaiauh
Beeejo Tati!
Regina disse…
Eu não precisei de aulas adicionais pq desisti antes de terminar as obrigatórias. Meu problema era, sério mesmo, o volante. Eu tentava, mas não tinha força... Vc está indo bem, Tati!!!
Diangela disse…
Tati, pode ser que vc não vire uma excelente motorista, mas vc vai aprender, tenha calma...
Lucemary disse…
Pra ser honesta, a primeira coisa que pensei foi:"ainda bem que não moro em Guarapuava!"
Sorry.
Mas depois lembrei de quando aprendi a dirigir, e confesso, faz teeeeempo... e posso garantir que você consegue, sim. Se quiser. :) E ai não vai conseguir não dirigir mais - porque é uma liberdade sem tamanho!!!!!
:)
P.S. Moto é muuuuuuuuito melhor!!!!!!
Quando eu andava a 42km/h a instrutora falava que eu era "pé-de-chumbo". hehe. Não dá pra levar o pessoal da auto-escola muito a sério não. Mas no fim vc vai se dar bem, é só pegar as manhas. Então, escrever no blog e afins faz bem na época de tcc, se não a gente pira. :)
Inté!!!
Tati, adorei. Isso me lembrou minhas primeiras aulas, eu era péssima. Mas depois, a gente melhora. Tirei carteira quando fiz 18 anos e, como diz minha amiga, eu poderia ter ido até a lua com o tanto que eu andei nessa época. Mas hoje, depois de 4 anos sem dirigir constantemente, só quando eu vinha para cá e olha lá, e depois de passar 1 ano e meio sem dirigir nada, devido à uma greve que eu fiz com o meu pai - que me azucrinava!, esqueci tudo. Dirigir é prática, eu te garanto.Voltei a dirigir há uns 3 meses...ainda erro as marchas...hahaha
RICARDO R. ® disse…
Ola,
Cai no seu blog por acaso e gostei muito da maneira como escreves e dos assuntos abordados. Se para o volante, não nasceste com o dom, o da escrita certamente veio incluído.
Espero que já andes dirigindo pelas ruas da vida bem tranquila.
Parabéns pelo belo espaço. Voltarei aqui mais vezes.
Abraço
va_nessals disse…
Aaah, tu me mata rindo.
Mas se ateh a Mel aprendeu tu aprende!
Srtª Amora disse…
kkkkkkkkkkk

e eu? que peguei o dinheiro pra tirar minha habilitação e acabei gastando, no fundo eu tenho medo... de tanto que já ri da cara de quem não consegue.

mas, vá lá... boa sorte.

Postagens mais visitadas deste blog

O reinado dos Castelões

Existem lugares que são verdadeiros achados, residindo insuspeitos no meio do caminho. Castelões é um deles. Num domingo quente e sem planos, topei com ele em uma rua deserta do Brás, onde morei por um ano e meio. Nesse tempo, acostumei-me, embora muita gente torcesse o nariz, às ruas feias do bairro que já chegou a ser mais conhecido na Itália que a própria São Paulo. Hoje o Brás perdeu um pouco do encanto e o título de ‘berço’ italiano acabou ficando para a Mooca, entre os menos entendidos. Para o Brás, sobrou a fama de sujo, feio, perigoso e casa de um Arnesto meio esquecido.
Por isso, nem me abalei quando meu então namorado sugeriu que almoçássemos num lugar que de longe tinha aparência meio duvidosa.No Brás tudo tem esse quê de capenga. Mas Castelões foi um engano nesse sentido. Ao chegar perto você percebe que sim, está diante de um lugar raro. A placa é de 1924 e não é mentirosa. O restaurante existe lá desde então. Trata-se do local mais antigo funcionando ininterruptamente n…

Das esperanças

Hoje consegui parar em frente ao computador e com um pouquinho de tempo para responder às suas angustiantes letras. Hoje, esperando que você esteja melhor, parei para te escrever que, sim, acredito no amor. Com o tempo, os tombos, os tropeços e as cravadas na saída (qual ginasta olímpica), com as fichas caídas, os choros copiosos e soluçados para os meus travesseiros... Passado tudo isso, posso dizer que, mesmo que mais 200 relacionamentos meu acabem daqui para frente, sim, acredito no amor. Aprendi que o amor não acaba, ele só muda de rosto. O amor é nosso, amiga. A gente entrega para quem estiver mais disposto, para quem estiver atento no lance, para quem se encaixar com a gente. Por enquanto é essa neblina, esse tempo turvo, que parece que não vai desanuviar nunca, mas ó. Vai passar. E te diria isso mesmo sem estar em um relacionamento. Te diria isso numa manhã de fevereiro, antes e depois do carnaval, quando eu ainda nem  o conhecia. Diria isso mesmo depois de ter perdido um ou…

Prece de inverno

Minha mãe diz que arrumar a cama todo dia faz a gente ficar protegido. Confesso que nem sempre lembro. Às vezes é escolher entre a cama, lavar a louça do café ou assistir um pouco de tevê. A coberta meio embolada, o pijama jogado no canto, travesseiro caído no chão. Hoje numa calçada encontrei um morador em situação de rua arrumando a dele. Confesso que nem sempre reparo neles. Às vezes é a pressa, noutras estou resolvendo alguma coisa na tela, em algumas estou de olho nas vitrines. Eu meio distraída, desviando dos senhores, das senhoras e de suas casasmóveis. O homem arrumava a cama com tanto zelo que prendeu meu olhar. Confesso que uma partezinha de mim pensou para que tanto cuidado em arrumar algo que qualquer um podia bagunçar. Vi sua mão colocando a coberta azul bem certinha embaixo do colchão fininho, dobrando bonito perto do travesseiro, passando a mão por cima para tirar toda ruga. Eu pensando que aquela cama era toda a sua casa, tanto esmero que valia.
Desejei aquele cuid…