Da arte de não ser estonteante

Pode ser que eu não me encaixe nas “muito feias” que devem perdoar Vinicius, mas definitivamente não tenho algo de flor, algo de dança ou algo de haute couture. Sou daquelas que se encaixam no grupo que ele denomina como coisa impossível: o meio-termo.
Daquelas que acordam cedo para dar um empurrão na natureza, mas que precisam de muita sorte para que o cabelo colabore, para que a roupa caia bem justamente naquele dia e para que a impaciência não as faça romper laços defitivamente com o espelho.
É difícil encontrar uma mulher estonteante, mas isso não quer dizer que seja coisa rara, muito menos impossível. Você não irá encontrá-la em qualquer esquina, mas, se reparar bem, em cada turma de amigos há de se ter uma, para desgraça das demais. Mulher estonteante chama a atenção, rouba olhares. É bela por si só, sem esforço. A bicha fica bonita fazendo careta em foto, não há fotogenia que explique. Passa xampu Palmolive e creme de pentear Neutrox, seca o cabelo ao vento e, ao final, parece só faltar uma moldura em volta. As estonteantes, ô racinha, costumam dizer: “o quê? Nem fiz nada, só bati o cabelo e saí”. Fica bela com cabelo preso com caneta Bic. É acordada no susto, lava o rosto e sai correndo e, quando chega, parece adentrar o recinto como um monumento. O âmbar de uma tarde.
O rosto da mulher estonteante de Vinicius parece um templo e as estonteantes que eu conheço não sofrem com espinhas, maquiagem borrada ou imperfeições no sorriso. Elas sabem da sua beleza e, por vezes, até se envergonham da vantagem que possuem. Um presente dos deuses, entregue de bandeja.
Não sou feia que não possa casar, como bradou Adélia Prado. Mas, após terminar de ler a receita de mulher de Vinicius, percebo que sou como um bolo embatumado, um arroz empapado ou uma carne tostada nas extremidades. Dá para encarar, mas... Algo deu errado na minha receita e não busco aqui um trocadilho infame com o verbo comer. Muito menos pretendo um tom de autodesprezo flagelante na minha colocação, entenda-se.
As mulheres cuja receita deu certo, cuja fôrma foi devidamente untada e enfarinhada, que o forno não foi aberto antes de 30 minutos e, claro, que o fermento não passou da data de vencimento, sim. Essas são estonteantes. E o pior. As desgraçadas não se esforçam para tal.
Tento imaginar qual é a desvantagem que uma mulher estonteante deve ter em sua vida. Todas as roupas provadas ficarem perfeitas no corpo? Até imagino a indecisão da coitadinha, diante de tantas peças, dentro do provador opressor. Ou ser alvo de intrigas por não-estonteantes invejosas? Um perigo.
A mulher estonteante, sendo um conjunto de virtudes, carrega em si não só a beleza do frescor da manhã, mas a elegância, a educação e a doçura. Uma lady.
“O que você prefere, ser chamada de linda ou de inteligente?” “Inteligente”, respondi sem pestanejar. Mas uma parte de mim gritava, sufocada, que linda é o elogio, aquele elogio capaz de preencher sorrisos, mesmo os tímidos, de canto de boca. Gostosa pode ser vulgar, dependendo da hora e do interlocutor. Bonitinha, valha-me Deus, é uma feia gente boa. Estonteante não consegue exprimir tudo o que seu significado expressa. É uma palavra tão grande e desengonçada que parece um origami sendo desmontado. Bela é tão pouco usado na nossa língua que o elogio nem é tão utilizado. Lembra mais nome de cadela poodle ou loja de cosméticos.
Já linda é como se fosse a expressão da beleza mais pura e singela, que diz tudo por si só, como no refrão do Caetano Veloso. Linda desliza por entre os lábios, como se a palavra dita fosse quase uma afronta. É muito pouco para toda a beleza escancarada na sua frente. São apenas cinco letras para definir a, palavras de Vinicius, coisa mais bela e mais perfeita de toda a criação inumerável.
Mas ela deve ter algum defeito, diga que tem. Não há imperfeição incalculável, dear Moraes.


Uma delas:

18 comentários:

{ Eduardo Machado Santinon } at: 4 de outubro de 2009 00:17 disse...

Besteira sua dar moral pra esse Vinicius Tati. Vinicius esse que uma hora diz que ela é linda e cheia de graça só por causa do exterior e depois vem exaltando a atitude e valores internos dizendo que quem faz é, não fala e faz, e põe a culpa na cantoria de Ossanha. Mania feia do Sr.Moraes de dar resposta picada em mais de uma música, lindeza é tudo isso ou um pouco disso. Se todos fossem iguais a você Tati, eita que maravilha seria viver.

{ Contos de Fada? } at: 4 de outubro de 2009 04:55 disse...

Ah! Concordo ai com o Eduardo, ele mandou muito bem. Meu comentário completo mandei por outra via. Seu texto é ótimo! Beijos

{ Marcela Paiva } at: 4 de outubro de 2009 06:25 disse...

eu tenho uma amiga assim.
vou com ela na paulista e todos os caras olham. todos mesmo. e eu fico me perguntando se ela se da conta.
As vezes paramos para conversar com alguem, pedir informaçao, e os homens ficam completamente sem reacao.
vira e mexe ela tem problema com chefes e etc e me confessou que que a beleza é um fardo.

{ P. } at: 4 de outubro de 2009 07:36 disse...

Eu jogo no seu time, você bem sabe: as que a receita precisa de uma dose de cobertura. Mas...quer saber? A gente vem com um recheio inegável: CéLEbro. E, por favor, não estou classificando as estonteantes como automaticamente burras. Conheço algumas que além de inteligentes ainda são meigas e vrdadeiramente doces, sem forçar a barra. Mas eu ainda acho que um "linda" dito de verdade e por um par de olhos que te enxerga como especial vale pela torcida do flamengo no Maracanã gritando em coro. Porque esse tipo de elogio - você é linda", para as que sairam da receita do Poetinha, é que o outro está vendo por dentro. É beleza que irradia.

{ Michele Matos } at: 4 de outubro de 2009 11:26 disse...

Huhauhauhauha
Eu classifico as mulheres como Boca cheia, meia boca e boca murcha...
To ali no meia boca e to faceira...
Muy bueno Taticaaa!!!

{ Amanda Hauage } at: 4 de outubro de 2009 18:36 disse...

Primeiramente... 5.000.000 de obrigadas. =)

Segundamente... Os melhores bolos são os que embatumam, porque a cobertura se concentra no centro e da pra se lambuzar tudo. =DD

E sim, também sou um bolo embatumado. Isso quando sequer saio da fôrma.

{ Klaus } at: 4 de outubro de 2009 19:06 disse...

Beleza não se põe na mesa, mas não vamos comer no chão... Inteligência e carisma são a sobremesa, e excesso de lindeza dá congestão!hahaha
Quanta besteira depois de mais um belíssimo texto, Tati!!! A minha opinião você já sabe...

{ Diangela } at: 5 de outubro de 2009 10:11 disse...

Vc é linda, Tati! Eu bem que sei ;*

{ Camila Rufine } at: 6 de outubro de 2009 15:56 disse...

Ah. Pode ser papo conformista, mas acredito que nós, que nunca tivemos nada de graça (dos elogios de pedreiro ao reconhecimento como seres pensantes), isso é apenas mais um desafio e detalhe. Passamos batido na rua, no mercado ou na boate, mas chamamos atenção na mesa do bar e em qualquer outra troca de idéias. Acho que de nada adianta ser linda, sem possuir o plano B que é o charme. E de plano B entendemos muito bem!

Bjos, Tati!

{ Graci Polak } at: 8 de outubro de 2009 14:38 disse...

E isso que a Camis disse até os Stratopumas já lançaram em uma música, hauhauaha... Pensa que existe uma música falando da beleza de Graci? Nada, o máximo que eu consegui foi um Graci e o seu chaaaaaaarme.

Mas beleza passa e a inteligência (se vc não tomar muito gardenal e cachaça), essa fica. Bjos querida!

Mais que amei o texto!

{ dani oliveira bottrel } at: 9 de outubro de 2009 12:18 disse...

Tatiana, não resisti. Seu post foi pro meu blog! Parabéns! Adorei!

{ Lucemary } at: 9 de outubro de 2009 16:28 disse...

Tati, amei o seu post. E amei os comentarios.
Mas acho injusto quando alguem diz que "beleza não se põe na mesa".
A estonteante não pediu pra ser assim - ela nasceu assim e ponto. Injusto com a gente, meiabocas felizes??? Com certeza! Mas nos dá a oportunidade de descobrir outras belezas... deve ser muito triste quando as pessoas se aproximam de voce soh porque tem uma linda embalagem - e muitas vezes nem dão chance de mostrar o conteúdo! E não é só porque se é estonteante que não se tem conteúdo, né?
...
Lendo seu post fiquei lembrando o tempo todo de Bruna Lombardi: a mulher é linda, inteligente, engajada e ainda escreve super bem, putz! Quem merece??? Todo mundo merecia: eu merecia, você também, mas... é igual ganhar na megasena... rsssss...
...
então cabe a nós, meia bocas, passar um batonzinho (pelo menos um gloss!) e ser feliz pela vida!!!!

{ Reds } at: 11 de outubro de 2009 16:51 disse...

lindas palavras

{ Paulinha Fernandes } at: 11 de outubro de 2009 20:30 disse...

Tatiii... eu acho que beleza tá nos olhos de quem vê... tá certo que tem umas que por favor, né, acabam com a gte, mas mesmo assim... sempre tem um míope olhando na nossa direção!
rsrsrs
mto bom o texto, flor. beijoo

{ va_nessals } at: 15 de outubro de 2009 15:35 disse...

Iih, Tati! Bem melhor ser inteligente né?
Gostei muito!
:)

{ Srtª Amora } at: 17 de outubro de 2009 07:22 disse...

como eu sempre digo... meu cérebro consegue ser mais interessante.
Enfim, saudades disso aqui. Bjo.

{ Liza } at: 29 de janeiro de 2010 06:30 disse...

Sem falsa modéstia e sem afetação, quero dizer que carrego esse fardo. Tenho 1,72m, 57 quilos, olhos verdes e cabelos naturalmente loiros. Já deixei de entrar em muitos lugares, por causa do impacto que causo, mesmo hoje, aos 31 anos, depois de duas filhas. E o pior de tudo é que só percebi isso mais ou menos aos quinze anos, através dos comentários de outras pessoas. Demorei para entender que a maioria dos homens só quer me levar para a cama e que a maioria das mulheres me odeia. Por causa disso tenho poucos amigos e até meu segundo marido, que era nota 10, hoje vive possesso de ciúmes. De nada adiantou ser sempre a primeira da turma na escola, nem as notas altas da faculdade, pois demoro algum tempo para convencer as pessoas de que não sou convencida, não me acho melhor que ninguém e nem pretendo tirar vantagens da chamada "beleza". Por causa desse assédio constante, comecei a namorar cedo e acabei engravidando aos dezessete anos, acabando com meu sonho de ser modelo. Carreira pela qual estava lutando há um ano e tinha acabado de conseguir um contrato. Sempre digo às minhas filhas que "a beleza é um fardo", no sentido de que é preciso ter maturidade ou, pelo menos, orientação para conseguir lidar com as complicações que virão ao longo da vida.
Mas admito que, apesar dos pontos negativos, é bom ter um cabelo fácil de lidar e uma silhueta que coopera na hora de me vestir para trabalhar. Mas, ruim mesmo é a altura que às vezes me faz desistir de usar um salto alto, dependendo do lugar aonde vou. Mesmo assim agradeço a Deus por tudo o que me deu e entendo que se nasci assim, foi porque ele quis. Por isso peço: não odeiem as lindas, elas não têm culpa. Obrigada pela atenção.

{ Gisa } at: 26 de agosto de 2013 19:59 disse...

Como sempre falo, nunca fui bonita, estonteante então kkkkkkkkkkkkkk sou normal. Sempre ouvi adjetivos tipo: simpática, inteligente, engraçada, alto astral etc, nunca bonita, o máximo vc está bonita o que é muito diferente de vc é bonita. Mas fico feliz porque conforme passa o tempo, e lá se vão 50 anos, os meus adjetivos se mantêm, pq com 50 anos ninguém continua estonteante. Vc é linda Tati bjo.

 

Copyright © 2010 • ::: salto baixo • Design by Dzignine