Pular para o conteúdo principal

Das pessoas

O alfaiate aqui da minha rua me cumprimenta todo dia. Nunca conversamos de verdade. Uma vez acho que fui lá, pedir uma costura, mas nem ele e nem a esposa tinham tempo. A mulher também costura. Eles trabalham noite e dia, vez ou outra eu vejo eles de papo com alguém, mas quase sempre estão curvados sobre réguas, lápis, tesouras, linhas e agulhas. No sábado, não. No sétimo dia não se vê as fuças de ninguém, garagem fechada. Deve ser coisa da religião.
A mulher nem sempre me vê, mas o homem sempre me dá bom dia quando eu passo por ele a caminho do trabalho. Às vezes é um oi, outras um meneio com a cabeça. Mas sempre um sorriso no rosto. E eu penso que ele poderia vez ou outra me ignorar, afinal, a gente nem se conhece. Ele nem sabe meu nome. O nome deles eu sei: João e Zélia, está escrito na placa.
Mas o que me intriga é que tem gente que lida com gente todo dia e acha que simpatia não pode ser dada de graça. Pensa que faz mal ser cordial. Não precisa hipócrita, não precisa perguntar pela família, mas um sorriso ameniza o dia. Um dia de frio polar ou de calor do Piauí, tanto faz. A mulher do laboratório que eu fui deve atender umas 40 pessoas por dia, contando por baixo. E ela atende todas com cara de quem tomou a amostra de urina para exames.
Na fila de espera, pessoas e mais pessoas. Gente ansiosa, porque coletar sangue ou entregar potinhos de urina e fezes não é normal, não é normal mesmo. Tem criança, tem criança que chora. Tem velho, tem mulher querendo saber se está grávida. Tem gente como eu, que acorda cedo e vai picotar o braço para ver se está tudo bem.
E a vaca, na sua posesinha detrás do balcão, só sabe apertar o botão das senhas e agir no piloto automático. Atende como se fosse um favor. Desconfio que ela cerra os dentes por dentro da boca fechada enquanto trabalha. Se você é atendente, colega, o mínimo que se espera é que você esteja disposta a ATENDER. No balcão, você querendo ou não, você lida com gente, se não quer, mude de emprego. Porque gente gosta de sorriso.
Eu fui aprendendo a gostar de simpatia gratuita grande já. Quando eu era criança, irritava-me minha mãe fazer amizade com a caixa do supermercado. “Você nem conhece a moça, mãe, para quê puxar papo, me diz? A gente vai se atrasar”. No fundo era ciúme, acho. Queria minha mãe só pra mim. Ainda bem que eu cresci e hoje mesmo estava de papo com a caixa do mercado.
Uma amiga que dividia apartamento confessava que sorria para as pessoas na rua. Eu ria muito disso e ela devolvia tirando sarro dos meus desafetos gratuitos e laços rompidos (sempre tive). Mas aprendi com ela um pouco da arte da leveza. Não só sorrir para as pessoas na rua (sem medo de parecer uma desequilibrada), mas levar a vida assim, com esse ar de que ainda há muito por vir, mas tem o tempo certo, há tem sim. Enquanto isso, a gente vai levando. E vai sorrindo.

Comentários

Elinha disse…
Sorrir é realmente importante, receber um sorriso é fundamental.

Lindo post!

xeroooooooooooo
Só não gosto quando me pego de sorriso amarelo. É difícil, e nem tô me achando não, mas acho meio que inconscientemente que sorrir sempre ajuda, não forçado caraio. Não quer não sorria, atendendo ou não. Vidinha aperta pra todo mundo, e sorriso deixa levinho pra você, e pra mim também, que sabe que há muito por vir.
Neto disse…
ahh eh bom simpatia sim

esses dias tava brincando de verdade ou desafio com a cintia, ela me perguntou o que uma menina precisa ter assim para eu querer ficar com ela e tal

eu falei na lata: tem q ser alguem q seja feliz com a vida, nao quero ngm d cara emburrada, alguem mal humorado

tem q sorrir

e isso é bom
faz o dia das pessoas melhor
Diangela disse…
A colééga devia ter bebido um potinho daqueles sim, fiquei aqui imaginando a cara da nojenta...
Eu não sou lá um poço de simpatia, mas faço um esforço tremendo pra deixar o dia mais leve. E a última parte parecia que vc tava falando pra mim, "tudo tem seu tempo"... Obrigada, Tatiêine.
Estrela do Mar disse…
Yes!!!Eu aprendi com o meu pai: ele sempre sorri para tudo e faz piada até dos próprios problemas. Acho que isso dá serenidade para resolver tudo com seriedade depois. Queria ter essa sabedoria. Ainda não cheguei lá, mas tô tentando: sorrindo para as pessoas na rua, no trabalho, no ônibus. Tem vezes que funciona!
Adorei o texto. Principalmente a parte que fala de mim (Robert). Hahahhaha!!!
Klaus disse…
Sorrir é bom, e causa pé de galinha! Certa vez conheci uma menina, de uns 4 anos, e passamos nossa primeira meia hora juntos só brincando. Aí cansei e quando fiquei "normal" (sério) ela me perguntou: "tio, por que vc está bravo?". Sorriso acostuma mal as pessoas e acho que está ai seu encanto! Ah, ninguém dá mais valor a um sorriso do que uma criança... Adultos não prestam atenção nisso! Sorria, elas e outros adultos estão te filmando...
Michele Matos disse…
Vou imprimir este texto e deixar lá no banco, nos caixas da Farmácia 3000, e vários outros lugares...
Saudade, Tatica.
Híndira disse…
Maravilha! Mas é complicado, né. Ninguém tá na pele de ninguém, a moça do atendimento que faz cara de quiabo pode estar morrendo de tendinite e só não larga o emprego porque...
Gosto muito desta música, aliás, gosto de um monte de músicas deles hehe. Eu conheço o moço das costuras e do sorriso fácil. Também já me sorriu =) Pena que as pessoas parecidas com a mulher do laboratório aparecem em maior número nos nossos dias.
Tertuliano disse…
Venho lendo o seu blog de soslaio há algum tempo. Curiosa é a forma como o conheci, mas deixemos as longas histórias pra depois.

Só escrevo pra dizer que curto muito o que escreve e a forma como escreve.

E... atualiza aí, pô!
Tertuliano disse…
Ih, você é jornalista... também.
Tertuliano disse…
Conheci seu blog muito tempo antes que o Bellé.

Em virtude de termos, por assim dizer, um amigo em comum que pretende viajar no reveillon...
Tertuliano disse…
João Quaqcuio, meu veterano.
Raquel Farias disse…
Concordo com vc plenamente... é tão chato qdo somos mal atendidos e mal tratados por alguém. Qm trabalha como atendente deve ter em mente q é seu dever tatrar os outros com cordialidade... mesmo se fosse algum favor, já que favor significa fazer por livre vontade.

Eu costumo sorrir e cumprimentar as pessoas que passam por mim, isso qdo elas se mostram abertas. Acho estranho essa coisa de vc cruzar com alguém e agir como se ela não existisse.

Postagens mais visitadas deste blog

O reinado dos Castelões

Existem lugares que são verdadeiros achados, residindo insuspeitos no meio do caminho. Castelões é um deles. Num domingo quente e sem planos, topei com ele em uma rua deserta do Brás, onde morei por um ano e meio. Nesse tempo, acostumei-me, embora muita gente torcesse o nariz, às ruas feias do bairro que já chegou a ser mais conhecido na Itália que a própria São Paulo. Hoje o Brás perdeu um pouco do encanto e o título de ‘berço’ italiano acabou ficando para a Mooca, entre os menos entendidos. Para o Brás, sobrou a fama de sujo, feio, perigoso e casa de um Arnesto meio esquecido.
Por isso, nem me abalei quando meu então namorado sugeriu que almoçássemos num lugar que de longe tinha aparência meio duvidosa.No Brás tudo tem esse quê de capenga. Mas Castelões foi um engano nesse sentido. Ao chegar perto você percebe que sim, está diante de um lugar raro. A placa é de 1924 e não é mentirosa. O restaurante existe lá desde então. Trata-se do local mais antigo funcionando ininterruptamente n…

Das esperanças

Hoje consegui parar em frente ao computador e com um pouquinho de tempo para responder às suas angustiantes letras. Hoje, esperando que você esteja melhor, parei para te escrever que, sim, acredito no amor. Com o tempo, os tombos, os tropeços e as cravadas na saída (qual ginasta olímpica), com as fichas caídas, os choros copiosos e soluçados para os meus travesseiros... Passado tudo isso, posso dizer que, mesmo que mais 200 relacionamentos meu acabem daqui para frente, sim, acredito no amor. Aprendi que o amor não acaba, ele só muda de rosto. O amor é nosso, amiga. A gente entrega para quem estiver mais disposto, para quem estiver atento no lance, para quem se encaixar com a gente. Por enquanto é essa neblina, esse tempo turvo, que parece que não vai desanuviar nunca, mas ó. Vai passar. E te diria isso mesmo sem estar em um relacionamento. Te diria isso numa manhã de fevereiro, antes e depois do carnaval, quando eu ainda nem  o conhecia. Diria isso mesmo depois de ter perdido um ou…

Prece de inverno

Minha mãe diz que arrumar a cama todo dia faz a gente ficar protegido. Confesso que nem sempre lembro. Às vezes é escolher entre a cama, lavar a louça do café ou assistir um pouco de tevê. A coberta meio embolada, o pijama jogado no canto, travesseiro caído no chão. Hoje numa calçada encontrei um morador em situação de rua arrumando a dele. Confesso que nem sempre reparo neles. Às vezes é a pressa, noutras estou resolvendo alguma coisa na tela, em algumas estou de olho nas vitrines. Eu meio distraída, desviando dos senhores, das senhoras e de suas casasmóveis. O homem arrumava a cama com tanto zelo que prendeu meu olhar. Confesso que uma partezinha de mim pensou para que tanto cuidado em arrumar algo que qualquer um podia bagunçar. Vi sua mão colocando a coberta azul bem certinha embaixo do colchão fininho, dobrando bonito perto do travesseiro, passando a mão por cima para tirar toda ruga. Eu pensando que aquela cama era toda a sua casa, tanto esmero que valia.
Desejei aquele cuid…