A farinha de mandioca

Se um dia eu escrever um livro sobre minha família, cada capítulo terá o nome de algo que nos uniu. A árvore do quintal nos renderá um capítulo, as viagens outro, os aniversários mais um e ganhará espaço tudo o mais que significou a cumplicidade do pai, da mãe e dos três irmãos.
A farinha de mandioca, por exemplo. Não conheço outra família do Sul do Brasil que come tudo com farinha, branca ou torrada. A influência, com certeza, é da matriarca nordestina. Quando ainda morávamos juntos, nos almoços e jantares, lá estavam os potinhos dispostos pela mesa carregando o produto. Os pratos não precisavam, necessariamente, ter molho para o acompanhamento. Comíamos farinha no seco, mesmo, tal qual aquelas famílias do sertão. Só faltava o calango.
Quando vinha visitas, nos contínhamos. Não era tão fácil entender gente que comia tudo, tudo com farinha. Às vezes eu contava e perguntavam se não servia farofa. Não, não servia. Sem farinha chuviscada nos pratos, faltava algo. Colocar os potinhos na mesa era tão indispensável como talheres e copos.
O fato é que o costume, aos poucos, foi sendo deixado de lado. Como dois integrantes debandaram, nenhuma das três casas tem mais seus potinhos. Por isso, repito, a farinha é um pedaço da nossa biografia coletiva. A farinha nos unia.
Hoje, achei um pacote que sobrou de uma farofa que fiz. Ao almoçar, recolhi-a do armário e, num gesto quase de reflexão, despejei os grãozinhos minúsculos no prato. Uma homenagem silenciosa as minhas quatro pessoas que naquele momento almoçavam unidas, enquanto eu, na solidão, absorvia minhas lembranças.

6 comentários:

{ Eduardo Machado Santinon } at: 1 de novembro de 2009 07:09 disse...

Aqui em casa é o almoço de domingo. Aquela vigarista da Letícia só chega se a mãe faz o que ela pede de rango.

{ Juliana Cruz } at: 2 de novembro de 2009 15:12 disse...

hahha lembrei da minha familia. mas lá todos somos cabeças chatas, entao é normal.

{ Paulinha Fernandes } at: 3 de novembro de 2009 11:25 disse...

aiii... como me irriiiiiiiiiita quando colocam farinha no nhoque que eu façooo!
hahaha
mas td bem, gosto é gosto, né?!
e farinha é mesmo bom!!!

{ maferar } at: 3 de novembro de 2009 13:36 disse...

Voltar as origens ao menos em pensamentos é gratificante e muito importante!

obrigada pelo carinho em meu blog!

beijos

{ Bruna Araujo } at: 4 de novembro de 2009 04:41 disse...

me lembrou muito da minha familia!

{ IgorVilla } at: 27 de março de 2011 18:34 disse...

ah.. mas farinha é bom demais mesmo...

 

Copyright © 2010 • ::: salto baixo • Design by Dzignine