Pular para o conteúdo principal

A derrota

O despertador. A noite comprida. Medo de perder a hora.
- Vamos lá?
Fui, nem tava tão nervosa. Testei a ré, consegui.
- Agora só esperar.
Duas longas horas de espera. Ansiedade batendo já.
Ouvi as regras, entendi as regras. O primeiro do trio foi, voltou todo torto.
- Ih, tenho certeza de que reprovei – disse ele quando voltou.
- Ah, passou sim – respondi eu distraída, olhando para o segundo.
Ele ainda puxou assunto. Não respondi direito, nervosismo martelando no peito.
Fui chamada. Entrei no carro, fiz tudo certinho. Terminei como tinham me ensinado, mas aí achei que tinha errado, que podia ser melhor (mania). Tentei arrumar o que não precisava de conserto, caguei tudo. Já vi que tava errado. A mulher veio.
- Tava certo antes, agora você errou, vai ter que fazer de novo.
Aí o coração na boca querendo saltar. Só ouvi o barulho do carro batendo no protótipo da frente.
Falta eliminatória.
- Desliga o carro e pode sair. Amanhã remarca.
Se houvesse uma imagem para a palavra derrota, seria eu. Pequenininha, percorrendo o pátio. Chorar não dava, nem tinha vontade. Demorou pra cair a ficha, precisava falar com alguém.
- Reprovou?
- É. Baliza.
- É a terceira vez que estou fazendo. Da primeira deixei morrer, da segunda...
Nem ouvi mais, porque as três moças do ponto de ônibus começaram a ficar alvoroçadas, cada uma querendo contar sua melhor/pior história. Precisava falar com alguém longe de tudo aquilo.
- Mãe...
- Tudo bem?
- Nem. Reprovei no teste de direção.
- Ah, mas é assim mesmo. Depois você faz e passa. Mas o quê? Ficou nervosa? Por que a psicóloga não te aprovou?
- Que psicóloga, mãe?
- Não era assim o teste?
- Não, esse eu já fiz. (Há muito desisti de fazer meus pais lembrarem o que eu já falei. Meu pai, quando contei a nota do TCC da pós, me perguntou se era o de Letras. “Pai, você não foi na minha formatura de Letras há meses? Como é que ia ser de Letras?” “Ah, Tatiana, você sabe que teu pai é esclerosado” ). Hoje foi com o carro, mãe. Me atrapalhei e bati no carrinho da frente. Mãe, para de rir. Mãe, não é pra rir, é pra me consolar. Mãe, fala comigo. Ai, meu Deus do céu.
- Ai, Tatiana, não consigo. Fala aqui com sua irmã.
Ela passou o telefone ainda gargalhando. Minha irmã ouviu a história toda e imaginou que eu tinha batido em todos os carros no estacionamento, de tanto que minha mãe ainda ria. Não, foi no carrinho de mentira.
Meu irmão nem riu. Só me falou que reprovou também, igualzinho, da primeira vez, na baliza. Hoje foi o dia de me contarem histórias trágicas de testes de direção. De todas as tentativas de consolo, a única que conseguiu tal feito foi de um amigo de um amigo que reprovou duas vezes, DUAS VEZES, porque esqueceu de colocar o cinto. Tá, me ganhou. Até consegui dar uma risadinha.
Amanhã remarco, vou tentar mais uma vez. E mais uma, mais uma, quantas vezes forem necessárias. E espero que não sejam muitas. Acontece, você tava nervosa, da próxima você vai bem, você verá. É só isso que eu escuto. Pode até ser. Mas enquanto esse dia, o da certeza não vem, eu quero é curtir minha fossa. Quero é ficar quietinha, sem ter que responder o porquê da tristeza. Fracassar é para poucos, fracassar com dignidade para bem menos ainda.


É, Raulzito. Nada acabou.

Comentários

Graci Polak disse…
Ai, eu tive de rir também. Só que me acabei mesmo foi na história do amigo do amigo: supera qualquer outra.
Curta sua fossa, Tati, embora todo mundo diga que é assim mesmo e que na próxima você passa. É triste ter de ir lá de novo e pagar a taxa, mas necessário. Pense que vc está quase lá, bem mais perto que minha tia:

"-E como estão as aulas pra carteira, tia?
-Reprovei cinco vezes no psicotécnico e resolvi que não preciso disso pra dirigir".

O que é reprovar uma vez na baliza diante disso?

Bjooos querida!
Michele Matos disse…
Ai... Eu quero que vc passa logo, só aí eu vou ter coragem de fazer...
=/
Por que é tão difícil, meu Deus?
Renata Caleffi disse…
Olha tati, se isso te serve de consolo, eu passei na prova, mas nunca mais soube dirigir. Criei um bloqueio, e hoje, policiais me param e mandam as pessoas bebadas do meu lado irem pro volante. Nas palavras deles, Eu é que sou a ameaça!! hahahaha
Carol disse…
Ai Tati, vc fez a história triste ficar cômica! Sou do time da Verônica, também ri!
O João sabe dos milagres que já fiz em balizas para entregar o jornal na época de jornalista e jornaleira! rs
Com o tempo a gente aprende. Antes, eu rodava horas até achar um lugar para estacionar que não precisasse dar ré! rs
Fabi Yeah disse…
Adoro histórias!!!
Como você nem escutou nenhuma, vou contar outra!
E nem é com um amigo do meu amigo!
É com uma uma pessoa que você conhece!
Robertinha vai me matar por isso, mas no teste dela, ela não só bateu no prótotipo, como acelerou e derrubou-o! Jogou o trem longe!!
huahuaahaha
(sem contar que ela reprovou no teste de vista tb! Campeã!)

Nem serve de consolo, mas, numa dessas, você junta um monte de histórias e escreve um conto!
=)!!

Certeza que na próxima vai!!

beijoss
Diangela disse…
Se você não passar, o Maia não dirijirá... há há há!
Camila Rufine disse…
Hahahaha nada como tentar dar partida em terceira.

Tati... aqui nos EUA, em Illinois pelo menos, você pode aprender a dirigir no seu proprio carro com alguém (qualquer possoa) habilitado te ensinando. Detalhe: pra tirar a carteira é 10 dólares, você aparece no escritório sem marcar, faz uma provinha teórica e o teste de vista na hora e faz o teste de rua no mesmo carro. A carteira de habilitaçao é impressa na hora, se você passar.

Vem pra cá!

=*
Raquel Farias disse…
Eu sou super desligada e sabendo disso, além de tb ser ansiosa, eu fiquei bastante temerosa. No meu primeiro teste (sim, "primeiro" porque fiz mais de um), de início, fiz tudo certo. Passei na baliza, mas na ladeira eu esqueci de engatar a 1º e obviamente o carro "afogou". Daí fiquei mais nervosa e esqueci de ligar o pisca na hora de sair. Fui reprovada.

No 2º teste fui preparada: botei na cabeça “ligar o pisca e engatar a 1ª. Ligar o pisca e engatar a 1ª” e na hora lembrei de tudo isso, mas esqueci de pôr o cinto. haha
Mas ainda assim passei e hoje, sem falta de modéstia, eu dirijo super bem e já me elogiaram por isso.

Você vai ver daqui uns tempos vai é rir disso.

Ps.: que saudade de aparecer por aqui. Já satisfiz mha alma com teus textos. =D
Klaus disse…
Olha Tati, te contar... acontece, você tava nervosa, da próxima você vai bem, você verá!
Viu! Sabia que daria uma ótima história! Inacreditavelmente só vi hj! Imagina se passasse: "hj é o dia mais feliz da minha vida. Fui aprovada no teste de direção. Disseram até que sou expert!" Eca! Coisa mais chata, marrenta, sem graça! Viva a fossa! Quando ela transbordar, vc conseguirá sair dela sem esforço! Lembre disso!;pp
Finito Carneiro disse…
Dias atrás fiz o exame de moto e reprovei porque esqueci de prender o capacete. Semana passada fiz novamente e passei. É sempre assim!

Que aventura seria se a gente passasse logo na primeira?

Quando meus pais chegaram em casa, logo após terem feito o Caminho de Santiago durante um mês, falaram que a chegada no destino é tão frustrante. Você caminha mais de 700 quilômetros para no fim chegar a uma metrópole barulhenta. Mas eles me contaram que olharam pra trás e viram todo o trajeto que percorreram, o quão maravilhoso foi. E é aí que tá a magia das coisas. Não é chegar no destino final, e sim, toda a aventura do trajeto.
quaquiodalmo disse…
REALMENTE RRAUL SEIXAS ERA UM SABIO MUITAS VEZES CRITICADO PELO SEU MODO DE VIDA MAS DIZIA COISA QUE MERECEU UMA REPORTAGEM NUMA REVISTA NA EPOCA NA FAMILIA CRISTÃ
QUE FALAVA DO SEU MODO DE DIZER AO POVO A REALIDADE EM QUE ESTAVAMOS VIVENDO COMO A MUSICA CAUBOY FORA DA LEI QUE CRITICAVA OS POLITICOS VEJA A REALIDADE ESTA AO PARA TODOS VEREM
Estrela do Mar disse…
Tá Tati, eu confesso: fiz três vezes o teste e ainda quase desisti de dirigir depois q tava c a carteira. Sim: eu sou barbeira!!
Mas quando eu tiver um carro aprendo a dirigr!!!Vc vai dar uma voltinha comigo, né??
hahahahahah!!
Taylor disse…
muito interessante teu blog e tava tentando ler mais, mas para ler preciso de musica e essa musica que fica ao fundo é chata e eu náo consigo faze-la parar de qualquer maneira, nao adianta apertar o stop ou play o pause, ela nao para de tocar e ainda nao deixa eu escutar minha musica!
puta sacanagem!

Postagens mais visitadas deste blog

O reinado dos Castelões

Existem lugares que são verdadeiros achados, residindo insuspeitos no meio do caminho. Castelões é um deles. Num domingo quente e sem planos, topei com ele em uma rua deserta do Brás, onde morei por um ano e meio. Nesse tempo, acostumei-me, embora muita gente torcesse o nariz, às ruas feias do bairro que já chegou a ser mais conhecido na Itália que a própria São Paulo. Hoje o Brás perdeu um pouco do encanto e o título de ‘berço’ italiano acabou ficando para a Mooca, entre os menos entendidos. Para o Brás, sobrou a fama de sujo, feio, perigoso e casa de um Arnesto meio esquecido.
Por isso, nem me abalei quando meu então namorado sugeriu que almoçássemos num lugar que de longe tinha aparência meio duvidosa.No Brás tudo tem esse quê de capenga. Mas Castelões foi um engano nesse sentido. Ao chegar perto você percebe que sim, está diante de um lugar raro. A placa é de 1924 e não é mentirosa. O restaurante existe lá desde então. Trata-se do local mais antigo funcionando ininterruptamente n…

Das esperanças

Hoje consegui parar em frente ao computador e com um pouquinho de tempo para responder às suas angustiantes letras. Hoje, esperando que você esteja melhor, parei para te escrever que, sim, acredito no amor. Com o tempo, os tombos, os tropeços e as cravadas na saída (qual ginasta olímpica), com as fichas caídas, os choros copiosos e soluçados para os meus travesseiros... Passado tudo isso, posso dizer que, mesmo que mais 200 relacionamentos meu acabem daqui para frente, sim, acredito no amor. Aprendi que o amor não acaba, ele só muda de rosto. O amor é nosso, amiga. A gente entrega para quem estiver mais disposto, para quem estiver atento no lance, para quem se encaixar com a gente. Por enquanto é essa neblina, esse tempo turvo, que parece que não vai desanuviar nunca, mas ó. Vai passar. E te diria isso mesmo sem estar em um relacionamento. Te diria isso numa manhã de fevereiro, antes e depois do carnaval, quando eu ainda nem  o conhecia. Diria isso mesmo depois de ter perdido um ou…

Prece de inverno

Minha mãe diz que arrumar a cama todo dia faz a gente ficar protegido. Confesso que nem sempre lembro. Às vezes é escolher entre a cama, lavar a louça do café ou assistir um pouco de tevê. A coberta meio embolada, o pijama jogado no canto, travesseiro caído no chão. Hoje numa calçada encontrei um morador em situação de rua arrumando a dele. Confesso que nem sempre reparo neles. Às vezes é a pressa, noutras estou resolvendo alguma coisa na tela, em algumas estou de olho nas vitrines. Eu meio distraída, desviando dos senhores, das senhoras e de suas casasmóveis. O homem arrumava a cama com tanto zelo que prendeu meu olhar. Confesso que uma partezinha de mim pensou para que tanto cuidado em arrumar algo que qualquer um podia bagunçar. Vi sua mão colocando a coberta azul bem certinha embaixo do colchão fininho, dobrando bonito perto do travesseiro, passando a mão por cima para tirar toda ruga. Eu pensando que aquela cama era toda a sua casa, tanto esmero que valia.
Desejei aquele cuid…