Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2010

Cenas patéticas do cotidiano

Procurei no dicionário ‘aurelinho’, deixado por uma das minhas ex-companheiras de apê, o significado de patético. Que produz ou denota forte emoção, trágico, sinistro. Nunca usei a palavra dessa forma. Para mim, patética é aquela cena em que você balança a cabeça, com ar de reprovação, acompanhado de um ‘tsc, tsc’ ou até mesmo uma batida estrondosa na testa. Patético, na minha concepção, soava até como patetice.
Eu sempre fui propensa a essas cenas. Tinha uma amiga minha que costumava dizer que se eu fosse a um lugar, uma festa, por exemplo, a história mais estranha da noite aconteceria comigo. Bom, minhas cenas patéticas nem sempre são sinônimas de estranhas, como no dicionário. Geralmente, são histórias que eu conto e que são devolvidas com risos e o velho comentário: “só você mesmo”.

Cena 1
Segunda reprovação no exame da carteira de habilitação. Cabeça erguida, ou levemente erguida, dirigi-me ao ponto de ônibus. Para não correr o risco de desabar em lágrimas na frente de estranhos, de…

Foi a saudade que me trouxe pelo braço

Nunca vim a Recife antes. Dessa forma, como não é logicamente possível ter saudade do que nunca se teve, o título deste escrito pode não fazer sentido. Mas é possível, sim, sentir saudade do que já se conheceu. E eu conheço Recife de tanto ouvir falar.
Quando eu dizia que minha mãe era pernambucana, geralmente voltava do interlocutor uma cara de espanto. Soava como exótico. Seguia-se aí o relato do casal - ela pernambucana, ele sul-rio-grandense - que se conheceu em terras cariocas, casou e teve um filho. Os dois decidiram ir embora para o Sul, nasceu mais duas meninas e depois de cerca de 36 anos que a pernambucana demandou do Nordeste a menina mais velha decidiu conhecer sua terra.
E toda a saudade do que nunca viu lhe veio.
Não tenho minha mãe comigo na viagem, mas a certeza de que me pareço mais com ela a cada dia me grita forte, principalmente quando conheço os pedaços que um dia ela chamou de terra e que eu revisito agora. Digo revisito porque eu já conheci tudo isso pelos seus …