Pular para o conteúdo principal

De como evitar traumas e tristezas

Por muito tempo achei que sofrer era uma opção. Hoje eu sei que não é assim.

Quando eu era pequena, pensei em inventar um manual para não ficar triste nunca. Pode parecer uma ideia ingênua, mas quem sabe não foi esse o estalo de quem criou o gênero da autoajuda? Eu poderia estar riquíssima hoje, mas, bem... As coisas não funcionam assim.
Constato depois de pouco mais de 24 anos de vida que somos feitos de alegrias curtas e tristezas longas, estas cortadas vez ou outra por uma alegriazinha. É como se a tristeza fosse a linha inteira daquele aparelho que marca a batida do coração. As alterações mais agudas para cima seriam as alegrias. E a vida segue sempre como uma tristeza quase sempre que presente, interrompida por uns estampidos de alegria e depois, bem, depois tudo volta ao normal. Até chegar à linha desenhada intermitentemente reta.
Porque é difícil ver alegria na rotina. É mais fácil encontrar alegria em mudanças bruscas, na notícia de uma gravidez esperada, na conquista de um emprego que se quer, em achar nos olhos do outro a constatação do amor recíproco. Depois disso, dependendo do protagonista, tudo é um mar de normalidade, comodidade, palidez, inquietação, vontade de jogar tudo para o alto.
Tem as tristezas agudas, também, que agravam o estado do paciente. Tiram-no desse estado de apatia para lançá-lo ao fundo do poço. Tem morte, tem demissão, tem divórcio, tem rompimento, tem aborto. Tem tudo aquilo que a gente desejaria evitar, mas, meu amigo, nem lendo o alcorão e a bíblia da autoajuda você consegue conter o turbilhão que te arremessa longe e lhe derruba fatigada na cama. Com lágrimas nos olhos.
Se eu tivesse superpoderes, desejaria hoje não ser responsável por nada nem ninguém. Não teria de tomar decisões, não magoaria ninguém. Não seria nada e nada me representaria os demais. Plano igualmente impossível, uma vez que se vive. Uma vez que se convive, que se conversa, que se ama, uma vez que se pede, que se acostuma, que se sabe... Uma vez que se erra.
Sei que isso é impossível. A única forma de evitar o sofrimento é não vivendo. Porque quando se sofre, deve-se sofrer por completo, no momento que tem que ser... A gente sofre, para poder sorrir depois. Nem que for só por um pouquinho. Porque na vida, mudam-se os tempos, as vontades, as prioridades. E eu espero a hora do meu doce canto.


Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
Muda-se o ser, muda-se a confiança;
Todo o mundo é composto de mudança,
Tomando sempre novas qualidades.
Continuamente vemos novidades,
Diferentes em tudo da esperança;
Do mal ficam as mágoas na lembrança,
E do bem, se algum houve, as saudades.

O tempo cobre o chão de verde manto,
Que já foi coberto de neve fria,
E em mim converte em choro o doce canto.

E, afora este mudar-se cada dia,
Outra mudança faz de mor espanto:
Que não se muda já como soía.
(Camões)

Comentários

Klaus disse…
Sofrer não se escolhe, mas não é preciso sofrer mais do que o necessário para que o acontecimento subsequente seja tido como bom, ao menos. Aí é preciso reagir. Pro ser humano é mto cômodo ficar sofrendo, nao precisa fugir de nenhum inimigo natural... pode ficar ali, deitado, às moscas - dengue!

Só pra constar: se vc nao quer ser responsavel por ninguem, há quem queira ser responsavel por vc! E lembre-se: não importa se as oscilações são para baixo ou para cima, o eletrocardiograma só não pode parar de ter picos.
Falou Xavier, "transcreveu" Coelho, corrigiu Tati - ah não, dessa vez nao.
Michele Matos disse…
Tristeza não tem fim, felicidade sim?
O bom mesmo é esquecer os porquês da tristeza.
Ótimo texto, como todos os outros!
Espero o livro do jacarezinho na livraria mais próxima =)
MerasChorumelas disse…
E é por isso q compreendo os alcoólatras. Eles conseguem ter alegrias prolongadas com pequenos intervalos de tristeza (qdo estão sóbrios). E aí, vamos pro bar?
Diangela disse…
Tati, eu te faço agora uma pergunta que vc me fez uma vez: meu deus, quem é vc e o que fez com minha amiga??? hahaha Não, eu sei exatamente quem é vc e esse texto, meu béééém e de uma sensatez tamanha que eu me inflou o peito #orgulho de ter vc por perto, de ser sua paciente às vezes ocupando o seu divã, enfim... vc é foda, o resto é moda!! hahaha ;***
é ué, a gente só tem nosso cotidiano mesmo, e ele é ordinário. extraordinário! mas dizem que "a gente se acostuma para não se ralar na aspereza, para preservar a pele".
Também gostei do texto do jacarezinho!!!
glauce disse…
Só os loucos são felizes.
Mais louco é quem me diz, que é feliz, que não é feliz!
Amei o texto, parabéns!
gal.vidabela.
Siguilita disse…
belo..e triste...
bjo!!
Marcela Prado disse…
leitura dinâmica: quer dizer que vc esta grávida entao?

êêêêêê!! :D!
va_nessals disse…
Amor, tu ta ficando boa, hem?
:*

Postagens mais visitadas deste blog

Das esperanças

Hoje consegui parar em frente ao computador e com um pouquinho de tempo para responder às suas angustiantes letras. Hoje, esperando que você esteja melhor, parei para te escrever que, sim, acredito no amor. Com o tempo, os tombos, os tropeços e as cravadas na saída (qual ginasta olímpica), com as fichas caídas, os choros copiosos e soluçados para os meus travesseiros... Passado tudo isso, posso dizer que, mesmo que mais 200 relacionamentos meu acabem daqui para frente, sim, acredito no amor. Aprendi que o amor não acaba, ele só muda de rosto. O amor é nosso, amiga. A gente entrega para quem estiver mais disposto, para quem estiver atento no lance, para quem se encaixar com a gente. Por enquanto é essa neblina, esse tempo turvo, que parece que não vai desanuviar nunca, mas ó. Vai passar. E te diria isso mesmo sem estar em um relacionamento. Te diria isso numa manhã de fevereiro, antes e depois do carnaval, quando eu ainda nem  o conhecia. Diria isso mesmo depois de ter perdido um ou…

O reinado dos Castelões

Existem lugares que são verdadeiros achados, residindo insuspeitos no meio do caminho. Castelões é um deles. Num domingo quente e sem planos, topei com ele em uma rua deserta do Brás, onde morei por um ano e meio. Nesse tempo, acostumei-me, embora muita gente torcesse o nariz, às ruas feias do bairro que já chegou a ser mais conhecido na Itália que a própria São Paulo. Hoje o Brás perdeu um pouco do encanto e o título de ‘berço’ italiano acabou ficando para a Mooca, entre os menos entendidos. Para o Brás, sobrou a fama de sujo, feio, perigoso e casa de um Arnesto meio esquecido.
Por isso, nem me abalei quando meu então namorado sugeriu que almoçássemos num lugar que de longe tinha aparência meio duvidosa.No Brás tudo tem esse quê de capenga. Mas Castelões foi um engano nesse sentido. Ao chegar perto você percebe que sim, está diante de um lugar raro. A placa é de 1924 e não é mentirosa. O restaurante existe lá desde então. Trata-se do local mais antigo funcionando ininterruptamente n…

Prece de inverno

Minha mãe diz que arrumar a cama todo dia faz a gente ficar protegido. Confesso que nem sempre lembro. Às vezes é escolher entre a cama, lavar a louça do café ou assistir um pouco de tevê. A coberta meio embolada, o pijama jogado no canto, travesseiro caído no chão. Hoje numa calçada encontrei um morador em situação de rua arrumando a dele. Confesso que nem sempre reparo neles. Às vezes é a pressa, noutras estou resolvendo alguma coisa na tela, em algumas estou de olho nas vitrines. Eu meio distraída, desviando dos senhores, das senhoras e de suas casasmóveis. O homem arrumava a cama com tanto zelo que prendeu meu olhar. Confesso que uma partezinha de mim pensou para que tanto cuidado em arrumar algo que qualquer um podia bagunçar. Vi sua mão colocando a coberta azul bem certinha embaixo do colchão fininho, dobrando bonito perto do travesseiro, passando a mão por cima para tirar toda ruga. Eu pensando que aquela cama era toda a sua casa, tanto esmero que valia.
Desejei aquele cuid…