Pular para o conteúdo principal

Meu coração navegador

Nunca fui de coleções. A de tazos dos salgadinhos foi um fiasco, a do chocolate Surpresa me dava vergonha e foi um custo eu ter todos os bichinhos de uma das séries do Kinder Ovo – as tartarugas, as únicas que tiveram um exemplar de cada na minha estante. A existência da Batida, uma tartaruga com um coco na mão, irritou-me profundamente, porque a bicha não vinha em chocolate algum. Quando veio, também, encerrou minhas tentativas de preencher minha vida com o Kinder Ovo.
Mais tarde parti para as coleções que não precisavam necessariamente ter um fim, um objetivo a ser alcançado. A possibilidade de frustração era menor, uma vez que seria só reunir exemplares e mais exemplares de uma mesma espécie. Assim, dediquei-me a colecionar adesivos, depois papéis de carta, cartões telefônicos e selos. Todas as coleções, abandonadas, acabaram pouco a pouco sendo jogadas num canto do guarda-roupa.
A única que vingou foi a de postais. Como nunca tive mania de jogar coisas fora, acabei juntando alguns poucos cartões, comprados ou ganhados de presente, e decidi ali iniciar o que denominei coleção.
Digo denominei porque é muito mais um arquivo de lembranças do que propriamente um algo que um colecionador daria grande valor. Todos os cartões são bem-vindos à minha coleção, não precisa necessariamente ter um lugar estampado. Tenho alguns promocionais, outros de colégios onde meus amigos estudaram, um de um hotel que me hospedei. São reuniões de lembranças minhas ou das pessoas que, lembrando do fato que eu guardava postais, traziam um de cada lugar por onde passavam. A maioria não tem dedicatória, mas eu sei quem me presenteou.
Hoje contei 135 postais. A maioria é de viagens – minhas ou de pessoas queridas. E ao desfolhar meu leque de pedaços do mundo, deparei-me com fotos deslumbrantes, de lugares por onde um dia ainda quero passar. Roma, Campos do Jordão, Londres, Salvador, Araxá, Belo Horizonte, Genipabu, Chamonix, Paris, Bariloche, Las Vegas, Nova York, Pipa, Berlim, Veneza, Santiago do Chile, Praga e até o Museu do Olho, do Oscar Niemeyer, que estava fechado nas duas vezes em que tentei conhecer.
É uma viagem e tanto, uma volta ao mundo para ser concluída em 80 anos e com muito dinheiro e desapego. Mesmo assim, não me desanimo. Trago aqui dentro o sonho e a chama, que ora vira brasa, bastando uma faísca para reacendê-la. Quero ver o que outros já viram e me trouxeram. Quero que esses pedaços de mundo guardados no meu pacote azul fiquem guardados também aqui dentro, nas gavetas que estou esvaziando para que possam receber coisas novas.

Comentários

João disse…
Esse texto me fez lembrar que, das várias coleções de figurinhas que fiz quando criança, uma delas era a do PING PONG (aquele chiclete, para quem não lembra) VOLTA AO MUNDO.
Outra lembrança foi a do filme DIÁRIOS DE MOTOCICLETA.
Mas melhor seria se saíssemos das referências externas - da figurinha ou a experiência dos personagens no filme - e experimentássemos conhecer cada foto do postal 'in loco'.
Graci Polak disse…
Vou te mandar um cartão promocional do Reinaldo Gianechini, que guardei para dar para a Paula, e outro de Canoinhas, se que é existe.

Vc é que escolhe entre conhecer Canoas ou Giane, hehe...
Camila Rufine disse…
Vivo tentando começar coleçoes também. E viagens. Quem sabe um dia né?

Ps: Se quiser um de chicago, é só mandar o seu endereço pra mim.
va_nessals disse…
Nossa, agora me lembrei que trouxe um postal pra vc de Natal e um de Buenos Aires... Acho q vou ter que mandar pelo correio...

Postagens mais visitadas deste blog

Das esperanças

Hoje consegui parar em frente ao computador e com um pouquinho de tempo para responder às suas angustiantes letras. Hoje, esperando que você esteja melhor, parei para te escrever que, sim, acredito no amor. Com o tempo, os tombos, os tropeços e as cravadas na saída (qual ginasta olímpica), com as fichas caídas, os choros copiosos e soluçados para os meus travesseiros... Passado tudo isso, posso dizer que, mesmo que mais 200 relacionamentos meu acabem daqui para frente, sim, acredito no amor. Aprendi que o amor não acaba, ele só muda de rosto. O amor é nosso, amiga. A gente entrega para quem estiver mais disposto, para quem estiver atento no lance, para quem se encaixar com a gente. Por enquanto é essa neblina, esse tempo turvo, que parece que não vai desanuviar nunca, mas ó. Vai passar. E te diria isso mesmo sem estar em um relacionamento. Te diria isso numa manhã de fevereiro, antes e depois do carnaval, quando eu ainda nem  o conhecia. Diria isso mesmo depois de ter perdido um ou…

O reinado dos Castelões

Existem lugares que são verdadeiros achados, residindo insuspeitos no meio do caminho. Castelões é um deles. Num domingo quente e sem planos, topei com ele em uma rua deserta do Brás, onde morei por um ano e meio. Nesse tempo, acostumei-me, embora muita gente torcesse o nariz, às ruas feias do bairro que já chegou a ser mais conhecido na Itália que a própria São Paulo. Hoje o Brás perdeu um pouco do encanto e o título de ‘berço’ italiano acabou ficando para a Mooca, entre os menos entendidos. Para o Brás, sobrou a fama de sujo, feio, perigoso e casa de um Arnesto meio esquecido.
Por isso, nem me abalei quando meu então namorado sugeriu que almoçássemos num lugar que de longe tinha aparência meio duvidosa.No Brás tudo tem esse quê de capenga. Mas Castelões foi um engano nesse sentido. Ao chegar perto você percebe que sim, está diante de um lugar raro. A placa é de 1924 e não é mentirosa. O restaurante existe lá desde então. Trata-se do local mais antigo funcionando ininterruptamente n…

Prece de inverno

Minha mãe diz que arrumar a cama todo dia faz a gente ficar protegido. Confesso que nem sempre lembro. Às vezes é escolher entre a cama, lavar a louça do café ou assistir um pouco de tevê. A coberta meio embolada, o pijama jogado no canto, travesseiro caído no chão. Hoje numa calçada encontrei um morador em situação de rua arrumando a dele. Confesso que nem sempre reparo neles. Às vezes é a pressa, noutras estou resolvendo alguma coisa na tela, em algumas estou de olho nas vitrines. Eu meio distraída, desviando dos senhores, das senhoras e de suas casasmóveis. O homem arrumava a cama com tanto zelo que prendeu meu olhar. Confesso que uma partezinha de mim pensou para que tanto cuidado em arrumar algo que qualquer um podia bagunçar. Vi sua mão colocando a coberta azul bem certinha embaixo do colchão fininho, dobrando bonito perto do travesseiro, passando a mão por cima para tirar toda ruga. Eu pensando que aquela cama era toda a sua casa, tanto esmero que valia.
Desejei aquele cuid…