Rícecla

A ingenuidade, cavada em doses de paciência. Noutras a perspicácia. Saber mais até que as entrelinhas. Entre os dedos, as frestas. A vontade de desmoronar, arrasar moinhos, queimar as velas. Eu sou maior que a minha fome, a sede das coisas terrenas e abstratas. Ou sou aquela pequena. Demasiado pequena para o tamanho dos passos. Sou o meu esmalte púrpura ou a cara amassada da manhã? A fragilidade da porcelana, o acorde seco, o ritmo compassado dos passos na manhã gélida. O estopim da prisão. O café solúvel, a armadora volúvel, a firmeza nas opiniões. A incompreensão. O desenrolar, o porto. A sombra. Sou a maquiagem impecável e o desalinho. O ontem, o amanhã. A unha roída, o urro de dor. Sou o dedo que adianta os ponteiros. O sal do almoço, a falta de açúcar no café da manhã. Sou o peso das sacolas. O xis nas datas, o arrancar das folhas. Sou o mastigar. O verde que passa a marrom. A espinha, a dorsal e a do queixo. A pressa. A gueixa. A pétala despedaçada, que, secando, encolhe. A coragem de segurar firme. Sou o som do cravo, a unha encravada, A ira, o sonho recorrente, o medo da pedra, do vento no alto. Unhas, dentes e carne. Sou a carne trêmula, a carne que goza, a carne quase sempre flácida. A menina da foto da identidade. O empacotar. A necessidade. Sou o desentupir do ralo, os cabelos emaranhados, o inconformismo. A velha das dores nas costas. O jogo da velha. O escambau. Todo dia o pegar no sono, o digitar das teclas. Se sou o que choro, e meu choro não tem justificativa, sou a falta de respostas? As perguntas, as letras. O cedilha, o til, o itálico. O ponto de interrogação. A onda que vem e não quebra, a maré cheia, castigando as pedras. Os pingos, tópicos, reticências.

Todas. Sou todas. E todas querem. Ainda não sei qual escutar.

6 comentários:

{ Diangela } at: 3 de março de 2010 03:42 disse...

Precisas palavras! Sou o que ainda não sou. :S

{ Camila Rufine } at: 3 de março de 2010 18:34 disse...

Escute todas, até as que se contradigam.

;)

Bjos, Tati.

{ L. } at: 3 de março de 2010 18:51 disse...

Escute todas, concordo!!!

{ Klaus } at: 3 de março de 2010 19:47 disse...

Li, adorei, relerei pra compreender. Amanhã.

{ Scheyla Joanne Horst } at: 4 de março de 2010 06:25 disse...

Gostei dessas; "A velha das dores nas costas. O jogo da velha". hehe, bem bom seu texto, Tati!

{ Juliana Cruz } at: 4 de março de 2010 07:39 disse...

te entendeo...respirar fundo e agir de forma egoista funciona pra mim...

 

Copyright © 2010 • ::: salto baixo • Design by Dzignine