Pular para o conteúdo principal

Capítulo

Um sábado à noite sozinha faz a gente pensar em muita coisa. Ao som de Janis Joplin, os pensamentos voam e a gente quase se teletransporta. Quando canso do passeio, desligo o som, ligo a televisão e só escuto o final da novela. Nunca assisto, mas incrivelmente sei tudo que está havendo. Tudo faz sentido.
Lembrei de quando eu assistia a novelas e da sensação que me dava quando eu ouvia a música da abertura ao final do último capítulo. Era uma coisa estranha, de algo sendo visto e ouvido pela última vez. Tanta coisa passou até todo mundo casar, ter filho, até todo mundo (com exceção de um ou outro vilão), quase em uníssono, decretar: esse é o dia mais feliz da minha vida. Pronto, a felicidade aportou.
Lembrei também de um churrasco ao qual fui, onde um dos convidados tocava violão e uma menina arriscou cantar Janis. Primeiro timidamente, depois com a força toda dos seus pulmões. Gostei de ouvi-la. Nunca mais voltei àquele lugar e talvez jamais volte. Mas ficou a sensação.
Talvez, a vida seja isso. Sensações, lembranças de sensações e a devida importância que damos a elas. A sensação atual é de um limbo, um vazio, algo estranhamente situado entre um lugar onde se esteve e outro, aonde se vai chegar. Talvez, eu nunca aprenda a enxergar a beleza de um estado de transição. Falta algum sentido, sempre falta. E o que mais incomoda é não ver o sentido de se estar aqui, ainda, e de não estar lá, ainda.
Talvez, o ainda seja só uma forma de ver as coisas. Talvez, eu ainda não tenha encontrado a beleza no trajeto.

Comentários

Graci Polak disse…
Uma vez, Tati, lendo Guimarães Rosa, tive de parar e pensar em um trecho em que tropecei: "o real não está na saída nem na chegada: ele se dispõe pra gente é no meio da travessia". Sei lá, mas senti alguma esperança com isso, porque muitas vezes eu penso que esse estado de transição, que não passa, não serve para absolutamente mais nada que me deixar no mesmo limbo a que você se referiu.

É, talvez eu esteja com problema, hehe.

(e vi a novela e ouvi Janis, exatamente como você escreveu. Me-do!)

Se cuida aí.
Bjoo!
FABI disse…
O final da novela foi estranho mas o depoimento final foi bem bacana, cheguei a chorar.

E fiquei pensando na sua angústia (ou agonia) de estar aí e não aqui... se fosse eu já tinha aprendido a fazer artesanato e já estaria morando por aqui, se não der certo uma carreira pelo menos vc teria o plano B... pano de prato na Sé e/ou quadros no Anhangabaú!
Fred Matos disse…
Tati,

Retribuo a sua visita deixando também aqui a resposta ao seu comentário lá no nas horas e horas e meias, e passo a acompanhar o seu blog que gostei muito:

Fico contente com a coincidência, Tatiana, até porque todo mundo que nasce em 24 de Outubro é gente boa. Dizem os esotéricos que pertencemos aos “Gênios da Humanidade”, pessoas cujas almas imortais, já viveram muitos séculos seguidos na Terra e que nunca estarão sujeitos à corrupção.

Diz-se ainda que para os Gênios da Humanidade existem costumes e leis admiráveis e, portanto, que não se têm um anjo específico para cada data de nascimento dos Gênios da Humanidade, pois, todos os nascidos nestas datas são protegidos por todos os Anjos de qualquer categoria.
Acredita-se também que os nascidos em 24 de Outubro são muito emotivos, possuem forte intuição, tendo grandes capacidades para desenvolver capacidades paranormais.
Além disso seríamos regidos por Osíris, deus dos deuses e da regeneração de tudo o que morre.
Mesmo tendo uma imensa dificuldade a aceitar racionalmente essas afirmações eu as aceito como paradigma, quiçá essa aceitação me torne uma pessoa melhor.


Beijos
Diangela disse…
"Encontrar a beleza no trajeto" me lembre de lembrar disso para fazer uma nota mental... hehe
Comovente, sempre!
Beijo
Dai disse…
De repente leio seu blog, coisa que, confesso, raramente faço, e me deparo com a mesma sensação. Será que poruqe somos amigas e passamos juntas por várias sensações mesmo distantes?? OU porque seja um sentimento comum a nossa fase. Estou no meio do caminho e me sinto a vontade para contar essa fraqueza. Não esotu aqui e nem lá...E busco, CANSAVELMENTE, um sentido para tudo ou simplesmente um caminho para seguir...
Obrigada por iluminar meu vago caminho...
Carla Leão disse…
Amei o blog!
vai pra minha lista de favoritos.
Beijo
Deixa o amanhã, e a gente sorri :D

Postagens mais visitadas deste blog

O reinado dos Castelões

Existem lugares que são verdadeiros achados, residindo insuspeitos no meio do caminho. Castelões é um deles. Num domingo quente e sem planos, topei com ele em uma rua deserta do Brás, onde morei por um ano e meio. Nesse tempo, acostumei-me, embora muita gente torcesse o nariz, às ruas feias do bairro que já chegou a ser mais conhecido na Itália que a própria São Paulo. Hoje o Brás perdeu um pouco do encanto e o título de ‘berço’ italiano acabou ficando para a Mooca, entre os menos entendidos. Para o Brás, sobrou a fama de sujo, feio, perigoso e casa de um Arnesto meio esquecido.
Por isso, nem me abalei quando meu então namorado sugeriu que almoçássemos num lugar que de longe tinha aparência meio duvidosa.No Brás tudo tem esse quê de capenga. Mas Castelões foi um engano nesse sentido. Ao chegar perto você percebe que sim, está diante de um lugar raro. A placa é de 1924 e não é mentirosa. O restaurante existe lá desde então. Trata-se do local mais antigo funcionando ininterruptamente n…

Das esperanças

Hoje consegui parar em frente ao computador e com um pouquinho de tempo para responder às suas angustiantes letras. Hoje, esperando que você esteja melhor, parei para te escrever que, sim, acredito no amor. Com o tempo, os tombos, os tropeços e as cravadas na saída (qual ginasta olímpica), com as fichas caídas, os choros copiosos e soluçados para os meus travesseiros... Passado tudo isso, posso dizer que, mesmo que mais 200 relacionamentos meu acabem daqui para frente, sim, acredito no amor. Aprendi que o amor não acaba, ele só muda de rosto. O amor é nosso, amiga. A gente entrega para quem estiver mais disposto, para quem estiver atento no lance, para quem se encaixar com a gente. Por enquanto é essa neblina, esse tempo turvo, que parece que não vai desanuviar nunca, mas ó. Vai passar. E te diria isso mesmo sem estar em um relacionamento. Te diria isso numa manhã de fevereiro, antes e depois do carnaval, quando eu ainda nem  o conhecia. Diria isso mesmo depois de ter perdido um ou…

Prece de inverno

Minha mãe diz que arrumar a cama todo dia faz a gente ficar protegido. Confesso que nem sempre lembro. Às vezes é escolher entre a cama, lavar a louça do café ou assistir um pouco de tevê. A coberta meio embolada, o pijama jogado no canto, travesseiro caído no chão. Hoje numa calçada encontrei um morador em situação de rua arrumando a dele. Confesso que nem sempre reparo neles. Às vezes é a pressa, noutras estou resolvendo alguma coisa na tela, em algumas estou de olho nas vitrines. Eu meio distraída, desviando dos senhores, das senhoras e de suas casasmóveis. O homem arrumava a cama com tanto zelo que prendeu meu olhar. Confesso que uma partezinha de mim pensou para que tanto cuidado em arrumar algo que qualquer um podia bagunçar. Vi sua mão colocando a coberta azul bem certinha embaixo do colchão fininho, dobrando bonito perto do travesseiro, passando a mão por cima para tirar toda ruga. Eu pensando que aquela cama era toda a sua casa, tanto esmero que valia.
Desejei aquele cuid…