Pular para o conteúdo principal

A chegada

Não foi agradável a viagem. A menos que você considere que desagradável é uma palavra muito forte para definir onze horas de voo dividindo o banco com as pernas dobradas da mulher ao lado, que se esparramou para dormir no colo do marido. A menos que desagradável seja uma palavra muito forte para exprimir a vontade irreprimível de ir ao banheiro e enquanto você espera na fila, uma mineira puxa um papo interminável e no exato momento em que você consegue escapar e anuncia a sua nova amiga de que vai entrar no banheiro, a aeromoça grita: Agora todo mundo sentado que tem turbulência!
Assisti a um filme em italiano, para matar a saudade antecipada da língua que eu me esforcei a aprender nesse meio tempo. E com sorriso disfarçado nos lábios, me dei conta que entendi tudo (salvo uma palavra e outra) como se estivesse assistindo em português. Fora o filme e os minutos dedicados à refeição (se você considerar desagradável uma palavra muito forte para definir uma comida, finja que não leu essa parte), tive muitos momentos em que seria possível a minha cabeça trabalhar bastante, algo comum nos meus silêncios. Mas abandonei as reflexões interiores durante a viagem. Não quis pensar nos meus próximos passos, nem mesmo no plano número um de devorar uma coxinha assim que aterrasse os pés em terras brasileiras (melhor dizendo, os pés no aeroporto brasileiro, onde para comer uma coxinha é necessário penhorar um órgão). Quis transformar esse momento no ar em uma pausa fluida e gelatinosa como flutuar no ar dentro de uma bolha. Sem ponto de partida, nem ponto de chegada, um devaneio.
Mas assim que o avião pousou e o comandante anunciou que éramos bem-vindos em São Paulo, eu ouvi os acordes de Luz Negra, do Cazuza. Mal tive tempo de distinguir a música e o grupo evangélico que estava no avião, voltando de uma excursão à Terra Santa, puxou uma calorosa salva de palmas. Assim que deixei de bater uma mão na outra, aproveitei para enxugar minhas lágrimas, que não respeitaram minha intenção de devaneio. Elas pousaram antes de mim.

Comentários

Ai, Tati, que lindo. E que triste. Mas ó, bem-vinda de volta. E que os ares brasileiros te façam tão bem quanto fizeram os estrangeiros. Bjo
Klaus Pettinger disse…
Que mania repugnante vc tem de parar de escrever no final do texto... Alias, q mania de terminar seu textos. Mesmo assim ri com varias passagens (entendeu? Passagens? Ha!). Ah, aprenda 2 coisas: coma td q te dao no aviao, é 'de graça', pra evitar os 5reais por uma agua. E aviao é terra de ninguém, belisque a folgada do seu lado e ignore a aeromoça - só não ignore a turbulencia!haha Bem vinda ao Brasil!
Poxa, Klaus, quando eu escrevo demais você reclama, quando eu escrevo "pouco" você reclama. O que faço, excluo o blog? Huahauahaah

Paulinha, a tristeza foi bem passageira, as lágrimas pousaram e evaporaram assim que eu mastiguei o primeiro grão d feijão! Hehe Beijo!
isa_kagueyama disse…
Ai Tati q lindo!
Seja mto bem-vinda de volta!!!

Mas fazer uma viagem ao lado de gente folgada, ninguém merece... ainda bem q tanto na ida qto na volta, sentei ao lado de dois homens normais, q nem puxavam papo, nem me incomodavam...

Nem falei, mas meus pais perderam a hora pra me pegar no aeroporto, rsrs. Fiquei esperando quase uma hora por eles... isso é q é saudade! kkkkkkkk XD

Bjão e "a presto"
Michele Matos disse…
Ai ai ai, chorei. E que bom te ter de volta nesse Brasil, vem aqui me ver depois e contar tudo!
Eu dou aula de locução no sesc, é divertidooo! =)
Finito Carneiro disse…
Legal, legal... Foi bonito...
E as minhas deram uma folguinha quando você chegou.

Postagens mais visitadas deste blog

O reinado dos Castelões

Existem lugares que são verdadeiros achados, residindo insuspeitos no meio do caminho. Castelões é um deles. Num domingo quente e sem planos, topei com ele em uma rua deserta do Brás, onde morei por um ano e meio. Nesse tempo, acostumei-me, embora muita gente torcesse o nariz, às ruas feias do bairro que já chegou a ser mais conhecido na Itália que a própria São Paulo. Hoje o Brás perdeu um pouco do encanto e o título de ‘berço’ italiano acabou ficando para a Mooca, entre os menos entendidos. Para o Brás, sobrou a fama de sujo, feio, perigoso e casa de um Arnesto meio esquecido.
Por isso, nem me abalei quando meu então namorado sugeriu que almoçássemos num lugar que de longe tinha aparência meio duvidosa.No Brás tudo tem esse quê de capenga. Mas Castelões foi um engano nesse sentido. Ao chegar perto você percebe que sim, está diante de um lugar raro. A placa é de 1924 e não é mentirosa. O restaurante existe lá desde então. Trata-se do local mais antigo funcionando ininterruptamente n…

Das esperanças

Hoje consegui parar em frente ao computador e com um pouquinho de tempo para responder às suas angustiantes letras. Hoje, esperando que você esteja melhor, parei para te escrever que, sim, acredito no amor. Com o tempo, os tombos, os tropeços e as cravadas na saída (qual ginasta olímpica), com as fichas caídas, os choros copiosos e soluçados para os meus travesseiros... Passado tudo isso, posso dizer que, mesmo que mais 200 relacionamentos meu acabem daqui para frente, sim, acredito no amor. Aprendi que o amor não acaba, ele só muda de rosto. O amor é nosso, amiga. A gente entrega para quem estiver mais disposto, para quem estiver atento no lance, para quem se encaixar com a gente. Por enquanto é essa neblina, esse tempo turvo, que parece que não vai desanuviar nunca, mas ó. Vai passar. E te diria isso mesmo sem estar em um relacionamento. Te diria isso numa manhã de fevereiro, antes e depois do carnaval, quando eu ainda nem  o conhecia. Diria isso mesmo depois de ter perdido um ou…

Prece de inverno

Minha mãe diz que arrumar a cama todo dia faz a gente ficar protegido. Confesso que nem sempre lembro. Às vezes é escolher entre a cama, lavar a louça do café ou assistir um pouco de tevê. A coberta meio embolada, o pijama jogado no canto, travesseiro caído no chão. Hoje numa calçada encontrei um morador em situação de rua arrumando a dele. Confesso que nem sempre reparo neles. Às vezes é a pressa, noutras estou resolvendo alguma coisa na tela, em algumas estou de olho nas vitrines. Eu meio distraída, desviando dos senhores, das senhoras e de suas casasmóveis. O homem arrumava a cama com tanto zelo que prendeu meu olhar. Confesso que uma partezinha de mim pensou para que tanto cuidado em arrumar algo que qualquer um podia bagunçar. Vi sua mão colocando a coberta azul bem certinha embaixo do colchão fininho, dobrando bonito perto do travesseiro, passando a mão por cima para tirar toda ruga. Eu pensando que aquela cama era toda a sua casa, tanto esmero que valia.
Desejei aquele cuid…