Pular para o conteúdo principal

Meu caso com o Moacyr Scliar

Eu tinha encasquetado que o tema do meu TCC de faculdade seria sobre as crônicas do Cony, mas minha orientadora sugeriu que eu mantivesse o estudo das crônicas, porém, mudasse o autor. “Conhece o Scliar?”. Não, não conhecia. No mesmo dia parti para a hemeroteca e encontrei várias das suas crônicas publicadas na Folha de S. Paulo. Não demorou para que eu me visse envolvida entre suas linhas, lendo e relendo, fazendo do trabalho de conclusão de curso uma forma de me aprofundar na essência do escritor.
Achei válido ter umas palavras dele no meu trabalho. Consegui seu e-mail com a editora e enviei. Três perguntas. Tive receio de elas serem fracas, de que ele nunca respondesse. Meia hora. A resposta.
“Tatiana: obrigado pelo e-mail e pelo interesse em meu trabalho. Aqui vão as respostas, com abrs. do Moacyr”
Mal contive a emoção. Tempos depois, a elaboração do TCC arrancou-me mais dúvidas e lá fui eu enviar outras três ou quatro perguntas. Atenção idêntica, rapidez idem. Pouco depois de concluir o trabalho, minha turma de Jornalismo produziu um jornal sobre a tradição gaúcha. Para a página 2, típica página de opinião, ninguém tinha idéia de quem pudesse escrever um artigo sobre o tema. Um professor sugeriu que nós convidássemos alguém famoso para escrever. Lembrei logo do Scliar. Enviei um e-mail cheio de formalidades perguntando se, caso não fosse muito incômodo, ele poderia escrever uma crônica sobre o assunto, mas não precisaria ser nada muito longo, só se desse mesmo, porque seria uma honra ter seu nome no nosso jornal e mais um monte de linhas. Deu uma hora e ele respondeu: “Tatiana, aí está a crônica, com abrs. do Moacyr”.
Eu nunca mais entrei em contato, mas a ideia de que eu era “assim assim” com o Moacyr Scliar correu. Até que, no ano seguinte, uma professora perguntou se eu não poderia mandar um e-mail convidando-o a dar uma palestra na faculdade. Eu tinha o e-mail, poderia passar a ela, mas ela imaginou que eu teria mais influência para fazer o convite. Enviei umas palavras e esperava uma resposta igualmente rápida, mas não estava tão convicta que um imortal quisesse viajar até Guarapuava para falar a alguns universitários. Minutos depois o telefone do meu trabalho tocou. “Tatiana? Tatiana, aqui é o Moacyr Scliar, tudo bem?” Gelei a barriga. Achei até que era alguém tirando sarro, mas não. Era ele mesmo. Participei de alguns acertos para o evento e esperei ansiosamente o dia. Imprimi meu trabalho e aguardei ansiosa em frente à porta do auditório até que ele chegasse. Minhas mãos tremiam.
Lembro-me até hoje da professora dizendo: “Scliar, tem alguém aqui que está ansiosa para te conhecer”. Nas minhas mãos trêmulas, além do meu trabalho, três livros esperando autógrafo. Em um deles, no meu preferido, ele escreveu: “Para Tatiana, uma glória para este escritor”. Meu trabalho era motivo de orgulho para ele, o que fui saber mais tarde, quando, em cima do palco, no meio da palestra, ele falou isso. Mas não era só essa surpresa que a noite me reservava. Depois da palestra, a professora organizadora do evento me puxou de canto e perguntou se eu queria jantar com o Scliar e outros professores. Era ela quem iria, mas teve uns imprevistos. Claro que eu queria ir, embora a ideia em si já me causasse arrepios.
Éramos eu, dois professores de Letras e o Scliar. Pensei que ficaria muda e estática todo o jantar, mas falei um bocado. Discutimos literatura, mas também formação, idealizações da faculdade e concretizações no mundo real. Scliar era de uma simplicidade espantosa. Na hora de ir embora, já cansado, ele me deu um abraço e falou: “Guria, boa sorte, é o que te desejo”.
No outro dia mandei um e-mail, agradecendo a palestra e o fato de termos nos conhecido. Pouco tempos depois, emocionada, li:
“Tatiana: obrigado pelo e-mail. Também foi um prazer para mim te encontrar. E a tese, que já estou lendo, é uma beleza! Teu trabalho é motivo de orgulho, para mim! Abrs. Moacyr”
Um tempo depois, curiosa que só, perguntei a ele se ele tinha terminado a leitura e o que tinha achado do texto como um todo. Foi o Scliar gentil, de sorriso largo e simpático, quem respondeu:
“Tatiana: claro que terminei! E gostei muito, não só da análise que você faz como também por seu estilo. Antevejo um grande futuro para você! Receba os parabens, o muito obrigado e o abr. do Moacyr”
Guardo todos os e-mails. Guardava ainda no celular um lembrete com o dia do aniversário dele. Mandava e-mail de parabéns todo ano. Quando soube que ele estava no hospital, acompanhei com o coração apertado e nesta manhã de domingo tudo amanheceu mais triste, mais vazio de palavras. Moacyr Scliar morreu nesta madrugada, na cidade que tanto amava. E eu sou uma das milhões de pessoas que passaram por ele e jamais esqueceram a atenção especial dedicada pelos seus grandes olhos azuis aos seus admiradores. Parece até o título de um livro que ele escreveu, “Eu vos abraço, milhões”. Li certa vez que o título veio de uma frase que ele gostava muito e sempre quis encaixar em alguma de suas obras. Scliar era assim, guardava suas ideias rabiscadas dentro em uma pasta de cartolina para um dia concretizá-las. Como diz um trecho de uma de suas crônicas, "Você está certo, meu jovem amigo. Não só as férias são curtas, a vida também”. A vida pode ter sido curta para executar todas as idéias rabiscadas da pasta de cartolina, mas poucos produziram tanto como você. E o nosso caso, o caso de uma admiradora com seu ídolo, não termina aqui, continuarei lendo e relendo suas letras nos livros, tantos, e nos recortes de jornais que guardo.
Não tem palavra para explicar tristeza de morte, eu prefiro me apegar ao que existiu em vida.

Comentários

isa_kagueyama disse…
Não o conheço nada de sua obra, mas chorei aqui, Tati!
Gizele Cristiana disse…
Quando comecei a ler seu texto, meu coração ficou apertado de saudades de tudo que foi os tempos da faculdade. Mas ao final da leitura entendi que meu coração antevia um motivo a mais para a tristeza sentida. Estou meio desigada dos noticiários, não sabia da enfermidade do Scliar tampouco de sua morte. Sinto muito, amiga! Pelo escritor que é e, principalmente, pela saudade que vai deixar. Beijos Tati
Fiquei muito emocionada ao ler seu texto e fiquei encantada com a forma que os escreve .
Sinto Muito !
Visite o meu blog : vconectado.blogspot.com
Klaus Pettinger disse…
Que lindo Tati! Sabia que você era fã dele, mas não conhecia a história toda! Acho que é o texto mais ¨oin¨ desse blog, impossível não chorar... Se comparar com o entrevistado para o meu TCC (Juca ¨Cavalo¨ Kfouri), então, fico ainda mais admirado e tocado com a atenção que ele te dispensou! E, sim, ele falava só a verdade quando te elogiou! Beijo
Fiquei bem triste também. O conheci por causa de você e ainda não li nada dele, mas sabia o quanto ele era gente boa e o quanto você gostava dele. O mais triste é que ele era um daqueles casos (infelizmente) raros de pessoas que fazem coisas sensacionais e são sensacionais (humanas). Ele deve ter adorado mesmo ter te conhecido e ficaria orgulhoso desse puta texto.
Carlos disse…
Olá, lindo o seu blog parabéns, adorei as postagens!
Irei seguir!
Me faça uma visitinha também. Irei adorar, sou designer de jóias:
http://evolutionjoias.blogspot.com
Carlos J Oliver
Designer de Jóias
sel2211 disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
sel2211 disse…
Tati, impossível não lembrar de você hoje. O único detalhe é que foi por uma causa triste. De qualquer forma, sinta-se uma privilegiada por ter convivido com ele, mesmo que por breves momentos. Tenho certeza, ainda mais após ler o seu texto, de que as lembranças ficarão mesmo guardadas na sua memória. Esteja onde o Moacyr estiver, ele também ficou orgulhoso de ler mais esse relato escrito por você.
Selma
Camila Rufine disse…
Não conhecia o Scliar, mas você me inspirou a querer conhecê-lo. Essa é a vantagem dos escritores: a de poder nos tocar, mesmo depois de mortos.

Beijos, Tati.
João disse…
Após um dia desconectado do mundo, sento a frente da tv e vejo a notícia... Lembrei de ti no ato! Sem dúvida esse encontro foi um momento marcante não só pra ti, Tati, mas pra ele também!
Diangela disse…
Poxa! Sem palavras... Privilégio teu, Tati. E eu concordo com ele, "antevejo um grande futuro pra você".
Lembro de tudo isso. Revivi a facul nestas linhas. Lembro de quando você contava dos e-mails e a felicidade do dia em que foi jantar com ele. Eu só não lembro porque eu não fui à palestra...
Também lembrei de você no momento em que li sobre a morte dele. Sempre lembrarei do seu caso com ele ao ler o nome Scliar!
Beijos
MSN disse…
Tatiana

Você prestou uma bela homenagem ao Scliar, tanto em vida, com o seu trabalho, quanto agora quando ele morreu, com esta página afetiva de memória.
Miguel
Fernand's disse…
fiquei emocionada com tua história. tbm sou jornalista, sei o quanto nos contagia a literatura, ainda mais conhecer o autor, objeto de pesquisa e tese de graduação.

parabéns.
gde bj meu.
Bola, o André disse…
Fiquei triste com a morte dele também, apesar de não conhecer sua obra, só conheço de ouvir falar... Mais triste agora... Belo post Tati, como sempre...

Bjo!!!
Beto disse…
Tati, não tenho cabeça pra te escrever agora mas me emocionei muito com teu texto, algumas ocasiōes conversei com o pai sobre ti (e sobre teu pai).
Perdi meu melhor amigo, meu guia, meu companheiro de aventuras.
Mais qu ser Moacyr escritor, admiro o pai pela simplicidadem, humildade e igualdade que ele tratava as pessoas
tu é show guria!!!


Beto
Este comentário foi removido pelo autor.
Lembro bem a noite que ele esteve na universidade. Recordo bem o que ele disse na palestra, fiquei muito curiosa quando falou de um dos seus livros: "A Mulher que Escreveu a Bíblia". Realmente um escritor marcante. E parabéns Tati pelo seu belo texto, também porque não só conhece o excelente escritor, como também teve a honra de conhecer a pessoa Moacyr Scliar.
Gui Sandi disse…
Curioso, não é?
Depois da morte do Moacyr, pipocaram em blogs relatos de leitores e de aspirantes a escritores (a serem publicados) reiterando o aspecto muito humano de Scliar e de sua agilidade em dar vazão a tanta literatura que impulsionava sua vida e, por conseguinte, as nossas.
Fico muito contente de saber que não só comigo ele foi um homem extremamente atencioso, como com quem dele precisasse. Mais um grande autor e enorme ser humano que alcança a completa liberdade.
glauce disse…
Não o conheço nada de sua obra, mas chorei aqui, Tati!

Fico com esse comentário, foi assim que aconteceu comingo.

"Você está certo, meu jovem amigo. Não só as férias são curtas, a vida também”.

E por isso não posso sair dela sem dizer o quanto tenho orgulho de vc.
Te amo muito, parabéns!
Felipe Lários disse…
Que história bonita, Tatiana! Cliquei no link que vc deixou lá no Blog dos 30 e não consegui parar de ler!

E que gente fina foi este Scliar, hein!?

Parabéns!
Luana V. disse…
Tatiana, gostei de ler seu texto sobre o Scliar! Não conheço bem a obra dele, mas gosto muito do que já li. Abraços!

Postagens mais visitadas deste blog

Das esperanças

Hoje consegui parar em frente ao computador e com um pouquinho de tempo para responder às suas angustiantes letras. Hoje, esperando que você esteja melhor, parei para te escrever que, sim, acredito no amor. Com o tempo, os tombos, os tropeços e as cravadas na saída (qual ginasta olímpica), com as fichas caídas, os choros copiosos e soluçados para os meus travesseiros... Passado tudo isso, posso dizer que, mesmo que mais 200 relacionamentos meu acabem daqui para frente, sim, acredito no amor. Aprendi que o amor não acaba, ele só muda de rosto. O amor é nosso, amiga. A gente entrega para quem estiver mais disposto, para quem estiver atento no lance, para quem se encaixar com a gente. Por enquanto é essa neblina, esse tempo turvo, que parece que não vai desanuviar nunca, mas ó. Vai passar. E te diria isso mesmo sem estar em um relacionamento. Te diria isso numa manhã de fevereiro, antes e depois do carnaval, quando eu ainda nem  o conhecia. Diria isso mesmo depois de ter perdido um ou…

O reinado dos Castelões

Existem lugares que são verdadeiros achados, residindo insuspeitos no meio do caminho. Castelões é um deles. Num domingo quente e sem planos, topei com ele em uma rua deserta do Brás, onde morei por um ano e meio. Nesse tempo, acostumei-me, embora muita gente torcesse o nariz, às ruas feias do bairro que já chegou a ser mais conhecido na Itália que a própria São Paulo. Hoje o Brás perdeu um pouco do encanto e o título de ‘berço’ italiano acabou ficando para a Mooca, entre os menos entendidos. Para o Brás, sobrou a fama de sujo, feio, perigoso e casa de um Arnesto meio esquecido.
Por isso, nem me abalei quando meu então namorado sugeriu que almoçássemos num lugar que de longe tinha aparência meio duvidosa.No Brás tudo tem esse quê de capenga. Mas Castelões foi um engano nesse sentido. Ao chegar perto você percebe que sim, está diante de um lugar raro. A placa é de 1924 e não é mentirosa. O restaurante existe lá desde então. Trata-se do local mais antigo funcionando ininterruptamente n…

Prece de inverno

Minha mãe diz que arrumar a cama todo dia faz a gente ficar protegido. Confesso que nem sempre lembro. Às vezes é escolher entre a cama, lavar a louça do café ou assistir um pouco de tevê. A coberta meio embolada, o pijama jogado no canto, travesseiro caído no chão. Hoje numa calçada encontrei um morador em situação de rua arrumando a dele. Confesso que nem sempre reparo neles. Às vezes é a pressa, noutras estou resolvendo alguma coisa na tela, em algumas estou de olho nas vitrines. Eu meio distraída, desviando dos senhores, das senhoras e de suas casasmóveis. O homem arrumava a cama com tanto zelo que prendeu meu olhar. Confesso que uma partezinha de mim pensou para que tanto cuidado em arrumar algo que qualquer um podia bagunçar. Vi sua mão colocando a coberta azul bem certinha embaixo do colchão fininho, dobrando bonito perto do travesseiro, passando a mão por cima para tirar toda ruga. Eu pensando que aquela cama era toda a sua casa, tanto esmero que valia.
Desejei aquele cuid…