125x125 Ads

Identidade

0 comentários
Texto meu no Blog das 30 Pessoas.
Mais informações »

Eu te juro, Augusta

6 comentários

A Augusta, desgraçada, raptou-me a bolsa

Os óculos de sol e os de enxergar bem

A Augusta, pilantra, roubou meus cartões do banco

Minha identidade, meus remédios, meus florais


A Augusta, safada, carregou meu MP3

Meu dinheiro, as chaves, os boletos

A Augusta, cachorra, me fez trocar a fechadura

Obrigou-me a prestar queixa

Fez da minha vida um caos

Justo eu que a amava tanto


Não contente, a Augusta, calhorda, furtou meu celular

E, insolente, fez uma ligação pro Peru

A Augusta, covarde, gastou todo meu crédito

A puta.


Ainda bem que Augusta me deixou

Um amor e dois amigos profetas

Pra me consolar

E emprestar o ombro,

Um dinheiro e o celular.


Mesmo assim, Augusta, bandida, ainda me pagas

Por não me deixar imune

Por me incluir nas estatísticas

Por todos os protocolos

Por ser tão cheia de gente, tão confusa

E tão cosmopolita.



Mais informações »
 

Copyright © 2010 • ::: salto baixo • Design by Dzignine