Pular para o conteúdo principal

Dos males o metrô


Costumo dizer que Deus deu a dignidade aos homens mas cortou o benefício para quem pega a linha vermelha do metrô. Não acredito em ninguém que me diga ser civilizado pegando metrô naquele fluxo de gente, em dia de semana, horário de pico. Uma vez li que 3 milhões de pessoas se deslocam da Zona Leste para trabalhar e estudar todos os dias. Creio que 95% delas estão no metrô que pego toda manhã. É porque eu moro na última estação antes da Sé, onde desemboca tudo. Então, na minha estação chegam metrôs lotados de outras 11 estações - acredito que as mais badaladas em termos de transporte público.
A primeira vez que peguei (ou melhor, tentei pegar) o metrô na vermelha, entendi o que as pessoas querem dizer com: barbárie. Depois do 5º metrô passar e você não entrar, você espuma. É preciso estar preparado para pegar suas armas e lutar, como gladiadores em uma arena. A luta não é só física, mas também psicológica (já presenciei pessoas usarem palavras de baixo calão a fim de desestabilizar o concorrente). Tenha consciência de que o inimigo pode ser qualquer um. A velhinha, o cara com muletas, a mulher que puxa uma perna. É apenas você contra o resto do mundo.
Ao escolher onde esperar seu vagão, geralmente você não está sozinho. Então, o segredo é estudar seus oponentes. Reza a lenda que quem chegou antes tem preferência. Esqueça. Todos são inimigos, bárbaros inimigos, então, golpes baixos são permitidos. Parada em frente ao vagão, estudo friamente o movimento alheio, enquanto espio de rabo de olho se em outro vagão sai um número consideravelmente de pessoas – o que raramente acontece, mas quando acontece, a ideia é se deslocar rapidamente para aquele local. Leia-se: correr esbaforido. É a sua hora. Não hesito em mostrar às pessoas que estou ali para vencer e entrarei naquele vagão a qualquer custo, mesmo com os olhares raivosos de quem já está ali dentro.
O esquema é muito simples. Sai um entra um. É praticamente impossível entrar em um metrô lá sem que ninguém saia, porque não há espaço suficiente para um mosquito. Por isso, a saída de alguém é sua única chance. Quem está lá dentro, porém, faz parte de uma verdadeira cúpula do mal, tentando maquiar a verdade de que há lugar para um ser vivo e assim relaxa, diminuindo o espaço. Ignore. Seu lugar ao sol, ou melhor, dentro do vagão, é conquistado com muito suor, persistência e cotovelos.
Já vi muita gente surtar esperando o metrô. Num dia tenso, em que passaram uns 12 trens e eu não entrava em nenhum, vi uma menina parada em frente ao vagão do lado se jogar pra dentro. Acontece que lá havia um paredão de gente formado, não havia espaço para viv’alma. Foi meio que um bate-volta. Ela se jogou, deu de cara com as pessoas e voltou. Ninguém nem xingou, ficou meio estarrecido mesmo. No que ela grita: mas é o 4º metrô que passa e eu não entro! As pessoas (lembro-me particularmente de uma senhora) a fitavam com cara de: eeee? enquanto a porta se fechava. Tadinha. Já aconteceu comigo de me apegar a essa tenacidade. Pensei: “entro nesse e ninguém me impedirá!”. Às vezes dá certo.
É que pegar metrô na linha vermelha, assim como a vida, é uma questão de sorte. Já fiquei parada em frente a um mesmo vagão do qual não saía ninguém por 5 vezes, mas insisti nele porque pressenti que ia dar certo, tal qual um apostador viciado que persevera no mesmo cavalo velho. Já consegui entrar de primeira, mas ao invés de me deixar feliz, isso me lembra de que a vida é redonda e que na próxima estação vou me ferrar.
Como disse, moro apenas a uma estação da Sé, portanto, não fico mais de 5 minutos no sufoco. Mas é nesse caminho que está a maior parte da perda da dignidade que mencionei antes. Não se pode ligar se relam em você, porque as pessoas não simplesmente se relam de propósito, elas se transformam num bloco só. Mesmo se um cara for um tarado pervertido, creio que ele não consegue fazer nada nesse trecho. Não há espaço para locomoção. Uma vez estava mandando mensagem no celular quando o trem chegou e fiz menção de continuar escrevendo dentro dele, no que um senhor me olha estremecido. Nenhum movimento, tal qual como erguer um braço ou coçar o nariz, é permitido, pois isso acarretará em uma perda de espaço para o companheiro ao lado. Que caia o nariz de tanto coçar.
Bom, entrar e permanecer são grandes desafios, mas sair é outro capítulo à parte. Basicamente porque entro em um lado do metrô e saio do outro. Como disse, na Sé desemboca tudo, então, querendo ou não você será expelido. No começo eu sentia medo de não conseguir descer, até porque a turba enfurecida está sempre a apenas uma porta de distância atrás de mim e, quando aquela porta abrir meu filho, será como abrir a portinha para o touro. Você é o toureiro infeliz, importante ressaltar. Com o tempo passei a me despreocupar. É só erguer as mãos, dar glória a Deus e esperar ser carregado. Como disse um cara que li, o metrô é tão lotado que se largar um morto em pé no meio da rapeize ele desce na Sé e faz até baldeação.
Mas por incrível que pareça, ao contrário de muita gente por aí, chegar na Sé é meu prazer diário, o meu “sobrevivi” de toda a manhã. Depois do caminho anterior, as estações que me separam do trabalho não são nada. E mesmo nessas condições bárbaras, prefiro o metrô ao ônibus, com o qual não me dou bem. Carro, se soubesse dirigir e tivesse um, também não seria minha primeira opção, porque ficar parada por horas não é comigo. Dos males o menor. Dentro do metrô a gente se aperta, a gente se rela, a gente se une forçadamente, mas a gente escuta histórias divertidíssimas de pessoas ao lado, faz amizades e colegagens, dá risada com algumas situações constrangedoras e, principalmente, torce para que não seja preciso esperar muito tempo o trem à frente. Porque, meu bem, o metrô anda tão lotado que estou vendo a hora de alguém ser ejetado lá de dentro.

Comentários

Linha vermelha é um Uruguai saindo e voltando pra casa todos os dias, e não dê boi pros velhos, eles são o que há de pior na maldade metroviária.
Klaus Pettinger disse…
Nossa, li tudinho sem piscar, imaginando essa barbárie! Quem não vivencia isso, e nem falo de estrangeiros, não tem noção do que significa! Bom que vc aprendeu a relaxar: "É só erguer as mãos, dar glória a Deus e esperar ser carregado. ".. hahaha
Diangela disse…
Alô, Globo! Chama a Tati, vai...
Risa disse…
kkkkkkkkkkkkkkkk, me rachei de rir. Pego na Patriarca e faço parte da massa que já esta lá dentro qdo vc tentam entrar.
Tudo que vc escreveu é verídico kkkkkkkkkk ótimo!

Postagens mais visitadas deste blog

Das esperanças

Hoje consegui parar em frente ao computador e com um pouquinho de tempo para responder às suas angustiantes letras. Hoje, esperando que você esteja melhor, parei para te escrever que, sim, acredito no amor. Com o tempo, os tombos, os tropeços e as cravadas na saída (qual ginasta olímpica), com as fichas caídas, os choros copiosos e soluçados para os meus travesseiros... Passado tudo isso, posso dizer que, mesmo que mais 200 relacionamentos meu acabem daqui para frente, sim, acredito no amor. Aprendi que o amor não acaba, ele só muda de rosto. O amor é nosso, amiga. A gente entrega para quem estiver mais disposto, para quem estiver atento no lance, para quem se encaixar com a gente. Por enquanto é essa neblina, esse tempo turvo, que parece que não vai desanuviar nunca, mas ó. Vai passar. E te diria isso mesmo sem estar em um relacionamento. Te diria isso numa manhã de fevereiro, antes e depois do carnaval, quando eu ainda nem  o conhecia. Diria isso mesmo depois de ter perdido um ou…

O reinado dos Castelões

Existem lugares que são verdadeiros achados, residindo insuspeitos no meio do caminho. Castelões é um deles. Num domingo quente e sem planos, topei com ele em uma rua deserta do Brás, onde morei por um ano e meio. Nesse tempo, acostumei-me, embora muita gente torcesse o nariz, às ruas feias do bairro que já chegou a ser mais conhecido na Itália que a própria São Paulo. Hoje o Brás perdeu um pouco do encanto e o título de ‘berço’ italiano acabou ficando para a Mooca, entre os menos entendidos. Para o Brás, sobrou a fama de sujo, feio, perigoso e casa de um Arnesto meio esquecido.
Por isso, nem me abalei quando meu então namorado sugeriu que almoçássemos num lugar que de longe tinha aparência meio duvidosa.No Brás tudo tem esse quê de capenga. Mas Castelões foi um engano nesse sentido. Ao chegar perto você percebe que sim, está diante de um lugar raro. A placa é de 1924 e não é mentirosa. O restaurante existe lá desde então. Trata-se do local mais antigo funcionando ininterruptamente n…

Prece de inverno

Minha mãe diz que arrumar a cama todo dia faz a gente ficar protegido. Confesso que nem sempre lembro. Às vezes é escolher entre a cama, lavar a louça do café ou assistir um pouco de tevê. A coberta meio embolada, o pijama jogado no canto, travesseiro caído no chão. Hoje numa calçada encontrei um morador em situação de rua arrumando a dele. Confesso que nem sempre reparo neles. Às vezes é a pressa, noutras estou resolvendo alguma coisa na tela, em algumas estou de olho nas vitrines. Eu meio distraída, desviando dos senhores, das senhoras e de suas casasmóveis. O homem arrumava a cama com tanto zelo que prendeu meu olhar. Confesso que uma partezinha de mim pensou para que tanto cuidado em arrumar algo que qualquer um podia bagunçar. Vi sua mão colocando a coberta azul bem certinha embaixo do colchão fininho, dobrando bonito perto do travesseiro, passando a mão por cima para tirar toda ruga. Eu pensando que aquela cama era toda a sua casa, tanto esmero que valia.
Desejei aquele cuid…