Pular para o conteúdo principal

O pote de açúcar

Morei por cerca de três meses com quatro homens. Dormia na sala, num colchãozinho arranjado, e minhas roupas ficavam dobradas em cima da mala em um canto do cômodo. Algumas pessoas ainda estranham quando eu conto isso e me obrigam a detalhar que os quatro na verdade eram: um grande amigo, o irmão dele e outros dois que dividiam apartamento. Muito generosos, eles me acolheram na república quando eu, depois de ter arrumado um emprego em São Paulo, não tinha casa. Deixaram-me permanecer lá, pelo tempo necessário. Jamais vou me esquecer disso.
E não esqueço ainda os ensinamentos dessa convivência. Uma convivência muito fácil, diga-se de passagem. Com quatro mulheres, não sei se duraria tanto. Salvo alguns percalços aqui e acolá, os homens são mais fáceis de lidar. Não vou reduzi-los a uma mesma personalidade, mas, em geral, eles não oscilam tanto, não se exaltam tanto, não veem tantos problemas onde não existem tantos problemas.
Nada contra o clã feminino, ressalto. Mas tenho pra mim que, mais do que me salvar a vida e me dar um teto por três meses, os meus colegas de apartamento me proporcionaram uma experiência quase antropológica. Entendi muito do mundo dos machos depois dessa. E todo meu aprendizado pode ser resumido a um exemplo concreto: o pote de açúcar.
Na cozinha existia um pote de açúcar grande, capaz de abrigar uns cinco quilos do alimento. Num dos meus primeiros dias de hóspede, em que precisei adoçar algo na xícara, perguntei onde guardavam o açúcar e me apontaram o recipiente na prateleira. Reticente, passei os olhos em volta procurando um açucareiro menor, esses de mesa, mas como a mesa tinha tudo e qualquer outra coisa, exceto um porta-açúcar, retirei o potão do armário, já buscando uma colher na gaveta. “Não”, me disseram. “Aí dentro”.
Sim, o pote tinha uma colher de sopa espetada na montanha de açúcar. A mecânica era muito simples e consistia em levar o açúcar à xícara com essa colher, que também servia para mexer dentro da xícara, sendo devolvida ao pote (dava pra passar uma aguinha na torneira antes, não sei se todo mundo levava à risca essa regra).
Pronto. Quer praticidade maior? Diz-me, ó céus, para que intermediários, quando o caminho pode ser direto e reto? Eis a chave, garotas, do mundo masculino. Tudo é muito simples, tal e qual um pote de açúcar com a colher dentro. Não sejamos tão burocráticas no entendimento. Não exijamos ou utilizemos um açucareiro, uma colher para passar o açúcar do pote para o açucareiro, outra para pegar o açúcar do açucareiro e despejar na xícara e outra colher ainda menor para mexer o líquido na xícara. Percebe o cansaço? Percebe por que muitos homens se enfastiam, enfezam-se, até, com toda a complexidade de emoções que lhes é exigida e que eles, por natureza, não conseguem ter?
Depois do meu estudo de caso, em campo, obrigo-me, às vezes a contragosto, a advogar em favor de alguns homens. Diante de todo o caminho tortuoso cheio de fios, hipóteses, teorias da conspiração, de todas as suposições e conjecturas tecidas, presumidas e induzidas por, e apenas por, uma mulher desesperada e à beira de um ataque de pânico, balanço a cabeça por alguns segundos e penso que aquele homem não conseguiria sobremaneira imaginar que um simples gesto renderia tal conto de realismo fantástico.
Sem menosprezo. Não se trata de subtraí-los a uma capacidade emocional menor. Trata-se apenas de imaginar que, diante da tarefa de guardar açúcar na cozinha, um homem precisa de um pote e uma colher, somente. Já a mulher tende a embaraçar a missão e, como se não bastasse, inclina-se a exigir do homem que raciocine como ela, que mexa o açúcar como ela, e que adivinhe que o caminho mais difícil é, obviamente, o único possível.
Que não se torne regra, mas, minha filha, o homem não liga às vezes porque não deu pra ligar. Disse o que disse porque era o que estava pensando, te juro. Chamou pra sair às 9 da noite porque foi o único horário que deu, ou porque é a hora que ele pensa em fazer alguma coisa. Sumiu porque sumiu, não dava mais. É duro, chicas, mas os homens, em geral, são feitos de poucas surpresas. Claro, também existem os jogadores e, além deles, os melindrosos, os medrosos, os perversos, os mimados, os babacas. Esses pregam umas surpresinhas ruins, mas, se você notar bem, tudo é muito previsível.

A imprevisibilidade dos homens é inversamente proporcional à complexidade feminina e a sua capacidade de surtar. Se não foge à regra, o homem, esse mesmo, aí do seu lado, ou na tela do seu celular, é bem simples. É só um cara mexendo o açúcar com a colher do pote.

Comentários

Gisa disse…
Muito bom, como sempre, isso me fez lembrar o Mateus que quando foi morar sozinho, veio me contar todo feliz (para meu desespero) a descoberta que cozinhar miojo na chaleira era ótimo pois não precisava escorrer, pq a chaleira já tinha peneira kkkkkkkkkkkk
Klaus Pettinger disse…
Obrigado, Tati, por prestar esse serviço inestimável à perpetuação da espécie humana! Enquanto comia o atum ralado direto da lata, sentado na ponta da cama, vi um fio de esperança no horizonte! Obrigado!

Postagens mais visitadas deste blog

O reinado dos Castelões

Existem lugares que são verdadeiros achados, residindo insuspeitos no meio do caminho. Castelões é um deles. Num domingo quente e sem planos, topei com ele em uma rua deserta do Brás, onde morei por um ano e meio. Nesse tempo, acostumei-me, embora muita gente torcesse o nariz, às ruas feias do bairro que já chegou a ser mais conhecido na Itália que a própria São Paulo. Hoje o Brás perdeu um pouco do encanto e o título de ‘berço’ italiano acabou ficando para a Mooca, entre os menos entendidos. Para o Brás, sobrou a fama de sujo, feio, perigoso e casa de um Arnesto meio esquecido.
Por isso, nem me abalei quando meu então namorado sugeriu que almoçássemos num lugar que de longe tinha aparência meio duvidosa.No Brás tudo tem esse quê de capenga. Mas Castelões foi um engano nesse sentido. Ao chegar perto você percebe que sim, está diante de um lugar raro. A placa é de 1924 e não é mentirosa. O restaurante existe lá desde então. Trata-se do local mais antigo funcionando ininterruptamente n…

Das esperanças

Hoje consegui parar em frente ao computador e com um pouquinho de tempo para responder às suas angustiantes letras. Hoje, esperando que você esteja melhor, parei para te escrever que, sim, acredito no amor. Com o tempo, os tombos, os tropeços e as cravadas na saída (qual ginasta olímpica), com as fichas caídas, os choros copiosos e soluçados para os meus travesseiros... Passado tudo isso, posso dizer que, mesmo que mais 200 relacionamentos meu acabem daqui para frente, sim, acredito no amor. Aprendi que o amor não acaba, ele só muda de rosto. O amor é nosso, amiga. A gente entrega para quem estiver mais disposto, para quem estiver atento no lance, para quem se encaixar com a gente. Por enquanto é essa neblina, esse tempo turvo, que parece que não vai desanuviar nunca, mas ó. Vai passar. E te diria isso mesmo sem estar em um relacionamento. Te diria isso numa manhã de fevereiro, antes e depois do carnaval, quando eu ainda nem  o conhecia. Diria isso mesmo depois de ter perdido um ou…

Prece de inverno

Minha mãe diz que arrumar a cama todo dia faz a gente ficar protegido. Confesso que nem sempre lembro. Às vezes é escolher entre a cama, lavar a louça do café ou assistir um pouco de tevê. A coberta meio embolada, o pijama jogado no canto, travesseiro caído no chão. Hoje numa calçada encontrei um morador em situação de rua arrumando a dele. Confesso que nem sempre reparo neles. Às vezes é a pressa, noutras estou resolvendo alguma coisa na tela, em algumas estou de olho nas vitrines. Eu meio distraída, desviando dos senhores, das senhoras e de suas casasmóveis. O homem arrumava a cama com tanto zelo que prendeu meu olhar. Confesso que uma partezinha de mim pensou para que tanto cuidado em arrumar algo que qualquer um podia bagunçar. Vi sua mão colocando a coberta azul bem certinha embaixo do colchão fininho, dobrando bonito perto do travesseiro, passando a mão por cima para tirar toda ruga. Eu pensando que aquela cama era toda a sua casa, tanto esmero que valia.
Desejei aquele cuid…