Pular para o conteúdo principal

3 anos de vida na selva de pedra lascada

São Paulo, meu amor.

Ontem mesmo tu me roubou o celular. Há uns dois anos foi a bolsa toda. Tua filha Augusta está cada dia mais malandra. Mesmo assim, mudei-me pra perto dela. Aliás, é mais fácil te amar estando bem localizado. Consigo chegar mais rápido e fácil nos teus desalinhos. Ou nos teus bares chiques, em todos teus respiros.
É por te amar que me lasco tanto. É esse teu trânsito sufocante, não só de carros, mas das tuas gentes de pernas brancas, pretas e amarelas. Todas automáticas rumo ao bonde. É essa sua mania de chover às cinco da tarde, cidade-pranto, de chorar copiosamente em cima do povo fudido e de mim, lascada, quase sempre sem sombrinha. São esses corações duros, emparedamento tamanho que faz chocar qualquer coisa de gentileza.
Mon amour, tu me dá gente de presente e arranca na mesma proporção. Me dá experiências fantásticas, todas com fila. Porque tu pulsas, cidade-coração, é maiúsculo o som de tuas esquinas. É essa barulheira mesquinha, cada qual falando do outro sempre falando de si. É esse maldamento coletivo e tão estranhamente individual. É isso que me cansa, se me permite.
Sempre sonhei encontrar em alguém um lar. E foi em ti, cidade-casa, que me baguncei. Foi nesse tanto de sonho pulando que encaixei o meu. Nesse teu mau-humor matinal abriguei meu acordar. O Marcelino Freire diz que em todas as tuas outras irmãs se desperta. Em ti se acorda. Em Fortaleza, em Recife, em Porto Alegre e até em Curitiba espreguiça-se mesmo que em frações de segundos. Em ti, cidade-despertador, uma buzina entra tão alto na fresta da janela que me arranca as cobertas. Brutalmente.
Todo dia um anjo torto me carrega pela mão e me defende dos teus perigos. De alguns não. De ser viciada em ti, de mendigar tuas trovas, de repousar em tua desordem com sorriso de canto de boca, pós-amor bem feito. Já me vejo enredada, cidade-trama, na teia que você armou chamada neurose coletiva. Há 3 anos tu me lasca e, embora pareça ser canto trágico, vejo-me romanticamente envaidecida por deixar-me ser parte da tua massa cinzenta. De gente, de nuvem.
Perdoo-te por ser louca. Por ser caótica, cidade-dos-infernos. Esquizofrênica. Como aqueles artistas bestialmente gênios que põem pra sofrer a mulher e os filhos. Reconheço, assim como eles, que não dá pra me seres tudo ao mesmo tempo. Tu és o amor de todo mundo e às vezes me emputeço. Mas se fosses só minha, não seria essa tua loucura que me arfa. Que me preenche. Daqui a pouco fico prenha de tanto amor por ti.
Há 3 anos me embrenho nessa selva e tento desfazer o bordado de teu sudário. Mas tu, cidade-penélope, dia e noite continua a tecer. A embaraçar as linhas. A trançar os pontos. A costurar as estações. No final, fica bonito.
Tentei explicar como (e principalmente por quê) continuo nessa. Eu em ti tenho fluidez, tu me és recíproca e confio-te as minhas aspirações. Desses pilares eu acredito que saia uma sólida relação. Tem outra coisa. Eu em ti são só 3 anos dos 28. Tu já tem 460. E eu respeito os mais velhos.

Com amor,

Tatiana 


Comentários

São Paulo é muito dúbia, esse texto é muito, mas muito foda, e você é muito grande. Eita orgulho.

Postagens mais visitadas deste blog

O reinado dos Castelões

Existem lugares que são verdadeiros achados, residindo insuspeitos no meio do caminho. Castelões é um deles. Num domingo quente e sem planos, topei com ele em uma rua deserta do Brás, onde morei por um ano e meio. Nesse tempo, acostumei-me, embora muita gente torcesse o nariz, às ruas feias do bairro que já chegou a ser mais conhecido na Itália que a própria São Paulo. Hoje o Brás perdeu um pouco do encanto e o título de ‘berço’ italiano acabou ficando para a Mooca, entre os menos entendidos. Para o Brás, sobrou a fama de sujo, feio, perigoso e casa de um Arnesto meio esquecido.
Por isso, nem me abalei quando meu então namorado sugeriu que almoçássemos num lugar que de longe tinha aparência meio duvidosa.No Brás tudo tem esse quê de capenga. Mas Castelões foi um engano nesse sentido. Ao chegar perto você percebe que sim, está diante de um lugar raro. A placa é de 1924 e não é mentirosa. O restaurante existe lá desde então. Trata-se do local mais antigo funcionando ininterruptamente n…

Das esperanças

Hoje consegui parar em frente ao computador e com um pouquinho de tempo para responder às suas angustiantes letras. Hoje, esperando que você esteja melhor, parei para te escrever que, sim, acredito no amor. Com o tempo, os tombos, os tropeços e as cravadas na saída (qual ginasta olímpica), com as fichas caídas, os choros copiosos e soluçados para os meus travesseiros... Passado tudo isso, posso dizer que, mesmo que mais 200 relacionamentos meu acabem daqui para frente, sim, acredito no amor. Aprendi que o amor não acaba, ele só muda de rosto. O amor é nosso, amiga. A gente entrega para quem estiver mais disposto, para quem estiver atento no lance, para quem se encaixar com a gente. Por enquanto é essa neblina, esse tempo turvo, que parece que não vai desanuviar nunca, mas ó. Vai passar. E te diria isso mesmo sem estar em um relacionamento. Te diria isso numa manhã de fevereiro, antes e depois do carnaval, quando eu ainda nem  o conhecia. Diria isso mesmo depois de ter perdido um ou…

Prece de inverno

Minha mãe diz que arrumar a cama todo dia faz a gente ficar protegido. Confesso que nem sempre lembro. Às vezes é escolher entre a cama, lavar a louça do café ou assistir um pouco de tevê. A coberta meio embolada, o pijama jogado no canto, travesseiro caído no chão. Hoje numa calçada encontrei um morador em situação de rua arrumando a dele. Confesso que nem sempre reparo neles. Às vezes é a pressa, noutras estou resolvendo alguma coisa na tela, em algumas estou de olho nas vitrines. Eu meio distraída, desviando dos senhores, das senhoras e de suas casasmóveis. O homem arrumava a cama com tanto zelo que prendeu meu olhar. Confesso que uma partezinha de mim pensou para que tanto cuidado em arrumar algo que qualquer um podia bagunçar. Vi sua mão colocando a coberta azul bem certinha embaixo do colchão fininho, dobrando bonito perto do travesseiro, passando a mão por cima para tirar toda ruga. Eu pensando que aquela cama era toda a sua casa, tanto esmero que valia.
Desejei aquele cuid…