Pular para o conteúdo principal

Meu menino

Por todas as vezes que me carregou nos braços, pegou-me no colo e, principalmente, pelos passos caminhados lado a lado. Pelas nossas viagens interiores, sempre rumo ao desconhecido, não porque necessariamente desconhecíamos o destino, mas porque ao seu lado qualquer rota foi sempre plena de um novo olhar. Por ter sido meus olhos quando não quis enxergar a verdade ou a hora da mudança (contraditoriamente tão ansiada, mas um tiquinho adiada, por medo, quem sabe). Mas principalmente por ter sido meus ouvidos diante de tanto chororô. Por todas as idas e vindas, tão necessárias (mas tão ardidas!) para o nosso crescimento. Por ter me permitido mudar. Por ter carregado comigo minha vida em caixas. Por ter atendido meus apelos, quando achei que não pudesse dar conta. Pelas contas, pelos contos fantásticos escritos – e imaginados – a quatro mãos. Pelos móveis montados e desmontados (mesmo me amaldiçoando baixinho por insistir no mesmo guarda-roupa). Por ter desafiado as câmeras do metrô para transportar o forro do referido guarda-roupa – vulgo móvel highlander. Pela paciência de me explicar centenas de vezes a mesma história, da lógica do Campeonato Brasileiro ao disparate de sirigaitas. Pelo entendimento de todos os silêncios, de todos os soluços guardados nos silêncios das madrugadas. Pelo espírito de mariahelena possuindo meu corpo e minha alma, pelos aprendizados conjuntos, por ter me ninado, quando menina. Por cada migalha compartilhada, pelos tostões gastos, pelos bolos de pesos contados. Por ter sido meu maior trovador. Pelas cartas, e-mails, encartes de DVDs escritos e filmes gravados. Por ter sido meu homem, quando mulher. Por ter escrito mais sobre mim do que eu supunha conhecer. Por ter me descortinado um mundo diferente diante dos olhos. Pelos cachorros, pela gata. Por ter me dado a certeza de que eu não estava sozinha, não nessa vida. Pelas malas carregadas, por aquelas arremessadas. Pelas raivas, pelas birras. Por ter me suportado quando insuportável. Pelos testes, de farmácia, de sangue. Pelos desabafos, pela gastura de não querer esperar a banda passar, pelos filmes iranianos no outro canto da cidade. Pelo suor escorrido, de trabalho, de tesão. Pelas veias furadas, pelos corredores de hospitais ao meu lado. Por entender meu inconformismo gritando, pelo humanismo que me ensinou e que me aprendeu (é tanto quê de humano vivido que não sei mais se é meu ou seu). Pelo barco à deriva que dividimos, não somente pelos nossos mapas astrais tão navegáveis, mas pelos projetos sem rumo nos nossos mares poéticos de possibilidades. Pela minha e sua cabeça-durice, pelos berros nas estações, pelas despedidas e encontros ansiados em plataformas de rodoviárias e aeroportos Brasil afora. Pelas gargalhadas abafadas e aquelas que pudemos soltar. Pelas piadas, pelas histórias mirabolantes, pelos apelidos (tão nossos que mereceram até tradução quando nos embrenhamos pelo estrangeiro). Pelas nossas passagens, as compradas, as não compartilhadas, por todas as viagens, juntos, sozinhos, pelas nossas pairagens. Por ter me permitido ter te transformado. Por ter me transformado, ao seu lado. Por todo o significado de nossa vida juntos. Por todos os trilhos, pela vida trilhada – e com sentido, rumo. Pelas estações. Pela espera, pelos encontros. Pelos finais e reencontros. Por toda a nossa busca ressignificada depois que pela vida do outro passamos. Ou ficamos. Pela certeza de que não estaremos mais juntos, de que acabou e ter a paz dessa certeza transformada no sentimento de gratidão, a gratidão mais ampla e irrestrita que se pode ter por uma pessoa. Pelos aplausos, por ter colocado a mão no meu queixo e levantado minha cabeça, literal ou metaforicamente, para enfrentar esse mundo e essa sãopaulo assim, olhando pra frente. Por ter me ensinado tanto, mas tanto que até chega a doer. Pelos telefones batidos, pelos gestos tão nossos, pelos nossos roteiros tão bem escritos, embasados com nossas trilhas, nossos argumentos, nossa direção de arte. Por ter me ajudado a dirigir meu caminho, mesmo sem carta. Por tudo isso, e por muito mais que não consigo enumerar, de tanto e tanto que se encheu meu caminho em mais de três anos, por esse tanto de tudo, por tudo, você é e sempre será meu menino. Que de longe continuará a fazer parte de quem eu fui. De quem eu sou. Prometa-me ser feliz. Que eu prometo ser a sua maior – e melhor – torcedora. Daquelas que valem por um Maracanã inteiro gritando seu nome. E vibrando – de orgulho – com seu gol.


*Para meu menino, que ontem fez 31, três dos quais me foram permitidos viver ao seu lado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O reinado dos Castelões

Existem lugares que são verdadeiros achados, residindo insuspeitos no meio do caminho. Castelões é um deles. Num domingo quente e sem planos, topei com ele em uma rua deserta do Brás, onde morei por um ano e meio. Nesse tempo, acostumei-me, embora muita gente torcesse o nariz, às ruas feias do bairro que já chegou a ser mais conhecido na Itália que a própria São Paulo. Hoje o Brás perdeu um pouco do encanto e o título de ‘berço’ italiano acabou ficando para a Mooca, entre os menos entendidos. Para o Brás, sobrou a fama de sujo, feio, perigoso e casa de um Arnesto meio esquecido.
Por isso, nem me abalei quando meu então namorado sugeriu que almoçássemos num lugar que de longe tinha aparência meio duvidosa.No Brás tudo tem esse quê de capenga. Mas Castelões foi um engano nesse sentido. Ao chegar perto você percebe que sim, está diante de um lugar raro. A placa é de 1924 e não é mentirosa. O restaurante existe lá desde então. Trata-se do local mais antigo funcionando ininterruptamente n…

Das esperanças

Hoje consegui parar em frente ao computador e com um pouquinho de tempo para responder às suas angustiantes letras. Hoje, esperando que você esteja melhor, parei para te escrever que, sim, acredito no amor. Com o tempo, os tombos, os tropeços e as cravadas na saída (qual ginasta olímpica), com as fichas caídas, os choros copiosos e soluçados para os meus travesseiros... Passado tudo isso, posso dizer que, mesmo que mais 200 relacionamentos meu acabem daqui para frente, sim, acredito no amor. Aprendi que o amor não acaba, ele só muda de rosto. O amor é nosso, amiga. A gente entrega para quem estiver mais disposto, para quem estiver atento no lance, para quem se encaixar com a gente. Por enquanto é essa neblina, esse tempo turvo, que parece que não vai desanuviar nunca, mas ó. Vai passar. E te diria isso mesmo sem estar em um relacionamento. Te diria isso numa manhã de fevereiro, antes e depois do carnaval, quando eu ainda nem  o conhecia. Diria isso mesmo depois de ter perdido um ou…

Prece de inverno

Minha mãe diz que arrumar a cama todo dia faz a gente ficar protegido. Confesso que nem sempre lembro. Às vezes é escolher entre a cama, lavar a louça do café ou assistir um pouco de tevê. A coberta meio embolada, o pijama jogado no canto, travesseiro caído no chão. Hoje numa calçada encontrei um morador em situação de rua arrumando a dele. Confesso que nem sempre reparo neles. Às vezes é a pressa, noutras estou resolvendo alguma coisa na tela, em algumas estou de olho nas vitrines. Eu meio distraída, desviando dos senhores, das senhoras e de suas casasmóveis. O homem arrumava a cama com tanto zelo que prendeu meu olhar. Confesso que uma partezinha de mim pensou para que tanto cuidado em arrumar algo que qualquer um podia bagunçar. Vi sua mão colocando a coberta azul bem certinha embaixo do colchão fininho, dobrando bonito perto do travesseiro, passando a mão por cima para tirar toda ruga. Eu pensando que aquela cama era toda a sua casa, tanto esmero que valia.
Desejei aquele cuid…