Pular para o conteúdo principal

Sobre carecer

Achava feio ser carente. Uma vergonha, quase uma desonra. Costumamos, se notarmos bem, associar carência a tudo que é mimado, aquele querer com birra, batendo o pé. Carente é sinônimo de um ser pegajoso e também é justificativa para as atitudes mais mesquinhas. Fez isso ou aquilo porque é carente. Que carência! Diz-se de uma atitude chata, pedante, indigente.
Aí notei que a gente maculou essa palavra, como faz com tantas outras. E a mancha da carência linguaportuguesticamente falando me fez sentir vergonha de senti-la. Foi meu terapeuta que martelou nisso, quando eu chegava me desculpando: “sei que isso é carência. Ou agi assim por estar carente”.
E ele rebatia essa autoanálise meio capenga com uma pergunta intrigante. “O que há de errado na carência?”.

Carência é carecer. A gente – pelo menos aqui no Sudeste e no Sul – tem mania de usar só o substantivo ou o adjetivo, mas é no verbo que essa palavra se mostra mais bonita e talvez é nela que reside seu real significado.  Carecer é não ter (e principalmente notar que não se tem) o que é preciso. É sentir essa falta, mas como naquele poema do Drummond não focar na falta e sim pensar numa ausência como um estar em mim. Há bastante falta na ausência. Há bastante falta no carecer.
Em grande parte, a gente carece de carícias. Não somente no sentido literal, mas carecemos de algo que nos acaricie. O ego, a alma, a autoestima. Um bom autor faz carícia, cócegas, às vezes as duas coisas juntas. Voltei recentemente de uma viagem e acredito que só consigo resumir a felicidade que senti diante dos novos cenários descortinados com a metáfora da carícia. A experiência me cativou e, cativando-me, preencheu-me, acariciando-me.
“Carece perguntar”, diria alguém lá do Nordeste. “Carece não”. Carece sim. Carecemos, sempre. Estamos sempre faltantes, sempre carecendo. Precisamos nos dar essa resposta. Carecemos do quê? Entender essa ausência assimilada é nos permitir essa “carecência”. Para voltar a passar os olhos ao redor procurando. O que é preciso. O que nos falta para nos sermos completos.
Minha resposta vem, nesse momento, não no que, mas muito em quem. De quem eu careço é, à mesma medida, quem me carece. Tem aquele que passa, finge ficar, mas sabe que não sabe permanecer. Careço daquele que mostra que me precisa. Que não blefa. Não quero faltar para quem me falta. Quero bastar.
Falta não é normal, bom, talvez não devesse ser. Mas carência, ah, essa carência adoecida, enfermada, são também minhas exclamações alegres. E talvez um dia eu brinque, cante e dance com alguém que também traga suas carências próprias. E que não tenha vergonha de ser carente, uma vez que eu saberei estender minhas carícias e entender as suas. E completá-las com minhas carícias acumuladas. E que, mais que tudo, seja digna de carecer das suas carícias.


Um mantra.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Das esperanças

Hoje consegui parar em frente ao computador e com um pouquinho de tempo para responder às suas angustiantes letras. Hoje, esperando que você esteja melhor, parei para te escrever que, sim, acredito no amor. Com o tempo, os tombos, os tropeços e as cravadas na saída (qual ginasta olímpica), com as fichas caídas, os choros copiosos e soluçados para os meus travesseiros... Passado tudo isso, posso dizer que, mesmo que mais 200 relacionamentos meu acabem daqui para frente, sim, acredito no amor. Aprendi que o amor não acaba, ele só muda de rosto. O amor é nosso, amiga. A gente entrega para quem estiver mais disposto, para quem estiver atento no lance, para quem se encaixar com a gente. Por enquanto é essa neblina, esse tempo turvo, que parece que não vai desanuviar nunca, mas ó. Vai passar. E te diria isso mesmo sem estar em um relacionamento. Te diria isso numa manhã de fevereiro, antes e depois do carnaval, quando eu ainda nem  o conhecia. Diria isso mesmo depois de ter perdido um ou…

O reinado dos Castelões

Existem lugares que são verdadeiros achados, residindo insuspeitos no meio do caminho. Castelões é um deles. Num domingo quente e sem planos, topei com ele em uma rua deserta do Brás, onde morei por um ano e meio. Nesse tempo, acostumei-me, embora muita gente torcesse o nariz, às ruas feias do bairro que já chegou a ser mais conhecido na Itália que a própria São Paulo. Hoje o Brás perdeu um pouco do encanto e o título de ‘berço’ italiano acabou ficando para a Mooca, entre os menos entendidos. Para o Brás, sobrou a fama de sujo, feio, perigoso e casa de um Arnesto meio esquecido.
Por isso, nem me abalei quando meu então namorado sugeriu que almoçássemos num lugar que de longe tinha aparência meio duvidosa.No Brás tudo tem esse quê de capenga. Mas Castelões foi um engano nesse sentido. Ao chegar perto você percebe que sim, está diante de um lugar raro. A placa é de 1924 e não é mentirosa. O restaurante existe lá desde então. Trata-se do local mais antigo funcionando ininterruptamente n…

Prece de inverno

Minha mãe diz que arrumar a cama todo dia faz a gente ficar protegido. Confesso que nem sempre lembro. Às vezes é escolher entre a cama, lavar a louça do café ou assistir um pouco de tevê. A coberta meio embolada, o pijama jogado no canto, travesseiro caído no chão. Hoje numa calçada encontrei um morador em situação de rua arrumando a dele. Confesso que nem sempre reparo neles. Às vezes é a pressa, noutras estou resolvendo alguma coisa na tela, em algumas estou de olho nas vitrines. Eu meio distraída, desviando dos senhores, das senhoras e de suas casasmóveis. O homem arrumava a cama com tanto zelo que prendeu meu olhar. Confesso que uma partezinha de mim pensou para que tanto cuidado em arrumar algo que qualquer um podia bagunçar. Vi sua mão colocando a coberta azul bem certinha embaixo do colchão fininho, dobrando bonito perto do travesseiro, passando a mão por cima para tirar toda ruga. Eu pensando que aquela cama era toda a sua casa, tanto esmero que valia.
Desejei aquele cuid…