125x125 Ads

Amores antigos não hão de vingar

Mortos não servem de ressuscitar, assim como amores antigos não hão de vingar. São projetos falhos, plantas de casas desordenadas, inimigos jurados de nascença. Não adianta embranquecer as paredes, trocar os móveis de lugar, deixar de procrastinar. Amores antigos não se leem. Já morrem morridos de matar. Amores antigos nem vão durar.
Amores antigos não dão certo em 2013, nem em 2014, muito menos em 2015. Não sobrevivem nem regados a café, a chá, a cachaça. Amor antigo se rechaça. Amores antigos não são outros nem depois de três maratonas. Não há fôlego, repele-se. Amores antigos não de louça, são madeira de demolição. Quando teima em brotar, feito inço, na teimosia de quaisquer amantes, não há valente que não se pele diante dos que se consomem. Chama bruta do querer, flor lilás de fenecer.
Amores antigos são aquele vestido velho que se a gente não doa para a caridade acaba usando. E se arrependendo. Amores antigos são capazes de rasgar no meio do compromisso. Cedem aos remendos. Mancham o álbum de tanto folhear.
Em amor antigo não se toca, mesmo com lembrança das melhores. Besteira revirar o que já está para lá. Para o que não haverá. Amores antigos não sobem a serra, só baixam o decreto: não hão de vingar. Amores antigos não se enquadram na lei do que será. Amores antigos não serão futuros, nem escarafunchados pelos escafandristas, revirando a cidade submersa. Amores antigos não reanimam nem com cinema, nem com açúcar, nem com filme brasileiro, nem com Chico. Realidade perversa.

René Magritte, Os amantes, 1928 

Amantes antigos não se tocam, não se veem, não se compreendem. Amores que já foram não salgam nem com suor antigo. Nem com nostalgia daquele perfume. Amantes antigos são cruéis no desatino. Artigo fim, inciso não insista alínea acabou. Não se tocarão, não se verão, não se compreenderão. Lei da vida. Nada de bom acontece quando um amor antigo teima em piscar. 
Não há três Natais que resistam a um amor antigo. Não há Cristo que perdure. Não há manjedoura impassível. Não há delicadeza no afogamento das lembranças. Balé trágico, pássaro de fogo, benção e perdição. Dual, o amor antigo mata por liberdade. Vida e destruição. Nascimento e morte. Amores antigos são como a sorte.

E morrendo aleatório sabe-se semente. Por isso antigo amor a gente planta, mesmo por teimosia, para ver se sabe. Só para dizer que conhece o fim de antemão, película repetida, eu avisei. Amores antigos a gente sabe que não vingam, é regravação. Mas de repente se vê amansando a terra. Jogando água e colocando o vaso meio de lado de novo no sol. Só para ver se, teimando a sorte, floresce diferente.

0 comentários:

 

Copyright © 2010 • ::: salto baixo • Design by Dzignine