Pular para o conteúdo principal

Meu projeto, meu pedido

São Paulo, meu amor

Completamos cinco anos de namoro. Acho que já te conheço bem. Da mesma forma como você sabe dos meus podres. Já fizemos xixi com o outro junto. Você já me viu dizendo: nunca mais vou beber! Até cruzar com o próximo sábado. Já me viu chorar debaixo dos óculos escuros. E fingir que nada aconteceu.
Quando eu vim, meio bocozona de tudo, sua tática foi me encantar, charmosa, envolvente, sedutora, com seus trocentos museus por quilômetro quadrado. Com suas exposições, shows gratuitos, com seus cafés, seus teatros, seus parques sob duas rodas. Tateando meu prazer em ruas estreitas, permeadas por ipês floridos, que cruzadas outras esquinas se transformavam em abrigos de arranha-céus e largas avenidas.
Eu também era mais vivaz. Cruzava a cidade por um filme iraniano. Era aquela disposta, alegre, que não me importava com qualquer obstáculo. Você era o meu suficiente. E eu declarava o meu amor aos quatro ventos, sempre pronta a uma nova declaração de bem-querer, a um novo cartão postal.
Mas já passamos da fase de cantarolar na Ipiranga com a São João. Você não me impressiona mais, querida.
Porque já me ganhou.
Portanto, não é crise. Nem cansaço. Nem tédio, rotina. Passei a me perguntar por que te amava tanto. O vício pelo trabalho, a falta do mar, as quebradas de cabeça diárias, o individualismo gritante, os pares sempre tão reticentes, rasos, tanta e tanta preguiça.
Pensando e pensando, vi que não é esse o bem que você me traz. Vi que você é bem mais. Recordei o nosso início de namoro, a minha paixão, resistente à chuva de janeiro, que caía todo dia, todo dia, todo dia. Que travava as ruas, que alagava tudo, que desafiava a lógica do Google Maps impresso, bem antes da tela ao alcance das mãos. Aquele janeiro foi foda.
E eu resisti, mansinho, engolindo choro, porque queria ver então a gente, a gente, a gente, igual à música do Milton. Cinco anos depois posso bater no peito e falar feliz da nossa trajetória. Posso pedir replay dos tropeços e rir de tudo que parecia tão devastador e, passada meia década, se torna irrisório. Você me ensinou a conduzir, não um carro, mas meu caminho. Sou muito mais Tatiana em suas calçadas. Sou muito mais eu levando a cabo meu destino.
Te reconheço em suas malcriações, mas ainda sou eu a te chamar de minha. E se com cinco anos repensamos as relações e avaliamos o término do ciclo como um fim ou um recomeço, voto, sem dúvida, na segunda opção. Ainda quero me perder em seus ônibus, com ou sem enchente. Ainda quero me deslumbrar com seus museus, ainda quero caminhar em suas ruas como que em um formigueiro e dizer que não te trocaria. Passado tudo, a eterna aventura em que persiste, ainda somos os mesmos, afinal. Maior amor.
Você ainda faz parte do meu projeto, da minha escolha. É seu nome que respondo se perguntada por um lar. Ainda é seu o meu acordar. Ainda é em ti que projeto meus sonhos, apesar de eles se embaralharem com outras cidades em alguns devaneios loucos. Foi em um deles que sonhei que partia de ti. E chorava, copiosamente, porque ainda não era findo o projeto. Ainda quero ficar, São Paulo.
Ainda quero me perder em ti. Ainda quero que você me baste, mas em ti quero que me perca, me abocanhe, me devore. Me transborde. É chegada a hora de mais um passo, por mais que acabe. Quero a eternidade, por mais que chegue a hora de avançar para outros portos. Quero seu amor sempre em mim. 
Se te amo tanto, talvez um namoro seja muito pouco.
Casa comigo?




Comentários

Paula Fernandes disse…
Ai, Tati, sua linda! :) Que homenagem fofa! :D Acho São Paulo tão você. E se esses meus dias foram lindos aí, você tem fundamental influência. Grata pela estadia. E pela orientação. E por ser tão querida, sempre! <3

Postagens mais visitadas deste blog

Das esperanças

Hoje consegui parar em frente ao computador e com um pouquinho de tempo para responder às suas angustiantes letras. Hoje, esperando que você esteja melhor, parei para te escrever que, sim, acredito no amor. Com o tempo, os tombos, os tropeços e as cravadas na saída (qual ginasta olímpica), com as fichas caídas, os choros copiosos e soluçados para os meus travesseiros... Passado tudo isso, posso dizer que, mesmo que mais 200 relacionamentos meu acabem daqui para frente, sim, acredito no amor. Aprendi que o amor não acaba, ele só muda de rosto. O amor é nosso, amiga. A gente entrega para quem estiver mais disposto, para quem estiver atento no lance, para quem se encaixar com a gente. Por enquanto é essa neblina, esse tempo turvo, que parece que não vai desanuviar nunca, mas ó. Vai passar. E te diria isso mesmo sem estar em um relacionamento. Te diria isso numa manhã de fevereiro, antes e depois do carnaval, quando eu ainda nem  o conhecia. Diria isso mesmo depois de ter perdido um ou…

O reinado dos Castelões

Existem lugares que são verdadeiros achados, residindo insuspeitos no meio do caminho. Castelões é um deles. Num domingo quente e sem planos, topei com ele em uma rua deserta do Brás, onde morei por um ano e meio. Nesse tempo, acostumei-me, embora muita gente torcesse o nariz, às ruas feias do bairro que já chegou a ser mais conhecido na Itália que a própria São Paulo. Hoje o Brás perdeu um pouco do encanto e o título de ‘berço’ italiano acabou ficando para a Mooca, entre os menos entendidos. Para o Brás, sobrou a fama de sujo, feio, perigoso e casa de um Arnesto meio esquecido.
Por isso, nem me abalei quando meu então namorado sugeriu que almoçássemos num lugar que de longe tinha aparência meio duvidosa.No Brás tudo tem esse quê de capenga. Mas Castelões foi um engano nesse sentido. Ao chegar perto você percebe que sim, está diante de um lugar raro. A placa é de 1924 e não é mentirosa. O restaurante existe lá desde então. Trata-se do local mais antigo funcionando ininterruptamente n…

Prece de inverno

Minha mãe diz que arrumar a cama todo dia faz a gente ficar protegido. Confesso que nem sempre lembro. Às vezes é escolher entre a cama, lavar a louça do café ou assistir um pouco de tevê. A coberta meio embolada, o pijama jogado no canto, travesseiro caído no chão. Hoje numa calçada encontrei um morador em situação de rua arrumando a dele. Confesso que nem sempre reparo neles. Às vezes é a pressa, noutras estou resolvendo alguma coisa na tela, em algumas estou de olho nas vitrines. Eu meio distraída, desviando dos senhores, das senhoras e de suas casasmóveis. O homem arrumava a cama com tanto zelo que prendeu meu olhar. Confesso que uma partezinha de mim pensou para que tanto cuidado em arrumar algo que qualquer um podia bagunçar. Vi sua mão colocando a coberta azul bem certinha embaixo do colchão fininho, dobrando bonito perto do travesseiro, passando a mão por cima para tirar toda ruga. Eu pensando que aquela cama era toda a sua casa, tanto esmero que valia.
Desejei aquele cuid…