Pular para o conteúdo principal

O que fazer quando o interruptor se apaga

A palavra “desligado” é muito forte. Parece que alguém apertou um botão e puff, de repente você sumiu. No fundo é isso mesmo.

Fui desligada há duas semanas e pela primeira vez na vida. Quando penso nas contas fixas, ainda dá um certo medinho, confesso. Mas tem outro sentimento que vem daí. A palavra “desligada” é muito forte. Parece que alguém apertou um interruptor e puff, de repente você sumiu. No fundo é isso mesmo.
Ser desligada é sair de um grupo, por mais que você não seja tão fã dele. É romper uma rotina com a qual você aprendeu a lidar por algum tempo. É até reclamar da segunda-feira, não ter mais que bater o cartão no sentimento de ser parte do proletariado.
Fazer parte, aliás, é algo que some quando você tem que voltar à antiga empresa para resolver qualquer coisa. Por mais que se tenha uma boa relação, o lance do interruptor faz sentido porque você é sutilmente visto e tratado como um corpo estranho de um dia para o outro. Não importa que tudo esteja bem resolvido. É inegável que dali – pelo menos dali – você foi apagado.
O desligamento é um pouco dolorido também por extinguir uma parte da sua biografia cotidiana, coisa contra a qual sempre lutei muito em São Paulo. Aqui um emprego te define, pelo menos em partes. Repare. Ao conhecer alguém, você sempre pergunta ou responde: “trabalha com quê?”, “qual a sua profissão?”, ou “onde trabalha?”. Aquelas oito horas diárias consomem quase tudo o que você é – quando não deveria.
É difícil responder a essas perguntas quando você é demitido/a e seus interlocutores acham que estar num emprego é o único indicador de sucesso na vida. Claro que um emprego te faz pertencente a um grupo, a uma rotina, a um hábito e é bem provável que você recupere isso rapidamente. Porém, é mais difícil se você se deixar engolir pelos (comuns) escorregões de medo, receio ou falta de esperança.
A demissão – esperta raposa – te intimida, mas dá em troca vários outros sentimentos. O principal é o conjunto de novos olhares sobre a vida, sobre você mesmo, a sua casa, sua cidade. Já reparou como nas ruas caminha-se diferente numa quarta-feira às 3 da tarde? Não? Talvez porque você esteja sempre no escritório nesse momento.
Nesse meu curto período de experiência no desemprego, tenho aprendido que o mais importante é ter sabedoria para se dar bem quando o interruptor se apaga. O mais sábio, tenho aprendido é que a perspectiva de “ser desligado” é a ótica daquela empresa. Você não faz parte dela, fato. Mas experimente observar por um ângulo mais inteligente – e único possível – o seu. O que aconteceu é que essa experiência somente se encerrou na sua vida. Você continua aí, profissional, vivo, com todas as luzes – e capacidades - acesas para novas vivências.
Quando um interruptor se apaga, a menos que seja para dormir, o menos indicado é continuar no cômodo, mesmo que metaforicamente. Encerre esse ciclo e saia sem olhar para trás (tá bom, pode dar uma espiadinha, vale como aprendizado). Parta rumo a outros cômodos, outras casas, outros bairros. Há muitos deles te esperando. Com interruptores a postos, para se acenderem quando você entrar.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Das esperanças

Hoje consegui parar em frente ao computador e com um pouquinho de tempo para responder às suas angustiantes letras. Hoje, esperando que você esteja melhor, parei para te escrever que, sim, acredito no amor. Com o tempo, os tombos, os tropeços e as cravadas na saída (qual ginasta olímpica), com as fichas caídas, os choros copiosos e soluçados para os meus travesseiros... Passado tudo isso, posso dizer que, mesmo que mais 200 relacionamentos meu acabem daqui para frente, sim, acredito no amor. Aprendi que o amor não acaba, ele só muda de rosto. O amor é nosso, amiga. A gente entrega para quem estiver mais disposto, para quem estiver atento no lance, para quem se encaixar com a gente. Por enquanto é essa neblina, esse tempo turvo, que parece que não vai desanuviar nunca, mas ó. Vai passar. E te diria isso mesmo sem estar em um relacionamento. Te diria isso numa manhã de fevereiro, antes e depois do carnaval, quando eu ainda nem  o conhecia. Diria isso mesmo depois de ter perdido um ou…

O reinado dos Castelões

Existem lugares que são verdadeiros achados, residindo insuspeitos no meio do caminho. Castelões é um deles. Num domingo quente e sem planos, topei com ele em uma rua deserta do Brás, onde morei por um ano e meio. Nesse tempo, acostumei-me, embora muita gente torcesse o nariz, às ruas feias do bairro que já chegou a ser mais conhecido na Itália que a própria São Paulo. Hoje o Brás perdeu um pouco do encanto e o título de ‘berço’ italiano acabou ficando para a Mooca, entre os menos entendidos. Para o Brás, sobrou a fama de sujo, feio, perigoso e casa de um Arnesto meio esquecido.
Por isso, nem me abalei quando meu então namorado sugeriu que almoçássemos num lugar que de longe tinha aparência meio duvidosa.No Brás tudo tem esse quê de capenga. Mas Castelões foi um engano nesse sentido. Ao chegar perto você percebe que sim, está diante de um lugar raro. A placa é de 1924 e não é mentirosa. O restaurante existe lá desde então. Trata-se do local mais antigo funcionando ininterruptamente n…

Prece de inverno

Minha mãe diz que arrumar a cama todo dia faz a gente ficar protegido. Confesso que nem sempre lembro. Às vezes é escolher entre a cama, lavar a louça do café ou assistir um pouco de tevê. A coberta meio embolada, o pijama jogado no canto, travesseiro caído no chão. Hoje numa calçada encontrei um morador em situação de rua arrumando a dele. Confesso que nem sempre reparo neles. Às vezes é a pressa, noutras estou resolvendo alguma coisa na tela, em algumas estou de olho nas vitrines. Eu meio distraída, desviando dos senhores, das senhoras e de suas casasmóveis. O homem arrumava a cama com tanto zelo que prendeu meu olhar. Confesso que uma partezinha de mim pensou para que tanto cuidado em arrumar algo que qualquer um podia bagunçar. Vi sua mão colocando a coberta azul bem certinha embaixo do colchão fininho, dobrando bonito perto do travesseiro, passando a mão por cima para tirar toda ruga. Eu pensando que aquela cama era toda a sua casa, tanto esmero que valia.
Desejei aquele cuid…