Pular para o conteúdo principal

Você já elogiou outra mulher hoje?

Pesquisa feita em diversos países mostrou que só 4% das mulheres entrevistadas se consideravam bonitas. Como você pode ajudar outra mulher a se sentir melhor – não apenas com sua aparência, mas com suas outras qualidades? Torne-se parte da solução e não do problema!

Olhe para o lado. Provavelmente você cruza com mulherões da porra todos os dias. Mas raramente você fala isso a elas. Infelizmente, vivemos numa cultura que incita a rivalidade feminina. “Ah, mas não sou rival de ninguém”. Sim, mas bem sabemos que desde cedo somos estimuladas, ainda que inconscientemente, a julgar e a competir umas com as outras.  Bad vibes 🙁
Somado a isso, a autocrítica feminina é bem ferrenha. A gente se enxerga bem pior que os outros nos veem. Exemplos temos aos montes (como essa ótima campanha do Retrato Falado, da Dove).
A sororidade é um movimento que vai contra isso, porque fortalece a união das mulheres, resgatando o respeito e a empatia. E é um exercício, portanto exige treino constante. Se a gente não cuidar, vixe, julgamos uma mulher sem nem saber a história dela. Ou putz! Olhamos torto para aquela que está se dando bem.
Photo by Tom The Photographer on Unsplash
Pensando assim, não julgar ou torcer por outra mulher seriam já atos de resistência. Mas eu proponho um desafio. Se elogios têm o poder de transformar o dia de uma pessoa, que tal fazer isso por outras mulheres? Parece fácil, mas tem que ser verdadeiro, constante e sem garantia de receber outro elogio de volta. E aí, quer entrar nessa corrente? Então, caneta e papel na mão, pay attention please.
  • Olhe para o lado. E pouse o olhar

É fácil perceber as mulheres com quem temos afinidade. Mais fácil ainda elogiá-las. Mas e as outras, que passam e a gente mal nota? Tente encontrar nas mulheres com quem você menos convive características importantes de serem notadas. Muito além da aparência, existem pontos altos em todas as mulheres. Fale disso para elas, quando tiver a oportunidade, sem medo de parecer louca. E vá além. Sabe aquelas mulheres com quem você não se dá bem? Que tal listar, mesmo que mentalmente, coisas boas em sua personalidade ou que elas façam bem? Agora, encontre uma forma de dizer isso a ela. Vai, você consegue 😉
  • O reconhecimento tem que ser genuíno

Não dá para forçar a barra. Vejam bem que falei em reconhecimento, não apenas elogio. Reconhecimento, mais que apontar algo de bom, vai além. Reconhecer o que outra mulher tem de bom é ressaltar a diferença que ela faz no mundo.
  • Muito além do LINDAAAAAAAAAAAA

O elogio inclui, sim, aparência. Principalmente para mulheres que têm dificuldade de reconhecer que são bonitas, charmosas, atraentes. Mas tente ir além e não reduzir o elogio apenas ao corpo. Aparência é efêmera e, por mais que uma mulher goste sim de saber que a dela vai bem, obrigada, às vezes é difícil uma mulher receber junto um reconhecimento genuíno por traços marcantes da personalidade ou por conquistas profissionais e pessoais.
Tô dizendo pra nunca escrever LINDAAAA no Instagram da coleguinha? Ou escrever textão em cada comentário? Não, mas tente não se prender ao óbvio 🙂 Garanto que você tem muitas oportunidades de ir além do superficial.
Photo by Eye for Ebony on Unsplash
  • Mulheres menos frágeis, menos suscetíveis 

Por curiosidade, joguei o título dessa coluna no Google e vários resultados eram dicas de cantada para pegar mulheres facilmente. Ser bajulada por um homem que quer apenas o seu corpinho é algo que infelizmente lidamos desde que o mundo é mundo. Por isso que é TÃO IMPORTANTE reconhecermos, elogiarmos, valorizarmos umas às outras. Às vezes a autoestima de uma mulher está estilhaçada e ninguém sabe disso. Deixar uma mulher assim à mercê das cantadas de um canalha é prato cheio para uma história infeliz. Fortaleçamos umas às outras!
  • Um elogio pode ser tudo o que a outra mulher precisa. E não conta

Uma vez estava indo embora e cruzei com uma colega de empresa no elevador. Não tínhamos muita intimidade, mas sei lá por que, disse que o astral dela contagiava. Comentei que falamos disso naquele dia no setor, que ela era uma pessoa querida. Ela desabou. Encheu os olhos de lágrimas e disse que foi importante ouvir aquilo justo naquele dia. Fui pega de surpresa pela reação, mas entendi como um sinal. Quando você tiver vontade de falar, fale 🙂 nada melhor do que reconhecer verdadeiramente uma mulher que pode precisar das suas palavras.
  • A pressão sobre as mulheres atinge a todas. Seja parte da solução!

Uma pesquisa mundial  mostrou que sete em dez mulheres e meninas se sentem pressionadas a nunca cometer erros ou a demonstrar fraqueza. É um número muito alto e mostra como, cada vez mais, estamos pressionadas a sermos perfeitas. A autocrítica às vezes é maior que os fatores externos, portanto, não contribua para o sofrimento de outra mulher. Faça a sua parte para que a vida dela – e a sua! – seja mais leve. Não reforce estereótipos, não julgue, seja uma mana, de verdade!
Photo by Rubén Bagüés on Unsplash
  • Seja gentil com outras mulheres. E com você também

Dizem que você só consegue enxergar no outro o que possui – ou tem muito potencial – para ter em você mesma. Então, quando você reconhece algo de bom em outras mulheres também está ajudando nesse processo de autoconhecimento. Seja gentil com outra mulher, mas também com você mesma. Não se esqueça que o elogio, o reconhecimento e a valorização também cabe a você. Enxergue o que tem de bom!
Photo by Ian Schneider on Unsplash
  • Reconhecer é uma corrente, que te faz bem também!

Sabe aquela imagem de uma mulher que puxa a outra e, em seguida, é puxada por uma terceira e assim sucessivamente? Essa corrente é essencial e existe! Por mais que o reconhecimento deva acontecer sem esperar outro em troca, quanto mais energias boas jogamos para o universo, maiores as chances do universo te dar coisas boas de presente, quando você mais precisa. Reconhecer o que a outra tem de bom nos faz bem, nos faz mais focadas na positividade e fortalece a corrente da sororidade.

Entre nessa!

Texto publicado no site Da Pimenta, onde escrevo quinzenalmente. 

Link original aqui :)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Das esperanças

Hoje consegui parar em frente ao computador e com um pouquinho de tempo para responder às suas angustiantes letras. Hoje, esperando que você esteja melhor, parei para te escrever que, sim, acredito no amor. Com o tempo, os tombos, os tropeços e as cravadas na saída (qual ginasta olímpica), com as fichas caídas, os choros copiosos e soluçados para os meus travesseiros... Passado tudo isso, posso dizer que, mesmo que mais 200 relacionamentos meu acabem daqui para frente, sim, acredito no amor. Aprendi que o amor não acaba, ele só muda de rosto. O amor é nosso, amiga. A gente entrega para quem estiver mais disposto, para quem estiver atento no lance, para quem se encaixar com a gente. Por enquanto é essa neblina, esse tempo turvo, que parece que não vai desanuviar nunca, mas ó. Vai passar. E te diria isso mesmo sem estar em um relacionamento. Te diria isso numa manhã de fevereiro, antes e depois do carnaval, quando eu ainda nem  o conhecia. Diria isso mesmo depois de ter perdido um ou…

O reinado dos Castelões

Existem lugares que são verdadeiros achados, residindo insuspeitos no meio do caminho. Castelões é um deles. Num domingo quente e sem planos, topei com ele em uma rua deserta do Brás, onde morei por um ano e meio. Nesse tempo, acostumei-me, embora muita gente torcesse o nariz, às ruas feias do bairro que já chegou a ser mais conhecido na Itália que a própria São Paulo. Hoje o Brás perdeu um pouco do encanto e o título de ‘berço’ italiano acabou ficando para a Mooca, entre os menos entendidos. Para o Brás, sobrou a fama de sujo, feio, perigoso e casa de um Arnesto meio esquecido.
Por isso, nem me abalei quando meu então namorado sugeriu que almoçássemos num lugar que de longe tinha aparência meio duvidosa.No Brás tudo tem esse quê de capenga. Mas Castelões foi um engano nesse sentido. Ao chegar perto você percebe que sim, está diante de um lugar raro. A placa é de 1924 e não é mentirosa. O restaurante existe lá desde então. Trata-se do local mais antigo funcionando ininterruptamente n…

Prece de inverno

Minha mãe diz que arrumar a cama todo dia faz a gente ficar protegido. Confesso que nem sempre lembro. Às vezes é escolher entre a cama, lavar a louça do café ou assistir um pouco de tevê. A coberta meio embolada, o pijama jogado no canto, travesseiro caído no chão. Hoje numa calçada encontrei um morador em situação de rua arrumando a dele. Confesso que nem sempre reparo neles. Às vezes é a pressa, noutras estou resolvendo alguma coisa na tela, em algumas estou de olho nas vitrines. Eu meio distraída, desviando dos senhores, das senhoras e de suas casasmóveis. O homem arrumava a cama com tanto zelo que prendeu meu olhar. Confesso que uma partezinha de mim pensou para que tanto cuidado em arrumar algo que qualquer um podia bagunçar. Vi sua mão colocando a coberta azul bem certinha embaixo do colchão fininho, dobrando bonito perto do travesseiro, passando a mão por cima para tirar toda ruga. Eu pensando que aquela cama era toda a sua casa, tanto esmero que valia.
Desejei aquele cuid…